Páginas

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Pavão Pavãozinho

..........................................

Pavão Pavãozinho


Fernanda Brum


O que vi na Central do Brasil
No Pavão Pavãozinho, em Padre Miguel
Eu não vi em outro lugar, fora daqui
Fora com tanta miséria
Vou lá espantar o fantasma do caos
E mandá-lo pra outro lugar
Pra casa de Apolion
O que vi no agreste mineiro
O que vi no sertão, nos ribeirinhos do amazonas
Extrapolou, extrapolou
É, é a hora do senado acordar
É a hora desse povo sacudir
É a hora da bondade dominar
É, é a hora de crer mais nos tribunais
De exorcizar o mofo das prisões
De ver nossos velhinhos a cantar
Incoerência, Imprudência e maledicência,
os que queriam pregar
perdeu a inocência
No Palanque da injustiça onde o pobre passa fome,
Onde o orfão, A viúva e o idoso não têm nome
Promessas esquecidas de outros carnavais
Lembravam da igreja, agora não lembram mais
Seguiram no batuque dessa dinherada
Perderam a visão, agora já não têm mais nada!
É, é a hora do senado acordar
É a hora desse povo sacudir
É a hora da bondade dominar
É, é a hora de crer mais nos tribunais
De exorcizar o mofo das prisões
De ver nossos velhinhos a cantar
Oe Oe Oe Oe Oe
Canta Brasil ( 3x )
Oe Oe Oe Oe Oe
Acorda Brasil !

..........................................

Dêem Vocês Mesmos Comida A Eles

“Eles não precisam ir embora.
 Dêem vocês mesmos comida a eles”

Quem tem fome não pode esperar.
Ensinar os discípulos a fazer outros discípulos não é uma tarefa fácil.
Jesus sabia disso muito bem. Por isso Ele tinha uma visão muito clara daquilo que se desejava alcançar.
Era preciso fazer os discípulos conhecer a mente de Deus. E aquele momento era uma boa oportunidade para que Jesus descortinasse a mente de Deus para aqueles homens. Era uma boa oportunidade de Jesus passar a visão de Deus para eles.
Além de mostrar que as necessidades do homem são supridas quando esses depositam sua confiança e esperança em Jesus, era uma ocasião oportuna para ensina que o primeiro valor importante na experiência do ser humano é servir.
Servir é difícil, pois exige que nossa vontade seja quebrada. Exige trabalho. E como seres humanos nossa disposição não está muito voltada para essa exigência. Todos nós queremos o mínimo de esforço, queremos um lugar confortável onde podemos ser servidos e viver uma vida como espectadores.
Mas na visão de Jesus, para que alguém se disponha a ouvir, saber o que você tem para ensinar, é preciso que antes você mostre o quanto você se preocupa com ele. Quando você se preocupa, você consegue um resultado de multiplicação.
As pessoas não precisavam ir embora, mandá-los embora não iria resolver a questão da fome. Iria deixá-los ainda mais famintos. Iria criar na mente dos discípulos a idéia de que outros podem fazer o seu serviço. Que aqueles que ali estavam deviam buscar recursos por suas próprias forças.
Mas Jesus aproveitou essa oportunidade para mostrar que aqueles que querem gerar novos discípulos precisam se dispor a trabalhar. A se importar com as necessidades alheia.
Numa estatística revelada pela ONU (Organização das Nações Unidas), morrem no mundo 125 pessoas a cada minuto.
Muito dessas pessoas morreram de fome de alimentos, fome de educação, fome de justiça, fome de um interesse maior pela saúde, fome de uma vida digna, de um salário digno, de serem tratadas com respeito. Fome de carinho e afeto. Fome de ver prosperar uma nação para que seus direitos sejam respeitados como cidadãos.
Fome de ver acabar a corrupção que destrói a maltrata aqueles que querem simplesmente viver uma vida honesta e decente.
E além de tudo isso, fome de ter seu espírito liberto das opressões malignas que no pano de fundo, é o responsável por toda obra de maldade que vivenciamos no mundo.
Quem tem fome não pode esperar.
A Igreja é desafiada a dar ela mesma comida ao povo.
“Agora, pois, permanecem a fé, a esperança, o amor, estes três; mas o maior destes é o amor” (1 Corintios 13: 12).
Enquanto servem em amor, o clamor daqueles que amam a Deus chega até o céu, e Jesus como respondeu no passado, responde para nós hoje:
“Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça porque eles serão fartos” (Mateus 5: 6). 
Se queremos ver o reino de Deus no meio de nós, precisamos deixar seu governo ser estabelecidos no tabernáculo, que é nosso corpo, e nossas atitudes se transformarem em atos de adoração.
E como podemos começar a ter atos de adoração?
Tirando um momento na escola, na empresa, na família para se adorar a Deus. 
Uma reunião com os empregados da empresa. Com os professores na escola. Uma sala de reunião dentro da prefeitura de sua cidade, onde se pode orar, ler a Bíblia. Trazer Deus para fazer parte de todo empreendimento que tenhamos em mente. 
Com isso estamos trazendo o governo de Deus para nossa vida, nossa escola, nossa empresa, nossa família, nossa cidade, nossa nação.
E o fruto que conseguiremos com isso é um governo de paz, alegria e justiça.
Por isso é importante meditarmos no que Jesus disse aos seus discípulos.
"Dêem Vocês mesmos comidas a eles".

Baseado em Mateus 14. 16.

domingo, 30 de outubro de 2011

DIA DAS BRUXAS NAS IGREJAS E A REFORMA PROTESTANTE

___________________________________

Muita gente não sabe, mas o Dia das Bruxas, o Samhain ou Halloween, Ano Novo céltico (31 de outubro), tem uma conexão com o Dia de Todos os Santos da Igreja Católica Romana. Este era originalmente celebrado em maio, e não no primeiro dia de novembro.

No ano 608, o imperador romano Focas apaziguou o populacho dos territórios pagãos recentemente conquistados, permitindo-lhe combinar o antigo ritual de Samhain com o Dia de Todos os Santos. E, assim, o panteão de Roma, templo edificado para a adoração de uma multiplicidade de deuses, foi transformado em igreja.

Foram os imigrantes europeus, especialmente os irlandeses, que introduziram o Halloween nos Estados Unidos. Hoje, o Dia das Bruxas é muito importante para os lojistas, inclusive no Brasil. Salém, em Massachusetts (Estados Unidos), é a sede da bruxaria norte-americana. Ali celebra-se, na época do Halloween, o Festival da Assombração, para expandir a temporada turística de verão. Tudo parece uma grande brincadeira, mas — conscientemente ou não — os participantes dessa festa estão se envolvendo com o ocultismo e o satanismo.

Por outro lado, algumas denominações evangélicas, além de realizarem festas similares às juninas (o que já é um absurdo), estão promovendo também, no fim de outubro, uma espécie de Halloween, decorando o ambiente com abóboras, etc. Elas alteram o nome da brincadeira satânica para Jesusween ou Elohin! Aos pastores destas igrejas quero apresentar um motivo melhor para festejar.

Em vez de comemorarem o Dia das Bruxas, os pastores que se prezam deveriam se lembrar da Reforma Protestante. Na manhã de 31 de outubro de 1517, véspera do Dia de Todos os Santos, Martinho Lutero — sacerdote romanista, professor de teologia e filho de um minerador bem-sucedido — começou a questionar de modo mais contundente a Igreja Católica e a atacar a autoridade do papa.

Lutero, então, afixou na porta da Catedral de Wittenberg (pronuncia-se vitemberk) um pergaminho que continha 95 declarações. Estas, conhecidas como teses, eram quase todas relacionadas com a venda de indulgências (pacotes caros pagos pelo perdão, inclusive das pessoas que já haviam partido para a eternidade).

Em junho de 1520, Lutero foi excomungado por uma bula — decreto do papa que continha o seu selo oficial. Em dezembro do mesmo ano, com ousadia, ele queimou esse documento em reunião pública, à porta de Wittenberg, diante de uma assembleia de professores, estudantes e o povo. No ano seguinte, foi intimado a comparecer ante as autoridades romanistas, em Worms. E declarou: “Irei, ainda que me cerquem tantos demônios quantas são as telhas dos telhados”.

No dia 17 de abril de 1521, Lutero apresentou-se à Dieta do Concílio Supremo, presidida pelo imperador Carlos V. Para escapar da morte, teria de se retratar. Mas ele não faria isso, a menos que fosse desaprovado pelas próprias Escrituras. E asseverou perante todos: “Aqui estou. Não posso fazer outra coisa. Que Deus me ajude. Amém”.

Considerado herege, ao regressar à sua cidade Lutero foi cercado e levado por soldados ao castelo de Wartzburg, na Turíngia, onde ficaria “guardado”. Ali, ele traduziu o Novo Testamento para o alemão, obra que, por si só, o teria imortalizado. Ao regressar a Wittenberg, reassumiu a direção do movimento a favor da Igreja Reformada, e a partir daí os princípios da Reforma Protestante se espalharam por toda a Europa, com ajuda de homens de valor, como Ulrico Zuínglio, João Calvino, Jacques Lefevre, João Tyndale, Tomás Cranmer, João Knox, etc.

Assim como muitos teólogos estão fazendo hoje, os católicos romanos haviam substituído a autoridade da Bíblia pela autoridade da igreja. Eles ensinavam que a igreja era infalível e que a autoridade da Bíblia procedia da tradição. Os reformadores afirmavam que as Escrituras eram a sua regra de fé, de prática e de viver, e que não se devia aceitar nenhuma doutrina que não fosse ensinada por elas. A Reforma devolveu ao povo a Bíblia que se havia perdido, passando a considerá-la a fonte primária de autoridade.

Nesses tempos difíceis, em que muitos estão brincando com o pecado e até com festas satânicas, quantos cristãos sérios estão dispostos a protestar contra as heresias verificados entre nós (2 Pe 2.1; At 20.28), à semelhança de Lutero?

___________________________________

Extraído do Blog do Pastor Guedes.



quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Às Vezes Precisamos Ficar Tristes

“Em verdade, em verdade, vos digo que vós chorareis e vos lamentareis”

Assistia à entrevista feita ao artista Emicida no programa De Frente Com Gabi. Achei muito interessante algumas das coisas que ele falou e do seu relato em relação a morte de seu pai e de como começou a compor e gravar suas músicas, de como começou a canta dentro de igrejas evangélicas e do candomblé. No entanto uma coisa me chamou a atenção. Foi quando a apresentadora Marília Gabriela, a Gabi, lhe questionou acerca do colar que ele estava usando e lhe fez uma pergunta acerca de Deus. Se ele acreditava em Deus. Sua resposta foi: “eu acho que a idéia de Deus é quando as pessoas são felizes”.
Todo mundo quer ser feliz.
Existe hoje muita ênfase na busca da felicidade. Isso acontece até mesmo dentro das igrejas. Parece que há um medo coletivo em relação à tristeza.
Existe muita ênfase no pensamento positivo, na autoestima invencível, na prosperidade financeira, e coisas que ajudam o ser humano nessa busca pela felicidade.
Ninguém tem dúvida de que se é muito mais fácil lidar com a felicidade e a alegria do que com a dor e a tristeza.
Creio que todos nós em algum momento da vida já fomos inundados por ondas de pesar ou de tristeza. E quem não já se sentiu paralisado por sensações de desespero? Isso é situação normal a todos nós.
Até mesmo Jesus passou por momentos semelhantes: “E levando consigo Pedro e os dois filhos de Zebedeu, começou a entristecer-se e a angustiar-se. Então lhes disse: A minha alma está triste até a morte; ficai aqui e vigiai comigo” (Mateus 26: 37, 38).
Emoções como essas, além de dúvidas e desapontamento podem nos ensinar muito acerca de nós mesmos. A forma como agimos e reagimos a estas questões revelam quem de fato nós somos. E também nos ensinam o que de fato significa a felicidade.
Da mesma forma que para se aprender a se levantar precisamos cair. Precisamos da tristeza para se conhecer o que é a felicidade.
Felicidade vai além de simples prazeres sensoriais, ou aquela idéia de que tudo poderia ser melhor do que é.
Jesus tinha uma idéia real do que lhe esperava. Ele cresceu olhando para aquelas cruzes que ficavam lá no alto do morro. Ele via tudo isso com um olhar positivo, caso contrário teria desistido de tudo muito cedo.
Se Jesus olhasse de forma negativa sua vida, teria ficado infeliz e esse sentimento de infelicidade o levaria a pensar que a vida é injusta.
Mas Jesus sabia que para ser uma pessoa completa, é preciso passar por situações difíceis. Era preciso aprender a lidar com essas situações.
A palavra felicidade vem do grego, da palavra eudaimonia, que traz a idéia de viver de acordo com a razão; de realizar o que consideramos nossa finalidade; de cumprir com o dever cívico; de levar uma vida virtuosa, de estar totalmente comprometido em vivenciar a amizade e o amor humano.
Jesus sabia disso. É por isso que acredito que Ele viveu com um olhar positivo mesmo diante as cruzes que lhe vinham a vista.
Mas melhor do que ter uma atitude positiva é ter uma visão realista.
Jesus sabia que os relacionamentos podem nos causar a mais profunda satisfação e nos dar uma imensa sensação de felicidade e de nos sentirmos seres completos. E sua missão consistia em unir o homem a Deus.
Por ser realista Jesus sabia também que, em essência esse relacionamento é confuso, imprevisível, e não raro é fonte de desapontamento, angústia e tristeza: “Depois voltou e encontrou os três discípulos dormindo. Então disse a Pedro: Será que vocês não podem vigiar comigo nem uma hora? (Mateus 26: 40).
Uma verdade da experiência humana da qual não podemos ignorar é que os momentos de alegria, as sensações de contentamento que nos invadem , só fazem sentido quando se contrasta com as experiências de desapontamento, sofrimento e de tristeza.
Depois da amarga experiência no Jardim do Getsêmani, das violentas cenas que viram no pátio do palácio até o local da crucificação, os discípulos começaram a entender o que Jesus queria dizer com: “Assim também vós agora, na verdade, tendes tristeza; mas eu vos tornarei a ver, e alegrar-se-á o vosso coração, e a vossa alegria ninguém vo-la tirará” (João 16: 22).
Quando o ser humano vivencia mudanças drásticas nos dias de hoje, como divórcio, falecimento, abandono, doenças que trazem risco de vida, aumenta o nível de ansiedade. Nesse momento é comum sentirmos estresse, tristeza, e até mesmo pânico.
Na sociedade, quando essas mudanças drásticas são vivenciadas, encontramos uma epidemia de ansiedade e insegurança. Vivenciamos redução na família, desemprego, crise econômica internacional, injustiças, abusos sexuais, problemas com drogas, corrupção, tudo isso aumentando nosso grau de ansiedade e criando uma sensação de incômodo e incapacidade.
Parece que tudo está fora de controle. Com tendências a piorar.
Então não é justo pensar em felicidade como sendo apenas um modo que criar uma sensação festiva em quem passa por situações de despontamento.
Para nos tornarmos seres humanos desenvolvidos, com experiências de vida precisamos passar por essa experiência de tristeza e sofrimento até o fim. “e, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, tornando-se obediente até a morte, e morte de cruz” (Filipenses 2: 8).
A satisfação pessoal vem com a dor e com o sofrimento e não com o prazer. É um erro querer apressar o processo de lidar com a tristeza.
Aquilo que chamamos de alegria e felicidade passa tão rapidamente como o vento. Mas as emoções de tristeza e sofrimento precisam de tempo para fazer o seu serviço.
Disse Jesus:“Em verdade, em verdade, vos digo que vós chorareis e vos lamentareis, mas o mundo se alegrará; vós estareis tristes, porém a vossa tristeza se converterá em alegria” (João 16: 20).

Quando Os Sentimentos Nos Derrotam

Estava um domingo cinzento, uma chuva fina caia, deixando o dia mais frio que de costume. Prometia ser mais um domingo monótono. Precisava de algo para me distrair. Resolvi sair para comprar o jornal.

Meus domingos agora eram assim, uma rotina monótona desde que minha família foi embora.

Durante a semana ainda era possível suportar esse fardo pesado que eu precisava carregar. Mas aos domingos as coisas ficavam piores. Pois as lembranças de coisas boas que fizemos vinham à minha mente. Os passeios, nossas idas ao restaurante, as brincadeiras e conversas jogadas fora num enlace de felicidade. Coisas que ficaram na minha lembrança, mas que agora não existem mais.

Minha esposa e meus filhos não conseguiram suportar o ciúme doentio que por várias vezes os fizeram sofrer tanto. Um casamento que tinha tudo para dar certo, mas que foi jogado ao chão por esse incontrolável ciúme. Um sentimento doentio que me derrotou.

Comprei o jornal e voltei para casa.

Havia um pouco de café frio que havia sobrado do dia anterior. Engoli um pouco e passei a folhear o jornal. Algumas horas se passaram. Mas ainda era muito cedo. Faltavam algumas horas para o meio dia. E eu já tinha lido quase todo o jornal.

Olhei ao redor, o silêncio dentro de minha casa me fez sentir mal. Fui até a janela e olhei por ela. A chuva fina da manhã mostrou-se como um fantasma trazendo o quadro sombrio que era agora a minha vida.

Percebi o quanto foi desastroso o resultado causado por meus sentimentos. Percebi que o excesso de amor que eu tinha por minha mulher, gerou dentro de mim o ciúme louco que havia destruído o meu lar. Eu fui um homem derrotado pelos meus sentimentos.

Enquanto olhava pela janela, ouvi o som distante de uma música antiga tocando no aparelho de alguma casa, ela só me fez perceber ainda mais o quanto eu havia errado:

De tanto brincar com os meus sentimentos
Vivendo de aplausos envoltos em sonhos
De tanto cantar minhas canções ao vento
Já não sou como eu fui, já não sei o que sinto.

Me esqueci de viver, me esqueci de viver,
Me esqueci de viver, me esqueci de viver.

De tanto cantar ao amor e a vida
Eu fiquei sem amor numa noite de um dia
De tanto brincar com quem eu mais queria
Eu perdi sem querer, o melhor que eu tinha.

         Infelizmente essa é a realidade de muitas pessoas. Sejam homens ou mulheres. Pessoas que foram derrotadas por seus sentimentos. Pessoas que não tiveram controle sobre o que sentiam e não souberam expressar o que lhes vinham à mente. “Porque onde há ciúme e sentimento faccioso, aí há confusão e toda obra má” (Tiago 3: 16).

Conheço pessoalmente uma mulher que por causa de seu ciúme, chegou a arrastar o cd de uma cantora no chão para riscar as músicas que seu marido gostava. Quebrou outros só porque seu marido gostava de ouvir as músicas e ela na sua imaginação doentia, imaginava que era por causa de uma amante.

Esse medo doentio não é amor verdadeiro, não faz bem a ninguém. Nem a quem se diz amar e nem a pessoa que ama.

A Bíblia diz o seguinte em relação ao amor: “No amor não há medo antes o perfeito amor lança fora o medo; porque o medo envolve castigo; e quem tem medo não está aperfeiçoado no amor” (1 João 4:18).

A Bíblia também diz que quem ama, “não suspeita mal”.

Um colega de trabalho certa vez me confessou que sua esposa possuía esse sentimento doentio por ele. Ele disse que aquilo já o estava irritando e num certo dia ele não suportou mais e gritou: “Porque você me enche tanto com esse ciúme, já estou ficando desconfiado de você. Quem não deve não precisa ter medo”.

Ele começou a pensar que aquilo que ela temia dele era o que ela fazia as escondidas. “Porque onde há ciúme... aí há confusão e toda obra má”.

É preciso levar a sério o que a Bíblia fala. Conto de fadas é com a Disney.

Precisamos encher a mente com coisas boas, saudáveis, que edificam, que revelam as coisas de Deus e afastar de vez os venenos da Fazenda, do BBB, das novelas global.

Precisamos levar vidas que revelem que somos dignos que sermos chamados de Filhos do Reino.

O apóstolo Paulo faz uma apologia perfeita para quem ainda não se aperfeiçoou no amor. Ele diz: “O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não se vangloria, não se ensoberbece, não se porta inconvenientemente, não busca os seus próprios interesses, não se irrita, não suspeita mal; não se regozija com a injustiça, mas se regozija com a verdade; tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor jamais acaba” (1 Coríntios 13: 4-8).




sexta-feira, 21 de outubro de 2011

A Possibilidade do Impossível Acontecer

Eu creio e acredito que todos os cristãos também que Deus é poderoso, criador de todas as coisas e que Ele pode todas as coisas.
Mas quando eu olho por certa perspectiva percebo que Deus não pode tudo. “Opa! O que você está dizendo?”
Não sou herege e nem pretendo ser.  Estou apenas refletindo e tentando lhe mostrar que Deus não pode o que é absurdo.
Nosso Deus não vai contra os seus princípios. Ele é o Deus Todo Poderoso (El Shaddai). Mas o seu poder está controlado pelo caráter Dele. Em seus princípios divinos Ele pode tudo  mas, não pode tudo.
            Um exemplo disso é o seguinte: imagine que você tenha brigado com alguém que você ama muito e que no auge da briga, saiu um tapa que atingiu o rosto dessa pessoa. Deus não pode fazer algo que já aconteceu, deixe de ter acontecido. O tapa saiu, doeu, o rosto ardeu e ficou vermelho com o impacto. A lembrança dessa cena ficará marcada na lembrança dessa pessoa.
Deus pode até lhe perdoar, limpar de sua mente, esquecer tudo o que fizemos de errado. Mas Ele não pode fazer com que aquilo que aconteceu volte atrás. De alguma forma existiu.
Agora observe o quadro apresentado em nosso texto.
Entra em cena uma mulher. Com um sentimento forte e profundo de ver sua filhinha curada. Uma carência na alma de paz e sossego, pois sua filhinha estava possessa de um demônio: “porque logo, certa mulher, cuja filha estava possessa de um espírito imundo” (marcos 7: 25a). Ela sai de casa decidida a resolver seu problema: “ouvindo falar dele, veio e prostrou-se-lhe aos pés” (Marcos 7: 25b).
É uma mulher pagã, siro-finícia, aprendeu a falar grego. Mas era um ser humano carente e necessitado que decide enfrentar Deus: “(ora, a mulher era grega, de origem siro-fenícia) e rogava-lhe que expulsasse de sua filha o demônio” (Marcos 7: 26). Ela subjuga Deus, força uma situação.
Mesmo ouvindo a resposta de Jesus, ela cria uma situação ilusória dos projetos divinos e enfrenta Deus cara a cara: “Respondeu-lhes Jesus: Deixa que primeiro se fartem os filhos; porque não é bom tomar o pão dos filhos e lançá-lo aos cachorrinhos. Ela, porém, replicou, e disse-lhe: Sim, Senhor; mas também os cachorrinhos debaixo da mesa comem das migalhas dos filhos” (Marcos 7: 27, 28).
O resultado disso foi que a mulher voltou sorridente para casa. Sorridente porque venceu Deus: “E, voltando ela para casa, achou a menina deitada sobre a cama, e que o demônio já havia saído” (Marcos 7: 30).
Imagine agora a cena de Deus ficando contentemente derrotado.
O que eu aprendo aqui é que precisamos aprender a derrotar Deus. Lutar com Deus.
Existe aqui uma lição básica que não devemos esquecer:
O Poderoso El Shaddai é Deus invencível, mas gosta de ser vencido, leia o texto em Gênesis 32: 24-28.
Ali vamos encontrar Jacó lutando com um anjo: “Jacó, porém, ficou só; e lutava com ele um homem até o romper do dia. Quando este viu que não prevalecia contra ele, tocou-lhe a juntura da coxa, e se deslocou a juntura da coxa de Jacó, enquanto lutava com ele. Disse o homem: Deixa-me ir, porque já vem rompendo o dia. Jacó, porém, respondeu: Não te deixarei ir, se me não abençoares. Perguntou-lhe, pois: Qual é o teu nome? E ele respondeu: Jacó. Então disse: Não te chamarás mais Jacó, mas Israel; porque tens lutado com Deus e com os homens e tens prevalecido."
Isso não quer dizer que é você quem controla Deus, ou que faz com que Ele haja. Deus não muda, mas gosta de alterar planos: “e se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face, e se desviar dos seus maus caminhos, então eu ouvirei do céu, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra" (II Crônicas 7:14).
Meus queridos, Deus é todo sábio, mas gosta de ser chocado por um coração que ama alguém: "Então respondeu Jesus, e disse-lhe: ó mulher, grande é a tua fé! seja-te feito como queres. E desde aquela hora sua filha ficou sã" (Mateus 15: 28).
A mulher poderia conhecer muito pouco acerca de Deus, mas sabia que Aquele que estava ali, que havia mostrado a cara de Deus, era alguém que estava impressionado por alguém que ama alguém. E queria ver o bem acontecer na vida daquela que estava ali.
Jesus quer ver o bem acontecer em sua vida também.
Ele se interessa em ver o bem e a justiça acontecerem em nossa nação.

Baseado em Marcos 7:24-30.

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

A AUTO-EXPLORAÇÃO DAS MAMAS

________________ ///__________________
“Amada, desejo que te vá bem em todas as coisas, 
e que tenhas saúde, assim como bem vai à tua alma.”
(III João 1.2)
________________ ///__________________ 

 Acredito que Deus deseja para o ser humano o melhor que podemos viver.  
Jesus certa vez falou: “Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância” (João 10: 10). Nisso está incluso a nossa saúde física e mental.
Assim, aproveitando a oportunidade, utilizo este espaço para ajudar a conscientizar as mulhesres na importância da prevenção contra o câncer das mamas. 
A matéria a seguir foi extraída de uma revista que minha esposa me mostrou. Portanto fica aqui o alerta.


A auto-exploração das mamas é um método simples
E seguro para se descobrir a tempo
Qualquer alteração.

A auto-exploração das mamas é o método mais simples para que se descubra a tempo eventuais anomalias.
Realizando este exame periodicamente, você aprenderá a conhecer melhor suas mamas e também a diagnosticar a menor alteração.
A regularidade é importante. Examine suas mamas uma vez por mês, de preferência após período menstrual. Se você não menstruar mais, realize o exame mensal em épocas determinadas.

Existem dois métodos para controle:
1)    A auto-exploração sob o chuveiro ou no banho.
2)    O método clássico, mais completo e detalhado.

O ideal seria combinar os dois métodos.

A auto-exploração não significa que você tenha que fazer um diagnóstico. Trata-se de detectar a tempo o aparecimento de possíveis alterações para imediatamente comunicá-las ao médico.

A Mama Normal

As características das mamas variam de uma mulher para outra, modificando-se no decorrer da vida, particularmente no ciclo menstrual, durante a gravidez e com o passar dos anos. Estas diferenças você pode ver ou apalpar. Mediante uma leve pressão exercida com os dedos você poderá sentir a estrutura mais ou menos granulosa e nodular da glândula mamária, que se encontra no interior da mama rodeada por tecido ardiloso e que está particularmente desenvolvida na parte superior externa.
As duas mamas raramente são idênticas por completo e não é incomum que uma mama seja um pouco maior ou esteja um pouco mais baixa que a outra.

A AUTO-EXPLORAÇÃO SOB O CHUVEIRO NO BANHO


 












Lave lentamente as mamas e as axilas como se estivesse passando um creme.

Dê atenção às:

1)    Alterações da parte externa: pele, mamilo, tamanho, posição e formas das mamas; 
2)  Alterações da consistência: nódulos, endurecimento, secreção láctea ou sanguinolenta do mamilo;
3)      Alterações da sensibilidade: sensação de tensão, dor ou calor.

O MÉTODO CLÁSSICO DA AUTO-EXPLORAÇÃO

       Também neste caso, controle primeiro a parte externa das mamas e, a seguir, sua consistência e sensibilidade.
Controle da Parte Externa

Em pé, diante do espelho, observe os seguintes pontos em cada fase do exame:

1)    As mamas mudaram de tamanho e posição?
2)    Sua forma tem se alterado (leve cavidade ou saliência)?
3)    Você observa alguma alteração da pele ou da aréola do mamilo?
4)    Os mamilos estão retraídos ou alterados?




 
Ponha-se em pé, diante do espelho com as mãos nos quadris e faça as quatro perguntas citadas anteriormente.

    

 

Faça o mesmo controle com os braços levantados e mantidos atrás da cabeça.
 
 
 

 
Gire lentamente para a esquerda e realize o mesmo controle.


 



 
Gire lentamente para a direita e faça novamente as quatro perguntas citadas anteriormente.



Controle da Consistência e da Sensibilidade

Deite-se de costas com uma toalha dobrada sob a omoplata esquerda.
Controle a mama esquerda com a mão direita (com os dedos juntos), apalpando com movimentos circulares toda a superfície cutânea através de uma suave pressão.
Este controle pode ser feito com ou sem a ajuda de um creme para a pele.





Controle primeiro a metade interna da mama esquerda. Você sente algum endurecimento, nódulo ou algum lugar doloroso?

 



 Apalpe agora a metade da mama esquerda, em geral mais dura e, por última, a região do mamilo.

 



 Com a ponta dos dedos da mão direita, apalpe a cavidade da axila. Você percebe algum nódulo?
 
 



Comprima o mamilo entre os dedos polegar e indicador, e observe se produz um derrame.




A seguir, coloque a toalha dobrada sob a omoplata direita e faça o mesmo exame com a mão esquerda na mama direita e na cavidade axilar direita.

 
As Probabilidades de Cura do Câncer de Mama

A auto-exploração das mamas é método simples e seguro para se descobrir a tempo qualquer alteração.
O câncer de mama é a forma de câncer mais freqüente na mulher, porém suas probabilidades de cura são relativamente boas se diagnosticado em tempo. Este fato positivo merece particularmente atenção: demonstra a grande importância do autocontrole periódico e da visita imediata ao médico.

Um Nódulo Na Mama Não Significa Necessariamente Câncer

Não se assuste se você observar alguma alteração de suas mamas. Na maioria dos casos trata-se de alterações relativamente inofensivas, como por exemplo:
1)    Uma diferença entre as duas mamas não observadas até então (forma, consistência);
2)    Uma leve congestão da mama relacionada com o período menstrual;
3)    Dores mamárias reumáticas ou devido a uma pílula anticoncepcional inadequada;
4)    Uma cavidade cheia de líquido (cisto);
5)    Um tumor benigno do tecido conjuntivo.

Podem existir também várias outras enfermidades inofensivas. Contuto, nos casos raros em que se deve diagnosticas Câncer de Mama, trata-se na maioria das vezes dos chamados casos precoces, cujas probabilidades de cura são muito mais elevadas.

________________ ///__________________ 
 “Não sejas sábio a teus próprios olhos;
teme ao Senhor e aparta-te do mal. 
Isso será saúde para a tua carne; 
e refrigério para os teus ossos” 
(Provérbio 3. 7, 8).
________________ ///__________________