Páginas

quarta-feira, 30 de setembro de 2015

A Queda do Homem – Antropologia – Parte 1 – E.T.

Como temos visto, tendo Adão pecado, isto é, desobedecido e corrompido a sua natureza, transmitiu à sua posteridade uma propensão para o mal e logo apareceram os tristes frutos. Pois o primeiro homem que nasceu nesse mundo assassinou ao segundo, isto Caim matou Abel: “E falou Caim com o seu irmão Abel; e sucedeu que, estando eles no campo, se levantou Caim contra o seu irmão Abel, e o matou” (Gênesis 4.8). E a raça humana foi-se degenerando até que culminou na destruição do dilúvio.

Se Adão tivesse resistido à prova, o seu caráter teria se tornado fixo e imutável como o dos anjos que habitam os céus.

Mesmo com tudo isso tendo sido dito, muitos ainda perguntam: teria havido queda?

A queda do homem é negada pelos evolucionistas, panteístas e outros, mas é ensinado na Bíblia, em especial nos capítulos de 1 a 3 de Gênesis.

Mesmo fazendo uma breve leitura desses capítulos, nos fica claro que nossos primeiros pais não se conservaram no estado em que foram criados. Fica claro também que Deus os deixou à liberdade de sua própria vontade, caíram do estado em que foram criados, pecando contra Deus. 
Então aqueles que são contra a queda costumam apresentar duas dificuldades, usando os seguintes argumentos: Como pode um ser santo, sentir o desejo de pecar? Como pode um desejo pecaminoso se originar numa vontade santa? Por que um Deus santo permitiu o pecado?

As duas primeiras perguntas apresentam uma dificuldade psicológica, pois fala de volição, ou seja, fala de uma ação de escolher ou decidir. Nossa escolha é determinada pelo desejo e pelo caráter, portanto a pergunta que está sendo feita é: Como pode um caráter santo ter uma volição pecaminosa?

A melhor resposta que e pode dar é que a tentação foi apresentada. Foi despertado o desejo natural de receber alimento e também o de receber conhecimento. O tentador incitou a ponto de leva-los a exercer sua livre-agência, ou se preferir, seu livre arbítrio. Acontece que a escolha que fizeram estava contrária ao seu próprio bem. Portanto o ato em si não era pecaminoso em si, mas porque fora proibido: “Mas do fruto da árvore que está no centro do jardim, Deus disse: ‘Dele não comereis, nele não tocareis, para que não morrais!’” (Gênesis 3.3 - King James Atualizada).


Já a terceira pergunta, aponta para uma questão moral: Porque um Deus santo permitiu o pecado?

O que podemos fazer são apenas algumas observações. Como por exemplo: Deus podia ter evitado o pecado? Certamente que sim. Mas Ele o permitiu por motivos que nos são desconhecidos. A Bíblia não dá nenhuma explicação sobre isso. Simplesmente nos mostra que Deus fez o homem um agente livre para escolher por si mesmo. O que nos faz pensar que o pecado deve ser uma possibilidade, onde a escolha livre do homem é um fato.

Mas apesar disso, Deus controla o pecado para o bem eventual. O pecado podia ou não ter acontecido; dependia das circunstâncias. Mas o fato é que o amor de Deus é mais evidente na redenção, do que o seria se o homem nunca tivesse pecado.

Para concluirmos por agora, depois de tudo que foi dito, a origem do pecado tem que permanecer um mistério. Deve permanecer  impossível de ser investigado, compreendido; impenetrável, incompreensível, insondável a sua razão de ser.


Leia também:

terça-feira, 29 de setembro de 2015

O Cristianismo e o Ciúme – Parte 3

os, William Shakespeare tratou da “doença da suspeita”, ou seja, o ciúme. Em um encontro sobre psicanálise realizado em 2010, foi mostrado que o ciúme inconsciente, um sentimento ignorado pela psicologia, pode levar o casal a brigas e desavenças sem saber o motivo.

Ninguém nega que o ciúme é um sentimento desconfortável que surge ao ser repartido com um terceiro o amor da pessoa amada. É natural sentir ansiedade ao perceber que algo ou alguém pode reduzir o espaço afetivo que ocupamos na vida do parceiro. No entanto, o ciúme extrapola as fronteiras do saudável quando se torna uma preocupação constante e infundada, associada a comportamentos inaceitáveis ou extravagantes, motivados pela ansiedade de tirar a limpo a infidelidade do parceiro.

Em um texto de Freud, de 1922, ele escreveu: “O ciúme é um daqueles estados emocionais, como o luto, que podem ser descritos como normais. Se alguém parece não possuí-lo, justifica-se a inferência de que ele experimentou severa repressão e, consequentemente, desempenha um papel ainda maior em sua vida mental inconsciente”.

Pois é, o ciúme é assim, deixa a pessoa cega. E uma das características mais comuns da pessoa excessivamente ciumenta é a baixa autoestima.


Então o que dizer quando o ciúme ataca uma pessoa cristã?

No capitulo 13 de 1 Coríntios, o apóstolo Paulo fala aos crentes daquela cidade o seguinte: “Quem ama é paciente e bondoso. Quem ama não é ciumento, nem orgulhoso, nem vaidoso” (1 Coríntios 13. 4 – BLH).

Nesta parte em especial, Paulo fala das características importantes do amor. Antes ele vinha falando da superioridade do amor, como fruto do Espírito, em relação aos outros dons. Pois perante o tribunal de Cristo, todos os outros bons serão considerados como madeira, feno e palha (1 Coríntios 3.12-15).

Ao falar das características, Paulo diz que o amor é sofredor, ou seja, ele está pronto para tolerar pessoas de quem é fácil desistir. Ele diz também que o amor é bondoso. Isso significa que quem ama sabe tratar bem as pessoas que lhe fazem o mal. E por aí vai.

Mas Paulo chega a um ponto que é o nosso tema aqui. Ele diz: “O amor sempre protege, sempre confia, sempre tem esperança, sempre preserva” (1 Coríntios 13.4 – Tradução livre).

É natural que quem ama queira zelar pela pessoa que ama ou pelo seu objeto de amor. Zelar é uma palavra que veio do grego “Zélos”, está relacionada a uma grande energia ou entusiasmo em defender uma causa ou objetivo. No dia a dia, seu uso no português virou sinônimo de cuidar, de ter afeição com algo, de agir com interesse e em proteger. Este algo não se refere somente a pessoas, como também pode significar um objeto ou alguma ação de uma pessoa. E é natural sentir ciúme quando vemos o objeto de nossa afeição ter de ser repartido com outro alguém.

Todavia, Paulo está dizendo que “quem ama não é ciumento”, “não arde em ciúme”, “não suspeita mal”. Pois quando amamos uma pessoa, não imaginamos nada de mal da parte dela, pelo menos de imediato. É uma situação diferente daquela que já falamos aqui. Pois quem ama não pensa em fazer um registro, ou relatório, das maldades que nos são feitas.


Mark W. Baker em seu livro “Como Deus Cura A Dor“, diz que “o amor romântico cria uma sensação especial entre os amantes, gerando pensamentos constantes do outro, esperança, incerteza e mistério. Quase sempre é uma paixão absorvente que libera hormônios programados para criar excitação”, mas, “Infelizmente o encantamento exaltado acaba”.

Mas voltemos nossa atenção para um detalhe importante, o amor não é apenas um sentimento, ele não está apenas no campo das ideias. E sim uma ação consciente em direção à pessoa que se ama. Por isso Paulo diz que o amor é paciente. Pois o amor tem uma infinita capacidade para suportar. Não perde o domínio depressa, mas suporta pacientemente.

Para terminar o sentido de ciúme neste texto, tem mais a ver com o sentimento de se aborrecer com o sucesso do outro, ou seja, de ter inveja, de cobiçar. Mas lembremos de que “o amor não busca seus próprios interesses” e que “não se conduz inconvenientemente”. Portanto o amor está sempre pronto para pensar o melhor das pessoas, e não lhes imputa o mal (1 coríntios 13.5).


Leia também:

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

A Bondade do Nosso Olhar

Em um dos capítulos da série Dr. House, o grande médico disse: “O que você pensa sobre mim não vai mudar quem eu sou, mas pode mudar o meu conceito sobre você”.

É bem verdade que ele é o tipo de pessoa que tira a paz e muitas vezes se torna intolerável. Mas isso me faz lembrar Paulo escrevendo sua carta aos romanos, lá ele escreve: “... no que depender de vós, tende paz com todos...” (Romanos 12. 18).

Isso significa:

Não te irrites, mas tolera com amor;
Tudo sofre, tudo espera pelo amor.
Pois mostremos tolerância,
Muitas vezes a arrogância murcha e mata o amor.

De: Sarah Poulton Kalley, “A Excelência do Amor”.

Mas é verdade o que o dr. House diz na frase. Nada muda no conceito de alguém sobre mim. Mas, o meu pode mudar em relação ao próximo.

O Evangelho nos ensina a ser tolerantes, nos ensina a oferecer a outra face, amar aquele que nos é desconhecido, a estender a mão a quem está necessitado e aflito.


Jaci Velasquez na canção “Adore”, expressa o seu desejo de dar o seu coração ao Senhor como gratidão do amor de Deus demonstrado a ela:

Desde o momento que tu abristes meus olhos
Eu tenho visto o mundo em uma luz diferente
Desde o alvorecer até a luz do sol
Eu estou regozijada por tudo que tu fizestes

Adoro, adoro, adoro
Jesus eu te adoro, sim eu
Adoro, adoro, adoro, adoro
Jesus eu te adoro
E eu coloco minha vida perante a ti, Senhor

Aí está uma união de dois vir a ser um
No fundo, dentro do meu coração
Eu sei o que digo
Tu tens dado tudo para mim
E o mínimo que posso fazer
É dar meu coração de volta para ti

Os valores do Reino de Deus são estranhos a este mundo, mas para nós eles não podem ser estranhos.

Em nós deve existir a disposição de ajudar. E não importa se elas são diferentes de nós fisicamente, não importa se suas opções de vida são diferentes ou se sua crença é diferente da nossa.

Se olharmos para essas pessoas, as enxergando como criação de Deus, sentirmos suas dores, elas aprenderão através do nosso olhar, sobre o grande amor de Deus.

Pois:

Tu tens dado tudo para mim
E o mínimo que posso fazer 
É dar meu coração de volta para ti.

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

“EU SOU”

“Então Jesus disse: "Quando vocês levantarem o Filho do homem, saberão que Eu Sou, e que nada faço de mim mesmo, mas falo exatamente o que o Pai me ensinou”" (João 8.28).

Há um ditado que diz que você é aquilo que você faz.

Mas o que distingue aquilo que sou com aquilo que faço é a minha fé. As crenças que aprendemos e que influenciam a nossa vida, o nosso agir.

Portanto, “Tenha cuidado com o que você pensa, pois a sua vida é dirigida pelos seus pensamentos” (Provérbios 4.23).

Jesus ensinou: “Porque do coração procedem maus desígnios, homicídios, adultérios, prostituição, furtos, falsos testemunhos, blasfêmias. São estas as coisas que contaminam” (Mateus 15.19).


A Bíblia diz que: “Se o Filho vos libertar vocês serão de fato livres” (João 8: 36).

Jesus é aquele que “É”. Ele disse: “EU SOU QUEM SOU” (João 8. 24, 28, 58). Ele não pode ser menos do que é, e nem pode ser o que não é. Ele está simplesmente dizendo que é Deus. E por isso Ele não pode deixar de ser o que é.

Assim, quando Ele diz que podemos ter uma vida saudável e plena como Ele mesmo disse: “... Eu vim para que tenham vida, e a tenham plenamente” (João 10.10), Ele está nos garantindo que a podemos ter de fato.

Ter uma vida saudável é aquela cuja vida interior e exterior estão consistente com o sonho de Deus para você. Quando você não deseja ser ninguém mais do que você mesmo. E para alcançarmos isso depende da nossa compreensão do nosso verdadeiro “Eu” criado por Deus à sua imagem.

Aprenda a vivenciar a vida cristã. Aprenda a ver o mundo com olhos diferentes e não simplesmente com um novo olhar. Como diz Jaci Velasquez em sua canção “Adore”:

Desde o momento que tu abristes meus olhos
Eu tenho visto o mundo em uma luz diferente
Desde o alvorecer até a luz do sol
Eu estou regozijada por tudo que tu fizestes.


Leia também:

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

... Talvez Ainda Haja Esperança

Temos assistido o drama de muitas pessoas, imigrantes da Síria, entrando na Europa. Elas desejam fugir das batalhas em seu país e tentar viver uma vida melhor em outro lugar.

Enquanto estão nesta tentativa, nesta busca, elas encontram pela frente a incerteza, humilhação e medo. Mas elas fazem qualquer coisa para conseguir se vir livres e dignas de viver sua própria vida.

Vivemos em um mundo onde algumas pessoas merecem a nossa atenção, enquanto outras são desprezadas. E isso me faz lembrar as palavras de Jesus: “Se amardes aos que vos amam, que mérito há nisso?” (Lucas 6.32).

O Brasil vive hoje essa realidade. Alguns poucos são os que recebem o mérito de receber atenção, enquanto a maioria é desprezada. Vivem... Ou pelo menos tentam sobreviver, mas com o estigma de serem desprezados, ignorados e sem valor.

A existência do mal nos ajuda a ter consciência de suas consequências. E nós a temos visto!


Será Que Deus É Culpado?

       Por muitos anos temos dito para Deus não interferir em nossas escolhas, sair do nosso governo e sair de nossas vidas. Sendo um cavalheiro como Deus é, eu creio que Ele calmamente nos deixou.

Como poderemos esperar que Deus nos dê a sua bênção e a sua proteção se nós exigimos que Ele não se envolva mais conosco?'

À vista de tantos acontecimentos recentes; ataque dos terroristas, tiroteio nas escolas, etc... Eu creio que tudo começou desde que Madeline Murray O'hare (que foi assassinada), se queixou de que era impróprio se fazer oração nas escolas Americanas como se fazia tradicionalmente, e nós concordamos com a sua opinião.

Depois disso, alguém disse que seria melhor também não ler mais a Bíblia nas escolas... A Bíblia que nos ensina que não devemos matar, roubar e devemos amar o nosso próximo como a nós mesmos. E nós concordamos com esse alguém.

Será que Deus é mesmo o culpado, ou somos nós, seres humanos, que nos acomodamos em nossas poltronas, vendo tudo isso acontecer, observando e deixando o mal acontecer?

Ficamos na verdade é como aquele ser da música de Zé Geraldo, “Milho Aos Pombos”, onde ele diz: “Isso tudo acontecendo e eu aqui na praça. Dando milho aos pombos”.

É hora de despertar!

Desperta Brasil! Desperta Igreja!

“Assente-se solitário e fique em silêncio; porquanto Deus o pôs sobre ele. Ponha a sua boca no pó; talvez ainda haja esperança” (Lamentações 3. 28, 29).


Leia também:

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

Nós Estamos Tão Cegos Assim?

Quero alguns minutos somente para uma breve reflexão. Gostaria que você me acompanhasse. O texto a seguir é uma adaptação de uma canção do cantor Elvis Presley, chamada “In The Ghetto”.

Pois bem, prestem atenção e vocês verão que qualquer semelhança não será mera coincidência.


Numa fria e cinza manhã um pobre garotinho nasce no gueto. E sua mãe chora porque se existe uma coisa que ela não precisa é outra boca faminta para alimentar.

Gente, vocês não entendem? O garoto preciso de uma mão de amparo, ou um dia ele se tornará um jovem irado.

Olhe para você e para mim, nós estamos tão cegos assim ou simplesmente viramos nossos rostos e olhamos para o outro lado?

O tempo passa. E o pobre garotinho com o nariz escorrendo brinca na rua enquanto o vento frio sopra... No gueto.

E a fome aperta. Então ele começa a vagar nas ruas à noite, e aprende a roubar, e aprende e lutar.

Então em uma noite de desespero, o jovem foge. Compra uma arma, rouba um carro, tenta fugir, mas não chega longe... E sua mãe chora!

Enquanto uma multidão se amontoa em volta de um jovem homem... Caído na rua com uma arma em suas mãos... Enquanto esse jovem morre, numa fria e cinza manhã, Outro pobre garotinho nasce... No gueto... E sua mãe chora!


O que é o gueto? Na maioria das cidades europeias, era o bairro onde todo judeu era obrigado a residir. Mas também é o bairro de uma cidade onde vivem os membros de uma etnia ou outro grupo minoritário, frequentemente devido a injunções, pressões ou circunstâncias econômicas ou sociais.

“O mundo é um lugar perigoso de se viver, não por causa daqueles que fazem o mal, mas sim por causa daqueles que observam e deixam o mal acontecer" (Albert Einstein).

Tem uma grande multidão se amontoando em volta apenas como meros expectadores. São como aqueles homens que Jesus falou na parábola do banquete de casamento do filho do rei: “Mas eles começaram, um por um, a apresentar desculpas. O primeiro disse: 'Acabei de comprar uma propriedade e preciso ir vê-la. Por favor, desculpe-me'. "Outro disse: 'Acabei de comprar cinco juntas de bois e estou indo experimentá-las. Por favor, desculpe-me'. "Ainda outro disse: 'Acabo de me casar, por isso não posso ir'” (Lucas 14.16-24).

O Brasil está o que está não por causa daqueles que fazem o mal, mas sim por causa daqueles que observam e deixam o mal acontecer, e a mesma coisa acontece em todo o mundo.

“Olhe para você e para mim, nós estamos tão cegos assim ou simplesmente viramos nossos rostos e olhamos para o outro lado?”


Leia também:

A Sede Que Só Cristo Sacia

Qual a sensação de ouvir um som agudo em volume alto?  Com certeza a maioria de nós ficaria muito incomodado.

Penso que o cristão deve ser assim em relação à pregação do Evangelho. Ele deve fazer barulho; incomodar o mundo; incomodar o inferno, resgatando vidas de lá.

Não estou falando de gritos histéricos dentro do culto não, nada disso, o que quero dizer é ser ativo no mundo, pregando em todo tempo.

Os cristãos no livro de atos fizeram isso: "Estes que têm transtornado o mundo chegaram também aqui", "aqueles homens tem provocado desordem em todos os lugares! Agora chegaram aqui também!" (Atos 17.6 - BLH).

Sabe porquê isso aconteceu? Jesus diz que: "Não penseis que vim trazer paz à terra; não vim trazer paz, mas espada" (Mateus 10.34).

Essa desordem que o texto fala não é de vandalismo e nem badernagem, não, isso é bem diferente.

Vejamos o seguinte, a quem se deve adorar? Deus.

E qual é o local da adoração? Na época em que Jesus esteve aqui na terra essa era uma questão complicada para samaritanos e judeus, pois, segundo os samaritanos, deveria ser no Monte Gerizim; e, segundo os judeus, deveria ser em Jerusalém.


Os Samaritanos eram desprezados pelos judeus por que eram de sangue meio-gentio e pela sua religião paralela, centralizada no monte Gerizim (João 4. 20-22). Os samaritanos eram descendentes de colonos gentios que os reis assírios haviam enviado a palestina depois da queda de Samaria em 721 a. C.

O interessante é que o Senhor Jesus, como judeu, surpreendeu uma mulher samaritana, pedindo-lhe água. Coisa que sempre acontece quando Jesus está por perto.

Vejamos um pouco dessa atitude de Jesus:

Primeiramente, Ele quebrou a barreira: “Nisso veio uma mulher samaritana tirar água. Disse-lhe Jesus: "Dê-me um pouco de água" (João4. 7). Precisamos tirar da mente das pessoas a ideia de que os cristãos estão alienados do mundo.

E em segundo, Jesus aproveitou a oportunidade: “Jesus lhe respondeu: "Se você conhecesse o dom de Deus e quem lhe está pedindo água, você lhe teria pedido e ele lhe teria dado água viva" (João 4. 10). Assim como Jesus nós devemos mostrar a verdade para as pessoas.

Aquela mulher tinha sede de Deus: “A mulher lhe disse: "Senhor, dê-me dessa água, para que eu não tenha mais sede, nem precise voltar aqui para tirar água"” (João 4. 15); embora buscasse alivio para sua solidão nos vários homens com quem já tinha se casado (João 4.17).

Com esse texto podemos aprender pelo menos três coisas:

Primeiramente aprendemos que, o mundo está com sede de Deus, embora perdidos nos seus pecados. Suas alegrias são apenas momentâneas, pois passam logo. Estão arraigadas neste mundo materialista. São águas que não matam a sede, podem-se beber vários copos, mas, ela não matará a sede. Ela não tem os minerais necessários ao organismo.

Em segundo, aprendemos que só Jesus pode saciar essa sede. Pois as necessidades de um mundo perdido só podem ser consideradas por aqueles que amam a Jesus. Pois somente esses podem saber a realidade da necessidade humana: Jesus Cristo na vida do homem (João 4. 25,26). Só Ele pode fazer nascer dentro de nós um manancial (João 4.14).

Por isso aqueles que amam ao Senhor tem desejo de pregar o Evangelho. Pois nascendo novo homem, nova perspectiva de vida poderá se ter pela frente. Menos opressão humanista ou espiritualista.

E por último, aprendemos que essa mensagem precisa ser comunicada. A mulher após receber de Cristo a água da vida. Logo saiu para comunicar (João 4. 28, 29, 39).


"Como, pois invocarão aquele em quem não creram? e como crerão naquele de quem não ouviram falar? e como ouvirão se não há quem pregue?" (Romanos 10.14)

Para se crer é preciso ouvir, para ouvir é preciso ter quem pregue. Quem, pois pregará? "E disse-lhes: Ide por todo o mundo, e pregai o evangelho a toda criatura"  (Marcos 16:15).

Para quem Jesus disse isso? Para seus Discípulos. E quem São seus discípulos hoje? Todos aqueles que creem e confessam o Senhor Jesus como Senhor.

Então são esses que devem anunciar a mensagem de Salvação, de Vida Eterna, de Arrependimento de Pecado.

Para concluirmos, digo que só o poder que há no sangue de Jesus pode nos dar esse acesso a Deus. Só Jesus Cristo pode saciar a sede que existe no mundo, que para muitas pessoas é algo inconsciente, inexplicável.

Uma revolução total só pode existir na vida de quem se arrepende do que tem feito de errado até agora e se volta para Cristo.

Não é em Samaria nem em Jerusalém o lugar da adoração. Mas em seu coração, na sua vida! É ali o lugar de se montar o seu altar, o lugar que o fará adorar a Deus em espírito e em verdade.

Que o Senhor Jesus abençoe a cada um de nós.
  

Mensagem baseada no texto de João 4.28-30, 39-42, pregada em 28 de julho de 2002 na 3ª Igreja Presbiteriana.
  

Leia também:

terça-feira, 15 de setembro de 2015

Ainda Sobre o Compromisso do Cristão Diante da Terra Ferida

A Igreja tem perdido sua identidade como representante de Cristo. Encontramos muitas instituições preocupadas em fazer mais aquilo que elas acreditam ser o certo. Existem sim, muita gente sincera, mas longe da verdade do Evangelho.

Chega de misticismo, chega de amarração e de determinar que algo aconteça em nome de Jesus. Não há exemplo e nem base bíblica para isso. Pois o único que pode determinar alguma coisa é o próprio Deus.

O que precisamos é ter participação fundamental. Precisamos representar o nome do Senhor nesta terra. Temos que perder nossa identidade e ser conhecidos pelo nome dEle em nossa própria vida.

Nós vimos no texto que escrevi: O Compromisso do Cristão Diante da Terra Ferida, que o país vive uma ferida espiritual. Existem muitos erros religiosos em nosso meio. E isso tem sido um instrumento nas mãos de Satanás para iludir o povo.

Os apóstolos tinham uma preocupação com a verdade. As cartas de Paulo e dos demais apóstolos foram escritas, entre outras coisas, para combater o erro religioso no primeiro século e para as igrejas que viriam a seguir.

A palavra de Deus nos mostra que é preciso haver a Conversão do Povo de Deus. Para isso é preciso acreditarmos que a oração ainda é o meio mais revolucionário de mudar a história.


Leia de novo 2 Crônicas 7.14: "se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face". O que acontecerá? " eu ouvirei do céu, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra."

Deus irá intervir.

Se começarmos a orar, a pedir, a nos humilhar, a crer, a implorar, a pôr a boca no pó, a revolução começará. A oração ainda é a maneira mais sutil e poderosa de produzir uma revolução de Deus nesta nação.

Mas preste bastante atenção nisso pois, Deus diz ainda que a minha participação na sua proposta e na sua estratégia implica mudanças radicais em nossas atitudes.

O que ele diz é para a Igreja, preste atenção: "se converter dos seus maus caminhos". Ele está dizendo isso para o seu povo, isto é, eu e você.

Que maus caminhos podem ser esses? Vejamos alguns exemplos: namorados cristãos nos motéis namorando e se apalpando com toda licenciosidade; injustiças dentro da igreja e no local de trabalho; corrupção dos crente, aqueles que corrompem e outros que se deixam corromper; degradação de pastores e líderes, se envolvendo com a depravação sexual e outros; a miséria que acaba sendo resultado da falta de amor entre os irmãos.


O que tudo isso está dizendo é que o juízo começa pela casa de Deus, e ele diz que você que é seu povo tem que se converter de seus maus caminhos. Tem que haver mudança no meu e no seu coração, com a urgência absoluta requerida pela palavra de Deus.

"Bem-aventurada é a nação cujo Deus é o Senhor, o povo que ele escolheu para sua herança."  (Salmo 33:12:; Salmo 144:15).

O Brasil precisa é de Jesus.

Pois se Ele não estiver presente o que encontraremos é uma nação miserável, desgraçada, cancerosa e infeliz. Dominada por uma liderança corrompida, injusta e falida.

O milagre que Deus deseja operar neste país tem que começar com a sua vida, tem que começar com a sua salvação. Começa com o perdão dos seus pecados. Com a sua volta para Jesus de todo coração.

Jesus pode colocar em você uma paixão sadia pela vida e pelo próximo. Só Jesus pode fazer isso!

Confesse agora que você quer viver para Ele. Se você deseja esta mudança, vá a Jesus em Oração. Vá com o coração sério, com pranto e choro. Esta é uma hora séria diante de Deus. Ele garante: “Eu Vou Sarar Sua Terra”.


Leia também:

segunda-feira, 14 de setembro de 2015

Lutando Contra o Mal

O desejo de Deus para nós é que lutemos contra nossas tendências ruins. É por esse motivo que Ele nos mostra como evitar o que é errado.

Embora vivamos hoje em uma época em que o mal seja comum, devemos nos lembrar de que Jesus orou a Deus pedindo para que não nos tirasse dele: “Não peço que os tires do mundo, mas que os livres do mal” (João 17.15). Jesus quer que nós ainda estejamos no mundo. Ele tem um plano para cada um de nós neste mundo.

Estamos no mundo, mas não pertencemos a ele. É por isso que Jesus diz: “É por eles que eu rogo; não rogo pelo mundo, mas por aqueles que me deste” (João 17.9).

Deus permite a existência do mal para que tenhamos consciência de suas consequências. Por essa razão, estando no mundo, receberemos ofertas diversas, mas o que Deus espera de nos é que: “Quer comamos, quer bebamos ou façamos qualquer outra coisa, façamos pra glória de Deus!" (1 Coríntios 10.31).

O que irá nos libertar de verdade é a graça de Deus, a liberdade e o amor incondicional. Esse é o ensino de Jesus.

O provérbio de Salomão é um dom princípio para àquele que deseja ser sábio e agradar a Deus, ele diz: “Sê sábio, filho meu, e alegra o meu coração, para que tenha alguma coisa que responder àquele que me desprezar” (Provérbio 27.11 - Versão Almeida Revista e Corrigida).

O mundo é mal, e está cego, pois: “... o deus deste século cegou os entendimentos dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo” (2 Corintios 4.4).

É por essa razão que precisamos de sabedoria, para responder àquele que despreza a Deus. O conselho que Paulo deu a Timóteo foi: “Procura, isto sim, apresentar-te aprovado diante de Deus, como obreiro que não tem do que se envergonhar e que maneja corretamente a Palavra da verdade” (2 Timóteo 2. 15).

O Compromisso do Cristão Diante da Terra Ferida

 Às vezes ficamos apegados demais às coisas formais da nossa espiritualidade, da nossa tradição religiosa, e nos esquecemos do que acontecesse a nossa volta, como se fossemos cidadãos apenas nos céus.

Deus ao se fazer homem, teve uma terra, teve uma história, teve um povo, teve raízes, teve saga, teve compromisso com gerações passadas. Isso nos mostra que a certeza de um compromisso com Deus, não nos isenta de um compromisso forte com a nossa terra.


Nossa terra está ferida é isso já faz muito tempo. Há muitos anos encontramos pessoas suicidas, drogadas, viciadas em maconha, cocaína e álcool. Bêbados e angustiados. Essas são as feridas existenciais, de um povo que vive sem esperanças.

Mas isso não é tudo, pois encontramos ainda pessoas emocionalmente desgovernadas, sem sentido de vida, totalmente desnorteadas. Pessoas sem uma visão sadia das coisas, pessoas que destroem a sua vida e a dos que estão a sua volta, pois estão doentes, paranoicas e cheias de psicopatias. Essas são as feridas da alma, as feridas psicológicas.

E para piorar ainda mais, tentam impor um novo sistema familiar dentro de uma ferida familiar onde já se encontram muitos lares esbagaçados, com relações geladas e divórcios que se proliferam, mães solteiras quando ainda na adolescência, e garotões que se sentem verdadeiros garanhões.

Nossa terra sofre de uma ferida moral, onde uma minoria homossexual quer ganhar privilégios acima da população, onde os travestis estão cada vez mais atrevidos, desrespeitando o direito do outro. Onde temos uma TV suja, onde abortos proliferam.

Nossa terra também sofre de uma ferida social, crianças abandonadas, trabalhadores famintos, crianças sem escola, hospitais sem recursos.

Atualmente vemos nossa moeda perder o valor, o poder de compra indo pelo ralo, políticos inescrupulosos e corruptos, resultado de uma ferida econômica e política.

Além de uma ferida não menos importante que é a ferida espiritual, pois vivemos em um pais cheio de espíritos guias, despachos, exús, Iemanjás e outros deuses.

A nossa terra, o Brasil, precisa de perdão, e Deus quer perdoá-la. Mas de quanto perdão o Brasil precisa? De quanto perdão a Igreja de Deus no Brasil calada, escondida, sem voz, sem nada, precisa?

Albert Einstein disse certa vez: “O mundo é um lugar perigoso de se viver, não por causa daqueles que fazem o mal, mas sim por causa daqueles que observam e deixam o mal acontecer".

Você já imaginou o que Deus está vendo no Brasil? Se não houver perdão, o que vem é irá. Deus, contudo, quer perdoar. E a proposta que Deus nos faz para sarar a nossa terra, inclui direta e imprescindivelmente a ação do seu povo, ou seja, nós.

É por essa razão que lá no Antigo Testamento, quando o povo de Israel se afastou dos princípios de Deus ele disse: "se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face...", o que acontecerá? "... eu ouvirei do céu, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra" (2 Crônicas 2.14).

A responsabilidade pelas mudanças nesta terra, na qual Deus fez você nascer, depende mais de mim e de você do que de todas as autoridades que a manipulam, de todos os poderes e de todos os recursos desta nação.

O homem de quem o Brasil precisa é Jesus Cristo.


Este texto é parte da mensagem baseada em 2 Crônicas 7.14, que foi preletada por Rogério de Faria em maio de 2002 na 3ª Igreja Presbiteriana.


Leia também: