Páginas

segunda-feira, 29 de abril de 2013

Vinho Novo Em Odres Novos


Quando encontramos referencias a vinho na Bíblia, podemos dizer que está se referindo a momentos de alegria. O vinho é símbolo de alegria. Quando acaba o vinho acaba a alegria.
João relata em seu Evangelho uma festa de casamento na qual Jesus e seus discípulos haviam sido convidados.
E quando tudo parecia estar bem, o vinho acabou (João 2. 1-3).
A vida conjugal pode ser uma festa ou uma fatalidade. Depende em que odre você tem colocado o seu vinho: “E ninguém deita vinho novo em odres velhos; do contrário, o vinho novo romperá os odres, e perder-se-á o vinho e também os odres; mas deita-se vinho novo em odres novos” (Marcos 2. 22).
Acabou a alegria no seu casamento?
Está sentindo um vazio? Uma angústia?
É hora de se deixar ser incomodado por Deus. Ele quer mexer na sua estrutura.
Jesus estava na festa por isso, quando o vinho acabou, não foi difícil uma reparação daquilo que poderia se tornar um problema.
Na vida conjugal quando um dos parceiros começa a não dar ouvidos ao que o outro diz, quando começa a não se importar com o que o outro faz, o tempo passa e então se descobre que já não é mais: “eu e você”.
É quando tudo parece ter virado pelo avesso, quando se descobre que chegou o fim do seu tempo, e você percebe que você já sabia disso... Quase todo dia...
É quando a frase ecoa por seus ouvidos: “Eu não preciso mais de você”, indo de encontro às paredes de sua mente que neste instante parece suspensa, e tudo parece ter um tom insano, para você que se julgava um ser tão inteligente. Você se sente como se estivesse se derretendo e escorrendo para a direção da porta.
Nosso tempo parece cada vez mais escasso, e isso é um grande problema para um relacionamento conjugal. Pois a vida sexual se torna monótona. O que pode gerar e instalar uma insatisfação. E quando isso acontece ficamos vulneráveis a qualquer pessoa que parece nos compreender.
O conselho do sábio Salomão é: “Seja fiel a sua mulher e dê o seu amor somente a ela. Os filhos que você tiver com outras mulheres não lhe farão bem. Os seus filhos devem crescer para ajudar você e não para ajudar outros. Portanto, alegre-se com a sua mulher, seja feliz com a moça com quem você casou: amorosa como uma corça, graciosa como uma cabra selvagem. Que ela cerque você com o seu amor, e que seus encontros sempre o façam feliz”!  (Provérbios 5. 15-19).
O que Salomão está ensinando é que para se proteger da infidelidade conjugal é preciso que ambos se divirtam, se embriaguem em carícias um com o outro. Tenham verdadeiro tesão um pelo outro.
Se formos odres velhos, com a mentalidade do mundo, estaremos estragando nosso vinho novo, nossa alegria.
Salomão ainda ensina em seu livro que é preciso fazer um compromisso mental com a fidelidade: “para te guardarem da mulher má, e das lisonjas da língua da adúltera. Não cobices no teu coração a sua formosura, nem te deixes prender pelos seus olhares. Porque o preço da prostituta é apenas um bocado de pão, mas a adúltera anda à caça da própria vida do homem. Pode alguém tomar fogo no seu seio, sem que os seus vestidos se queimem? Ou andará sobre as brasas sem que se queimem os seus pés”? (Provérbios 6. 24-28).
A história é muito triste, mas é verdadeira, além de nossa própria cobiça o diabo não mede esforços em sua luta para destruir as famílias e os lares.
Se queremos alegria em nosso relacionamento conjugal. Precisamos trocar nossa mentalidade, deixar de lado o odre velho para substituir por odres novos e só então encher de vinho novo para que a alegria possa reinar.

quinta-feira, 25 de abril de 2013

Existem Muitas Pessoas Que Se Parecem Neste Mundo

Existem muitas pessoas que se parecem neste mundo. Talvez por causa disso enquanto houver pessoas, sempre existirá guerra.
Pessoas que não sabem ouvir, que pensam que sabem, e por isso acreditam que podem estar acima dos demais. Pessoas assim não são confiáveis.
Elas estão entregues a soberba. Vivem sem a direção divina, pois pensam não precisar da dependência divina.
Pessoas soberbas aprendem pouco com seus erros. Pois para manter seus pensamentos, suas ideias, sua ideologia, mantém um comportamento obsessivo para defender suas decisões. São como um jogador obsessivo, que aposta pensando que ganhará na próxima jogada, mesmo depois de já ter perdido uma grande fortuna.
A Bíblia nos ensina que Deus se opõe aos soberbos (Tiago 4. 6).
A melhor imagem que alguém pode ter é se parecer com Cristo. Poder seguir o seu exemplo.
O apóstolo Paulo teve essa iniciativa; Ele chegou a dizer: “Sejam meus imitadores como eu sou de Cristo” (1 Coríntios 11. 1).
E qual é a imagem de Cristo?
Ele mesmo responde a essa pergunta: “aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração” (Mateus 11. 29).
Dentro de um universo repleto de gente soberba, existe um grupo de gente que aprendeu a ser humilde. Aprenderam que só se ganha quando se perde, e só se torna maior aquele que aprende a ser o menor.
Ser humilde significa caminhar pelo caminho que se leva até ela. E esse caminho é Cristo.  Ele disse: “Eu sou o caminho” (João 14. 6).
É caminhando por esse Caminho que se vai descobrindo a verdadeira beleza. Uma beleza que transcende os enfeites, os penteados, as jóias e as vestes caras.
O apóstolo Pedro escrevendo sua primeira carta ao povo de Deus que vivia espalhado nas províncias do Ponto, Galácia, Capadócia, Ásia e Bitínia, escreveu: “... a beleza de você deve ser do coração, pois ela não se perde, ela é a beleza de um espírito calmo... manso e tranqüilo...” (1 Pedro 3. 4).
São essas coisas que tem valor para Deus.

Sorria - Comunidade das Nações

Sorria

Comunidade das Nações

Nunca desista da vida
Tudo é possível ao que crê
Sempre existe uma saída
Deus não se esqueceu de você

Nunca desista da vida
Tudo é possível ao que crê
Sempre existe uma saída
Deus não se esqueceu de você

De você...
Não, não se esqueceu de você
Sorria!
Não se esqueceu de você

Passou o tempo da lágrima
Lágrima agora só de alegria.
Existe alguém torcendo por você meu irmão.
E é por isso que você pode sorrir.
“Então sorria”
Deus não se esqueceu de você.

Sorria, já não há mais para que chorar
A tempestade já se acalmou
Olhe pro céu lá fora e veja o dia que surgiu
Assim é bem melhor, não há o que temer
A vida nos ensina ainda tem muito o que aprender
Esse é o sinal. Não se sinta só.
Existe alguém torcendo por você.
Acenda essa luz. Decida se ver.
Com os olhos que Deus olha pra você.

Nunca desista da vida
Tudo é possível ao que crê
Sempre existe uma saída
Deus não se esqueceu de você

Nunca desista da vida
Tudo é possível ao que crê
Sempre existe uma saída
Deus não se esqueceu de você

Ooo, Oo...

Não se esqueceu de você...

Sorria, já não há mais para que chorar
A tempestade já se acalmou
Olhe pro céu lá fora e veja o dia que surgiu
Assim é bem melhor, não há o que temer
A vida nos ensina ainda tem muito o que aprender
Esse é o sinal. Não se sinta só.
Existe alguém torcendo por você.
Acenda essa luz. Decida se ver.
Com os olhos que Deus olha pra você.

Nunca desista da vida
Tudo é possível ao que crê
Sempre existe uma saída
Deus não se esqueceu de você

Nunca desista da vida
Tudo é possível ao que crê
Sempre existe uma saída
Deus não se esqueceu de você

Nunca desista da vida
Tudo é possível ao que crê
Sempre existe uma saída
Deus não se esqueceu de você

Nunca desista da vida
Tudo é possível ao que crê
Sempre existe uma saída...

segunda-feira, 15 de abril de 2013

A Procura


“Disse-lhe Felipe: Senhor, mostra-nos o Pai, e isso nos basta” 
(João 14. 8)

Quando era jovem ouvi alguém contar uma estória e nunca mais a esqueci. Talvez pelo fato dela representar a atitude de muita gente. E comigo não foi diferente.
Essa estória falava de um homem que saiu de um bar após beber muito. Ele estava tão embriagado que mal podia andar. Outro homem que o conhecia vendo-o sair assim seguiu-o numa certa distância.
O homem a frente de tempos em tempos parava e encostava-se a um poste, cambaleava, tentava se erguer e continuava a viagem. O outro atrás o seguia e observava, seguia-o para ter certeza de que o primeiro chegaria bem em casa.
Quando ambos passavam por uma rua escura, o que estava atrás viu o primeiro parar e tocar a sua perna. Parecia procurar alguma coisa. Mesmo assim o segundo não se aproximou, ficou apenas a observar.
O primeiro homem olhou para frente e viu um poste com uma  luz muito fraca acesso.  Resolveu tentar caminhar até lá, o segundo homem viu quando ele se agachou ao chão e começou a rastejar por ele. Então resolveu correr até lá para saber o que estava acontecendo, pensava que o primeiro homem pudesse estar se sentindo mal.
Ao se aproximar viu o homem se rastejando e com o rosto bem próximo do chão. E resolveu perguntar:
- Senhor, o que está aconteceu? O senhor está bem?
O primeiro homem respondeu:
- Eu perdi a minha carteira lá atrás, mas lá atrás está muito escuro, aqui está mais claro por isso vim procurar aqui. Mas eu não estou conseguindo encontra-la.

Jesus quando veio ao mundo Ele veio para trazer luz para a humanidade.
As pessoas estavam perdidas nos seus pensamentos e ideologias. Caminhavam por caminhos incertos e inseguros. Jesus veio para mostrar a direção certa, o caminho certo.
Atualmente a mesma história se repete. As pessoas estão se perdendo nas suas próprias ideias e conceitos. Construindo uma ideologia baseada em suas próprias suposições e desejos. Construindo uma estrutura frágil onde tentam apoiar seus ideais.
Que pena! Estão como aquele homem bêbado que procurava sua carteira no lugar errado.
O mundo caminha para a escuridão e o caos. Mas ainda existem aqueles que procuram encontrar a solução em lugar onde ela não está.  Estão como o homem bêbado procurando sua carteira próxima do poste, pois a luz que vem dele parece ser conveniente para que o problema possa ser sanado. Mas não é isso o que acontece.
Para a alma do homem o mesmo principio tem sido utilizado, a mesma busca no lugar errado, não há nenhum homem, filosofia, religião ou sistema político que poderá satisfazer as necessidades que estão dentro do homem. Nada disso irá satisfazer as necessidades de uma alma que anseia por paz.
Leia o texto a seguir:

Passei tanto tempo te procurando e não sabia onde estavas,
Olhava para o infinito e não te via e pensava comigo mesmo...
Será que Tu existes?
Não me contentava na busca e prosseguia, tentava te encontrar,
Nas religiões e nos templos e tu não estavas.
Te busquei através dos sacerdotes e não te encontrei.
Senti-me só, vazio, desesperado descri, na descrença te ofendi.
Na ofensa tropecei, no tropeço cai, e  na queda me senti fraco,
Na fraqueza pedi socorro e encontrei amigos,
Nos amigos encontrei carinho
Vi nascer o amor, com o amor vi um mundo novo, no novo mundo
Resolvi viver.
O que recebi resolvi doar, doando alguma coisa recebi, e recebendo, me
Senti feliz, e feliz encontrei a paz e com a paz foi que encontrei onde tu estavas, e sem te procurar foi que te encontrei.

Jesus veio ao mundo para ser luz e trazer paz a alma aflita. No entanto o ser humano insiste em procurar na direção errada. Se continuar a fechar seus olhos para Ele, nunca encontrarão aquilo que desejam.

“Respondeu-lhe Jesus: Há tanto tempo que estou convosco, e ainda não me conheces, Felipe? Quem me viu a mim, viu o Pai; como dizes tu: Mostra-nos o Pai?” (João 14.9).

segunda-feira, 8 de abril de 2013

Ei Cara, Saca Essa

Essa é da hora!
A maior alegria de Deus é a felicidade plena do ser humano. Isso é o que vale dizer que a maior alegria de Deus é te ver abençoado.
Apesar disso, muitas pessoas têm opiniões distintas sobre Deus. Muitas discordam até mesmo sobre Deus.
Mas quer saber uma coisa? Se alguém quiser saber como Deus realmente é deve ler a Bíblia. Ela é chamada de Escrituras Sagradas. É lá que descobrimos como um ser supremo e grandioso resolve se relacionar com um ser tão instável como é o ser humano.
Nela descobrimos como Aquele que é responsável por toda a criação busca ter um relacionamento pessoal com sua criação. Bem diferente de Alá, que está lá... Bem distante, um ser impessoal.
Pois é, nenhuma religião tem uma sacada tão maravilhosa como essa, sabe por quê? Porque o Cristianismo não é uma religião de legalistas e sim a misericórdia de Deus sendo apresentada ao ser humano e lhe dando a oportunidade de conhecer Deus como o Criador, Salvador e amoroso Pai.
Para ver a felicidade do ser humano, Deus interfere na história e muda o destino de nações. Ele mostra através das páginas das Escrituras Sagradas os erros e as fraquezas de homens e mulheres. Por isso Ele deixou um manual de conduta e comportamento.
Saber sobre alguém e conhecer é bem diferente. Conhecer é ter intimidade. Quando não conhecemos de fato, nossos conceitos podem ser distorcidos e isso como comprometer aquilo que é a realidade.
Oséias escreveu em seu livro: “Conheçamos, e prossigamos em conhecer ao Senhor...” sabe por quê? Por assim: “Ele a nós virá como a chuva, como a chuva serôdia que rega a terra” (Oséias 6. 3).
Então não perca tempo. Vem que tem. Tem muitas bençãos esperando por você.

Subindo a Montanha - Pregador Luo


Subindo a Montanha (Time Das Águias)
Pregador Luo

A cada metro que eu subo enxergo um pouco mais
Agora vejo o rio que cruzei , que ficou para trás
Vejo o mar que se abriu, a torre que caiu
Enxergo Pequeno o corpo do gigante que me afligiu
Fui eu matei na pedrada
Vejo Judas com a Garganta enforcada, Eva sendo tentada
A lua que tá do meu lado pode ser tocada
Vejo a sepultura daqueles que não estão mais aqui
Mas que me disseram vá, Prossiga mesmo sem mim
Gratidão sem fim, nas costa eu trago sonhos
Os meus os seus, nossos legítimos sonhos
Vamos Vento, pode soprar o topo é meu lugar
Você não vai me derrubar
Continuo subindo, pois eu sei em quem tenho crido
Quando eu chegar
Ficarei lá até ouvir a sua voz pelo meu nome chamar - LUO

Vou pro topo do monte escalando a montanha
Subo como as águias, de mim não duvide
Habitarei entre as nuvens e o arco-íris
Até você me chamar, me chamar

Dores sinto dores, mas as cores, vejo as cores que são fatores motivadores, pra que eu chegue ao cume.
O frio sente ciúme e amortece as minhas dores.
Não tem jeito dor você vai comigo e esse é o seu castigo, enxergar a altura e a profundidade do amor.
Nessa louca escalada pra se tornar sabedor, as vezes eu sinto que posso cair.
Quem vai me acudir?
Mas então eu olho lá pro topo e meus pulmões se enchem, ganham um fôlego novo.
Que vem me toma, inunda e acalma.
Que manda embora, expulsa a bronquite e a asma.
Quando eu alcançar o cume da sabedoria ficarei por lá até o final de meus dias.

Vou pro topo do monte escalando a montanha
Subo como as águias, de mim não duvide
Habitarei entre as nuvens e o arco-íris
Até você me chamar, me chamar.

Não conte as décadas que já são passadas, siga seus sonhos, os belos sonhos.
Não duvide de ninguém, nem reclame de nada, siga na sua jornada.
Todo dia nasce uma vida nova, e assim a esperança na sua mente se renova.
Não murmure, nem esconjure, pois cada um que vive passa pela prova.
Então se transforme e não seja esnobe, quem pensa que ta rico na verdade já ta pobre.
Pois os tesouros todos estão no céu e eu vou subir pra ver de perto as cores do arco-íris.

quinta-feira, 4 de abril de 2013

O Cristianismo e a Culpa - Parte 1


Quando olhamos para as Escrituras, descobrimos que o perdão esta no centro de sua mensagem e da vida cristã. Cristo não veio ao mundo para trazer consciência de culpa ao ser humano, mas para perdoar e libertar.

No entanto, um dos maiores problemas no ser humano e em seus relacionamentos é a questão da culpa. Essas culpas podem ser verdadeiras ou falsas.

No universo humano existe um intenso relato desse sentimento de culpa. E quando olhamos para dentro de nossas igrejas, estes sentimentos tomam conotações ainda mais significativas na vida dos cristãos.

Mas olhando por este prisma, é por causa do sentimento de culpa que nos aproximamos de Deus e sentimos a necessidade de arrependermos-nos de nossas faltas e nossos erros. O sentimento de culpa está ligado a toda essa experiência que chamamos de experiência religiosa.

A grande questão é: até onde o sentimento de culpa que carregamos, pode nos levar a um arrependimento genuíno? E quando a culpa torna-se um perigo para a nossa saúde psíquica e espiritual?

A culpa, segundo definição de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, é ‘’uma conduta negligente ou imprudente, sem propósito de lesar, mas da qual proveio dano ou ofensa a outrem‘’. Portanto implica em posicionamentos pessoais e comunitários em relação à vida.

Precisamos, porém ressaltar que, todos nos passamos por sentimentos de culpa constantemente. Mesmo aquelas pessoas que não estão ligadas a um referencial religioso e de compromisso com Deus.

Nossa primeira experiência com o sentimento de culpa surge quando ainda somos crianças, e sempre estão ligados às regras sociais, questões morais e medo de perda do amor das pessoas, pais progenitores e ou responsáveis. Este tipo de culpa é aquela que pode ser denominada de culpa funcional ou falsa: a chamada ‘’falsa culpa‘’. É aquela culpa que advém do ser humano, de julgamentos de outros que podem estar até mesmo equivocados.

Podemos dar os seguintes exemplos: “Alguma coisa eu fiz errado, por isso ela foi embora’’, ‘‘Eu não cuidei direito por isso ela morreu’’, ‘‘Eu não sou bom, por isso ela não me ama mais’’”.

Apesar de algumas vezes serem verdadeiras essas afirmativas, por causa de negligencias e imprudência, outras vezes são sentimentos de culpa que não são verdadeiros. Partem de julgamentos nossos e por causa disso alguém pode viver aprisionado num sentimento que não condiz com a realidade. Pois não temos o controle sobre tudo, e apesar de todo esforço empregado em uma conduta, isso não significa que tudo sairá bem.

É necessário bastante cuidado para tratar da questão da culpa.

Como eu disse antes, todos nós temos a propensão para tal sentimento quando nos deparamos com pensamentos diversos dos nossos ou, quando estamos diante a possibilidade de perdermos a pessoa amada.

E quando é preciso tomar cuidado então?

A questão da culpa torna-se um assunto delicado quando tentamos transforma-lo em um sentimento interminável ou afirmamos sua inexistência.

O que se considera normal é que à medida que crescemos e nos tornamos adultos, possamos encontrar situações palpáveis que nos fazem sentir culpados e possamos usar esse momento para reavaliarmos nossas escolhas pessoais. Por outro lado, quando encaramos o sentimento de culpa ligado diretamente a uma questão de valor, a culpa torna-se verdadeira. Todo valor é verdadeiro. O problema é que os valores podem ser diferentes.

Por isso penso ser compreensível e aceitável aquilo que o apóstolo João escreveu em sua primeira carta: “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados  e nos purificar de toda injustiça” (1 João 1. 9).

Leia também:
O Cristianismo e a Culpa - Parte 2.

            

terça-feira, 2 de abril de 2013

A Borboleta

“Não vos sobreveio nenhuma tentação, senão humana; mas fiel é Deus, o qual não deixará que sejais tentados acima do que podeis resistir, antes com a tentação dará também o meio de saída, para que a possais suportar” (1 Coríntios 10.13).

Às vezes reclamamos quando estamos em agonia.
Por questões tão pequenas deixamos de crer, deixamos de congregar, nos afastamos dos irmãos e nos sentimos a pior criatura que pode viver na face da terra.
Na sua carta aos coríntios, o apóstolo Paulo fala de uma tentação, num sentido mais amplo, indicando provas a serem vencidas. E essas podem ser de qualquer espécie.
O interessante é que Paulo diz que tudo que eles estavam passando não tinha nada de extraordinário, nada fora do comum, nada que não pudesse ter um fim. Eles estavam experimentando apenas aquilo que é comum ao homem, a todo ser humano.
Paulo dizia: “Deus sempre proverá livramento”.
O que Paulo estava fazendo é dando um grande consolo aos crentes de Corinto.
A segurança que ele transmite nos seus versos é uma grande fonte de energia para os crentes. Pois Paulo está ensinando que a nossa confiança está na fidelidade de Deus.
Por isso quero compartilhar com você este conto:

Um homem, fazendo um passeio no parque, encontrou um casulo de uma borboleta.
Como tinha curiosidade para ver como a borboleta se desenvolveria, levou o casulo para casa.
Um dia, o homem notou que um pequeno buraco apareceu no casulo.
Ele sentou e ficou observando a pequena borboleta, que por horas, fazia muita força, tentando sair do pequeno buraquinho.
Então, depois de algum tempo, a pequena borboleta cessou sua luta para sair, demonstrando que aquele ponto era o máximo onde ela conseguiria ir.
Vendo a dificuldade da pobre criatura, ele resolveu ajuda-la.
Pegou uma tesoura e cortou fora parte do casulo que faltava para que todo o corpo da borboleta saísse, e a libertou.
A borboleta, recebendo esta ajuda extra, saiu fácil do restante do casulo.
O homem notou que o corpo da borboleta estava inchado e muito pequeno e suas asas trêmulas.
Ele continuou a observar a borboleta, pois esperava que a qualquer momento as asas ficassem grandes, se expandiriam para suportar o peso do corpo, e com tempo o mesmo desincharia.
O que ele esperava não aconteceu.
Ao invés disso, a borboleta ficou mutilada para o resto de sua existência e nunca voou.
O que aquele homem, na sua inocência e cuidado não entendeu, foi que o processo da agonia de sair do casulo, para a borboleta, era necessário.
Passar por aquele buraquinho foi a maneira que Deus fez para que através dos movimentos, a borboleta exercitasse a passagem de fluídos pelo seu corpo ainda imaturo, ficando pronta para voar e alcançar a liberdade fora do casulo.

Algumas vezes este mesmo processo de agonia é o que exatamente nós estamos precisando em nossas vidas.
Se Deus permitisse que nós passássemos nossa vida sem obstáculos, ficaríamos aleijados como a borboleta.
Nós não seríamos fortes o suficiente e nunca poderíamos voar!

“Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós cada vez mais abundantemente um eterno peso de glória” (2 Coríntios 4. 17).

segunda-feira, 1 de abril de 2013

Salmo 38. 15


Hoje Mesmo Estarás Comigo


“Respondeu-lhe Jesus: Em verdade te digo
que hoje estarás comigo no paraíso”.
(Lucas 23: 43)

Jesus prometeu vida eterna ao ladrão.
Enquanto os outros zombavam de Jesus, e daquilo que aparentava ser sua incapacidade de salvar-se a si mesmo, aquele homem reconheceu que Jesus iria viver e reinar. E o que é extraordinário, ele quis participar desse Reino.
Ao contrário dele, o outro homem que também estava sendo crucificado, quis participar do mesmo escárnio que vinha das autoridades e dos soldados. Se esquecendo de que ele não estava em posição de fazer tal sarcasmo.
O ser humano tem se esquecido de temer a Deus.  Tem agido como aquele ladrão sarcástico, que sofreria julgamento, e por isso não estava em condição de agir assim.
O outro ladrão sabia da sua real condição, ele sabia a diferença entre aqueles que tinham pecado e por isso mereciam morrer e Aquele que não merecia.
A herança desse chegaria ainda aquele dia, antes do por do sol, antes que os trabalhadores voltassem para casa, antes que as janelas fossem fechadas.
Não espere muito para receber a sua herança.
Você pode ainda hoje receber a salvação que Jesus está oferecendo para aqueles que nele crerem.
Aquele ladrão mostrou uma compreensão clara a respeito de quem ele acreditava que fosse Jesus, e como resultado disso Jesus lhe ofereceu a vida eterna.