Páginas

sábado, 30 de abril de 2011

A CARACTERÍSTICA DE JESUS

Quero compartilhar com vocês uma mensagem que preguei no ano de 1999, na 3ª Igreja Presbiteriana em Volta Redonda.

Texto: João 20:11-16

Caracterizar :  Descrever com evidência o caráter.   
         Caráter :  Qualidade inerente a uma pessoa; Os traços psicológicos, as qualidades, o modo de ser, sentir e agir de um indivíduo; Gênio, humor; Firmeza de atitudes.
Quando falamos de Jesus que nasceu em Belém da Judéia, na Palestina, há quase dois mil anos, filho do carpinteiro José e de Maria corremos o risco de:
> Pensar Nele como apenas mais um grande nome da história.
Mas, quando lembramos que esse Jesus de Nazaré é a encarnação do próprio Deus descobrimos que Ele decidiu:
> Por amor, tomar a nossa forma (Filipenses 2:8) ;
> Assumir nossa natureza humana;
> Assumir nossas lutas e fraquezas.
Percebemos que falamos do Eterno, do Todo Poderoso, que virou gente e habitou entre nós, como disse o apóstolo João (João 1:14).
Essa encarnação do Deus vivo nos revela:
> A grandiosidade da sua identificação conosco.
> A inclusão dos marginalizados.
Esse é um traço forte na personalidade de Jesus.
Seu modo de ser, seu agir, sua firmeza em suas atitudes.
Jesus às vezes:
> Arriscava sua reputação;
         > Arriscava sua integridade física.

Tudo isso para trazer de volta o homem a Deus.
LUCAS 7.36-48 -  A pecadora que lava os pés de Jesus com as lágrimas, enxuga com os cabelos e unge com um perfume caro, na casa de um fariseu.
> Em nenhum momento o Senhor a repeliu, não disfarçou ou tentou explicar aquela atitude.
         > Ele sabia que aquela aproximação iria libertar a mulher da sua vida de pecado, tirar toda culpa que carregava pelas opções que fez ao longo da vida.
Nosso texto mostra mais uma vez a atitude amorosa e despojada de Jesus para com os marginalizados:
> Jesus havia morrido (v. 1);
> Maria Madalena chorava junto à entrada do túmulo (v. 11);
> Aproximam-se dois anjos vestidos de branco (v. 12);
> Ela vê Jesus, mas não o reconhece (v. 15);
> Ele se volta para ela e diz: “Maria” (v. 16a);
> Ela se volta para Jesus e, em hebraico diz: “Rabôni!” ( v. 16b);
Porquê ela O reconheceu?
> Provavelmente ninguém a chamava Maria como Jesus;
> A voz Dele lhe havia perdoado os pecados;
> Havia expulsado dela vários demônios (Lucas 8:2);
> Ele se deixou ser servido por ela (João 12:3).
Para ela a voz de Jesus era inconfundível.
O que significava para ela ouvir a voz de Jesus?
> Que ela não estava mais a mercê de demônios;
> Que o pecado não iria mais derrotá-la outra vez;
Pois seu salvador havia triunfado.
Em todo o Evangelho encontramos essa característica de Jesus.
Encontramos Jesus:
> Conferindo dignidade a quem não tinha (Zaqueu – Lucas 19:1-10 )
> Demonstrando compaixão a quem merecia juízo (A mulher surpreendida em adultério – João 8: 10 e 11)
         > Tocando a pele dos repudiados pela lei (Cura do leproso – Mateus 8: 2 e 3).

CONCLUSÃO

O exemplo de Jesus deve nos motivar a nos identificar com aqueles que se encontram vulneráveis no enfrentamento da vida nos dias de hoje.
> As crianças de rua;
> Com os enfermos do INAMPS;
> Os sem-teto;
> Aqueles que se deixaram escravizar pelas drogas;
> Pela prostituição;
> Pessoas que não encontrarão a dignidade;
> Que não voltarão a expressar a imagem de Deus
A menos que nós o povo de Deus, servos de Jesus Cristo, os ajudemos a encontrar o caminho de volta para Deus.
Pois a Palavra de Deus nos ensina o seguinte (Tiago 1:27):
“A religião pura e imaculada diante de nosso Deus e Pai é esta: Visitar os órfãos e as viúvas nas suas aflições e guardar-se isento da corrupção do mundo.”

Que o Senhor nos dê a graça para realizar essa obra.

Leia a Bíblia.
Rogério de Faria.

Não Temais




A vida nem sempre é um mar de rosas.
E mesmo as rosas tem seus espinhos.
No texto os discípulos atravessavam o Mar da Galiléia.

Na verdade é um lago de água doce, formado pelo Rio Jordão.
Mas devido suas dimensões avantajadas, e os temporais que freqüentemente o agitam, as populações adjacentes o chamavam de mar. (24 Km de comprimento; 14 Km de largura e 50 m de profundidade).

Suas águas são claras e muito piscosas; suas margens orientais são montanhosas; seu lado ocidental é de planícies férteis.

Tanto as cidades a sua margem como Cafarnaum, Betsaida, Magdala, Genezaré, Corazim e outras; como também a praia e suas águas foram palco de acontecimentos importantes no ministério terreno de Jesus. (O Sermão do Monte, A Multiplicação dos Pães, e Acalmar Uma Tempestade).

Mas o que isso tem a ver conosco hoje?

A Bíblia ensina que Jesus o mesmo que foi ontem, Ele é hoje, e o será eternamente (Hebreus 13:8).

·        Da mesma forma como o Mar da Galiléia tem seus momentos de calma assim é nossa vida.
·        Da mesma forma como às vezes esse mar é atingido por violentíssimos temporais que agitam a suas águas, assim também é nossa vida.
·        Da mesma forma como a beleza de suas águas claras e piscosas transmitem paz e tranqüilidade, assim é nossa vida.
·        Da mesma forma como essa tranqüilidade se transforma em momento de agitação e violência assim é nossa vida.

Mas o Senhor Está sempre perto para nos dizer: "Tende ânimo, não temais".

Baseado no Texto de Mateus 14:21-33.

Leia a Bíblia. 

Rogério de Faria. 

quinta-feira, 28 de abril de 2011

A Soberania de Deus

Mateus 11:20-26.


Todas as coisas sem exceção estão dispostas por Ele, e sua vontade é a última palavra para tudo o que acontece.

Os céus e a terra e tudo o que neles há são instrumentos pelos quais Ele executa seus planos.

É Deus que dirige os passos dos homens, quer eles saibam ou não.

Resumindo, reconhecer Deus como o supremo soberano do universo, como governador moral do mundo, é admitir sua divindade e seu direito de dispor o que Ele criou de acordo com Sua vontade e Seu plano.

É reconhecer que Ele não está sujeito às circunstâncias que Ele não criou e não pode controlar; e também, que Ele não é um fantoche que acomoda seus planos às circunstâncias que não dependem D'Ele, mas da vontade livre e dos atos de suas próprias criaturas.

A concepção que temos de Deus, de acordo com o que aprendemos na Bíblia, obriga-nos a crer que:

1-    Sendo soberano, Deus decretou tudo o que acontece para a sua glória e para o bem daqueles o amam, "daqueles que são chamados segundo o seu propósito". (Rm 8:28).
2-    Que Deus nunca é derrotado. Ainda quando tudo parece estar contra o que Ele planejou.

Como no texto acima:

Quando Cristo era rejeitado pelas cidades onde operou a maioria de Seus milagres e onde pregou a maioria de Seus sermões; ainda assim, devemos fazer como Cristo fez naquela ocasião, isto é, deu graças a Deus porque tudo aconteceu de acordo com seus planos.

Rogério de Faria.

A Soberania de Deus II


Lucas 24:13-25; Atos 2:22,23.


Nestes dois textos observemos o seguinte:

·        Dois dias já se haviam passado (v.13 - Terceiro dia)
·        Já não se ouvia mais a voz que tantas vezes falava de amor  (vv. 19,20)
·        Havia dor e ansiedade, tristeza e saudade pela ausência de Jesus (v. 17)
·        A luz que Ele havia trago para Jerusalém, baniu as potestades e destruiu o mal (v.21 a - Esperança)
·        Mas, prenderam Jesus e o lançaram numa cruz (vv. 14, 19,20)
·        Jerusalém outra vez se via em trevas (v. 21b - Desesperança)

Aparentemente tudo estava perdido, Deus havia sido derrotado em seus planos.

Observe agora o seguinte:

·        No terceiro dia essa luz voltou (v. 15)
·        Um anjo no sepulcro O anunciou (vv. 22,23)

"Não temas pois o Cristo a quem procurais
Nas trevas de um sepulcro não encontrarás!
Dizei aos seus discípulos que Ele ressurgiu
Em breve estareis juntos de Jesus."
Talvez em Nazaré, ou em Jerusalém...
Quem sabe, no caminho de Emaús...? (Sérgio Lopes)

Ainda quando tudo está tão escuro como num dia de tempestade, nós sabemos que além e acima das nuvens escuras de nossa aflição e perplexidade, o sol da misericórdia e do poder de Deus brilha e que, no fim, tudo acontecerá como Ele planejou e determinou para sua  glória e nossa felicidade.

"Varões israelitas, escutai estas palavras: A Jesus, o nazareno, varão aprovado por Deus entre vós com milagres, prodígios e sinais, que Deus por ele fez no meio de vós, como vós mesmos bem sabeis; a este, que foi entregue pelo determinado conselho e presciência de Deus, vós matastes, crucificando-o pelas mãos de iníquos" - (Atos 2:22,23).

Rogério de Faria.

A Vida de Dependência


A vida cristã é uma vida de constante dependência.

1 - Dependemos de Cristo Para a Salvação - (Tito 3:5):

"não em virtude de obras de justiça que nós houvéssemos feito, mas segundo a sua misericórdia, nos salvou mediante o lavar da regeneração e renovação pelo Espírito Santo,"

2- Dependemos da Palavra de Deus Para Crescimento Espiritual - (1 Pedro 2:2):

" desejai como meninos recém-nascidos, o puro leite espiritual, a fim de por ele crescerdes para a salvação,"

3- Dependemos da Oração Para Poder Espiritual - (Tiago 5:15):

"e a oração da fé salvará o doente, e o Senhor o levantará; e, se houver cometido pecados, ser-lhe-ão perdoados."

4- Dependemos da Comunhão Para Crescimento Mútuo - (1 João 1:3):

" sim, o que vimos e ouvimos, isso vos anunciamos, para que vós também tenhais comunhão conosco; e a nossa comunhão é com o Pai, e com seu Filho Jesus Cristo."