Páginas

segunda-feira, 30 de abril de 2012

Uma Palavra de Agradecimento



Existem momentos importantes que passam por nossa vida... Algumas vezes são apenas algumas frações de segundos, mas com tamanha intensidade que os tornam eternos.
Este mês foi especial para mim. E eu quis compartilhar com você que lê o blog Espaço Para Falar & Refletir. Comemorou-se o primeiro aniversário desse blog. Onde expresso meu amor por Jesus Cristo, minha admiração por todos aqueles que também assim agem e que através de Cristo se torna meu irmão.
Muitos foram aqueles que não acreditaram e não apostaram na possibilidade desse blog ir adiante. Mas eu confiei em Cristo e coloquei na mão de Deus para que ele fosse também um caminho de transmissão do Evangelho.
Graças a Deus, tenho ouvido testemunhos de pessoas que foram abençoadas através desse blog. Que tiveram uma conscientização de Deus lendo as matérias aqui apresentadas.
Louvo a Deus por você que é leitor e que também já indicou para outras pessoas. Fica o meu abraço e o meu carinho. E peço a Deus que lhe abençoe ricamente.
O meu pedido e que você ajude a divulgá-lo para que outras pessoas possam ter acesso a ele também. E por isso eu conto com a sua ajuda.
Obrigado por seu carinho e sua ajuda. Deus lhe abençoe.

Uma Palavra de Agradecimento 2


Chame A Deus - Catedral


Chame A Deus
Se você não sabe para onde seguir,
Se você percebe e não quer mais fingir,
Levante a cabeça
E não olhes para traz
Chame a Deus, Chame a Deus
Se tua vida anda pra um abismo sem fim,
Se teus olhos choram e não queres este fim,
Levante a cabeça
E não olhes para traz
Chame a Deus, Chame a Deus
(Refrão)
Chame a Deus,
Que tua vida logo mudará
Ele cura a ferida
Te libertará
A verdade e a vida ele quer te dar
Chame a Deus, Chame a Deus
Chame a Deus,
Que o tempo passa e não volta mais
Sua chance sua vida pode se acabar
Ele cura a ferida
Te libertará
Chame a Deus, Chame a Deus
Chame a Deus

"Amar É Jamais Ter Que Pedir Perdão"



         Quem já assistiu ao filme “Love Story” deve se lembrar de uma cena em que Oliver (Ryan O’Neal) após discutir com sua esposa Jennifer (Ali MacGraw) sai a procurá-la pela cidade. Ao voltar para casa sem esperança e triste, ele a encontra sentada e chorando na escada do lado de fora de sua casa. Oliver arrependido pelo que fez, pede perdão a ela. É quando ela responde com a celebre frase: “Amar é jamais ter de pedir perdão”.

Para muitos cristãos essa frase pode não parecer muito apropriada, uma vez que Jesus ensina que devemos perdoar sempre: “Respondeu-lhe Jesus: Não te digo que até sete; mas até setenta vezes sete” (Mateus 18:22).

No filme Jennifer não é cristã, mas a idéia que ela tem de amor, supera em muito aquilo que muitos cristãos chamam de amor.

No entendimento dela, amar significava que o relacionamento entre um e outro seria de tal maneira que nada que um fizesse seria para ofender ou magoar o outro. Seria uma relação de parceria, de entendimento e de verdades. Tudo deveria ser feito de forma que nem um ou outro saísse ferido, machucado.

Para Jennifer não havia a possibilidade de quem ama ferir de alguma forma o outro. Ela acreditava que aquele que ama faz o possível para que tudo corra bem. Como diz um ditado que já ouvi por aí: “Quem ama cuida”.

O fato de Jesus ter ensinado sobre o perdão nos mostra que embora a idéia de Jennifer ser bem intencionada, o homem tem tendências egoístas. Por isso Deus deu a Moisés a lei que nos ensina a fazer aos outros aquilo que queremos que seja feito a nós (Mateus 7:12).
Assim, perdão passa a ser a chave que abre de novo a oportunidade do relacionamento voltar a ser como antes. “Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celestial vos perdoará a vós; se, porém, não perdoardes aos homens, tampouco vosso Pai perdoará vossas ofensas” (Mateus 6:14,15).

Se olharmos por esse ponto de vista, vamos entender o que Jennifer queria dizer: “Vamos viver de forma de não precisemos pedir desculpas”. Isso fará que nossa vida tenha um novo referencial. Um novo propósito. Começaremos a ver o outro como uma extensão de nós mesmos. Estaremos mostrando que aquilo que eu faço é o que desejo receber em troca.

Nossa vida cristã estará mais em sintonia com a Palavra de Deus. “Façam coisas que mostrem que vocês se arrependeram dos seus pecados” (Mateus 3:8). Mas ao fazer de sua vida um instrumento de benção na vida do outro, não se vanglorie por isso: “Mas você, quando ajudar algum necessitado, faça isso de tal forma que nem mesmo o seu amigo mais íntimo saiba o que você fez. Isso deve ficar em segredo; e o seu Pai, que vê o que você faz em segredo, lhe dará a recompensa” (Mateus 6:3,4).

Se você não sabia que o perdão pode abrir para você uma nova oportunidade, fique sabendo então. Se essa palavrinha de cinco letras está na Bíblia não é por acaso ou para enfeitar. É para ser vivenciada, e você passar a ter um relacionamento mais sadio, mais honesto e sincero com outras pessoas que fazem parte do seu círculo de convivência, e também com Deus.

Mas se mesmo assim algo mal acontecer, saiba que perdoar é curar. Perdoar ajuda a fechar cicatrizes que foram abertas. Perdoar ajuda a restaurar a paz que foi perdida. Perdoar ajuda a esquecer as mágoas não esquecidas. Perdoar traz vida. Restaura a alegria. Faz viver em comunhão.

Amar é também aprender pedir perdão.

Ore agora: “Senhor, tira-me o poder de ferir, dá-me o poder de curar”.

Postado em 29 DE MAIO DE 2011

Quando A Delicadeza É Um Disfarce


“De tardinha, os discípulos chegaram perto de Jesus e disseram: Já é tarde, e este lugar é deserto. Mande essa gente embora, a fim de que vão aos povoados e comprem alguma coisa para comer”

A delicadeza é uma qualidade de quem é delicado. Alguém que é atencioso, cortês.
Mas às vezes um estilo delicado, esconde as verdadeiras intenções.
Seja por qual motivo for, cansaço, desanimo indiferença... Não importam, os discípulos quiseram ir embora e deixar aquelas pessoas. Sua elegância ao falar com o Mestre escondia as intenções que estavam em seus corações.
Algumas vezes pessoas se aproximam de nós mostrando delicadeza e amizade. Andam ao nosso lado. Partilham de nossa casa. Mostram interesse por aquilo que estamos fazendo. Mas, o que existe são outras intenções. Não existe uma verdadeira intenção de ajudar.  “Não confie nos vizinhos; nem acredite nos amigos. Até com aquela que o abraça tenha cada um cuidado com o que diz” (Miquéias 7:5).
Jesus virou a página quando disse aos discípulos: “Eles não precisam ir embora. Dêem vocês mesmos comidas a eles” (Mateus 14. 16).
Nada como um dia depois do outro para nos mostrar e ensinar que embora existam essas intenções escondidas por trás da delicadeza aparente, podemos virar a página pedindo aquele que nos mostra tal atitude que mostre de fato uma atitude correta.
Os discípulos ainda tentaram achar uma alternativa: “Só temos aqui cinco pães e dois peixes” (Mateus 14. 17). Quem não quer ajudar sempre busca uma desculpa para não fazer. É como se eles dissessem: “É muita gente. O que temos não vai dar. Não adianta, bem que gostaríamos de ajudar. Vamos mandá-los embora”.
Para quem está interessado em ajudar, ele não fica olhando os problemas, mas busca uma solução. “Pois tragam para mim! Disse Jesus” (Mateus 14. 18).
Com paciência vamos compreendendo que cada instante é importante. Que não vale a pena desperdiçá-lo. Mesmo quando a delicadeza não passa de um disfarce.

Baseado em Mateus 14. 15.


Postado em 25 DE AGOSTO DE 2011

sábado, 28 de abril de 2012

Como Ovelha Perdida


“Então ele lhes propôs esta parábola: Qual de vós é o homem que, possuindo cem ovelhas, e perdendo uma delas, não deixa as noventa e nove no deserto, e não vai após a perdida até que a encontre? E achando-a, põe-na sobre os ombros, cheio de júbilo; e chegando a casa, reúne os amigos e vizinhos e lhes diz: Alegrai-vos comigo, porque achei a minha ovelha que se havia perdido. Digo-vos que assim haverá maior alegria no céu por um pecador que se arrepende, do que por noventa e nove justos que não necessitam de arrependimento”

Ter uma quantidade de cem ovelhas no mundo antigo representava ter um rebanho de porte médio. A variação de um pastor com um rebanho desse porte variava de vinte a duzentos animais. Um porte maior representava ter mais de trezentas ovelhas.
Portanto, reunir os amigos e vizinhos para se alegrarem por causa de um desses animais quando encontrado depois de se haverem perdido, era uma atitude bastante natural. Visto ser esse a ovelha um bem valioso.
Jesus comparou a alegria do encontro da ovelha perdida com o júbilo do céu por causa do arrependimento de um pecador.
Com isso Jesus estava mostrando que sua esperança na conversão do homem era a razão pela qual Ele se reunia com aqueles que viviam rejeitados na sociedade.
A conversão é o estado de mudança de mente. Quando aquilo que pensamos em relação ao homem, ao mundo, a nós mesmos e em relação a Deus é mudado. Quando nos arrependemos de cometer erros e injustiças, quando deixamos de nos conformar com o sistema imposto por governantes; e renovamos nossa mente preenchendo com coisas boas e saudáveis, não somente a nós, mas que reflete como bons frutos dentro da sociedade em que estamos inseridos.
Quando Jesus usa o termo: “Justos que não necessitam de arrependimento”, Ele estava de forma retórica descrevendo os escribas e os farizeus.
Jesus já havia feito uma retratação similar em Lucas 5.31, onde se afirma que alguns não necessitam de médicos. Os escribas e os farizeus acreditavam que não precisavam arrepender-se porque não se consideravam perdidos. “O sábio teme e desvia-se do mal, mas o tolo é arrogante e dá-se por seguro” (Provérbios 14: 16).
    No entanto, todos nós vivemos como ovelhas perdidas. Até que reconhecemos a voz do nosso pastor e passamos a segui-Lo: “Depois de conduzir para fora todas as que lhe pertencem, vai adiante delas, e as ovelhas o seguem, porque conhecem a sua voz” (João 10: 4).

Baseado em Lucas 15. 3-7.

Postado em 25 DE SETEMBRO DE 2011

sexta-feira, 27 de abril de 2012

Aprendendo A Se Levantar


No filme Batman Begin, existe uma cena muito interessante. Está logo no início do filme. Quando Bruce Wayne, ainda criança, é retirado do poço pelo seu pai, este lhe pergunta: “Bruce, porque nós caímos?” O menino fica lhe olhando e talvez não tenha a resposta, o pai responde: “Para aprendermos a nos levantar”
Uma das formas de aprendizagem é através da experiência. E a experiência do cair é a que mais influenciará a nossa existência. A nossa insistência em permanecer caído ou querer se levantar.
Quando caímos sofremos as conseqüências da queda e algumas vezes nos machucamos.
É normal ficarmos com medo, e isso pode durar um bom tempo. Mas enquanto não encararmos esse medo e tentarmos novamente, não seremos capazes de aprender a nos levantar.
A viva é assim, quando pensamos que estamos bem, podemos sofrer uma queda. Podemos perder as esperanças, a confiança, a fé, o amor. Mas é na experiência do cair que vamos aprendendo que caminhar sozinho é muito difícil. Que precisamos de ajuda. O cair nos ajuda a compreender que não podemos ser orgulhosos, pois muitas vezes para nos levantar precisaremos do outro para nos ajudar.
Cair é uma aprendizagem, se para o bem ou para o mal, dependerá da interpretação que eu fizer de tal experiência.
Até o levantar pode ser doloroso, pode exigir uma dose extra de esforço, pois com a queda, podemos nos machucar o bastante para nos impedir de nos levantarmos. Podemos estar com alguma fratura, algum osso pode ter se quebrado. Nesse caso, o levantar-se deve ser cauteloso.
Na nossa caminhada com Deus não é diferente!
Podemos ter quedas durante o caminho. Coisas que nos farão questionar se é verdade, se é certo, se devo ou não fazer. Até mesmo duvidar se Deus está conosco durante este momento de queda.
E com isso vamos aprendendo que o cair nos ajuda a compreender que precisamos de Deus para nos sustentar. “ainda que caia, não ficará prostrado, pois o Senhor lhe segura a mão.” (Salmo 37. 24).
É segurando na mão de Deus, pela fé, que podemos nos apoiar e nos preparar para levantarmos. Segurar com força e confiar que Ele será apoio em cada momento.
O cair nos ajuda a levantarmos com mais força, mais confiança, mais garra. E com a certeza que Deus nunca nos deixará prostrados.

Postado em 4 DE AGOSTO DE 2011.

Por Um Prato De Lentilhas











“Jacó deu a Esaú pão e o guisado e lentilhas;
e ele comeu e bebeu; e, levantando-se, 
seguiu seu caminho.
Assim desprezou Esaú o seu direito de primogenitura”

A primogenitura era um privilégio concedido ao filho mais velho. O pai lhe dava o privilégio de receber os bens herdados em porção dobrada. Ele ainda seria responsável em dirigir a família caso o pai não fizesse outra declaração em vida ou testamentária. Isso significa que o filho mais velho, o primogênito, receberia duas partes da herança e ainda seria o líder da família.
Quando Esaú resolveu trocar o prato de lentilhas pela sua primogenitura, ele estava abrindo mão do privilégio que ele tinha de receber duas vezes sua parte na herança de seu pai. Estava abrindo mão de liderar a família. Estava abrindo mão de valores importantes por um prato de lentilhas. Um prato saboroso, mas, que iria saciá-lo somente por alguns instantes. Sua herança pela troca de alguns instantes de prazer.
Quando deixamos de ir à casa de Deus para satisfazer um momento de prazer, estamos abrindo mão de nossa herança pelo prato de lentilhas.
Quando nos envolvemos com os prazeres da carne, estamos trocando nossa herança por um prato de lentilha.
Jesus diz: “Vós tendes por pai o Diabo, e quereis satisfazer os desejos de vosso pai; ele é homicida desde o princípio, e nunca se firmou na verdade, porque nele não há verdade; quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio; porque é mentiroso, e pai da mentira” (João 8. 44).
Existem várias coisas que nos são oferecidas para que venhamos provar. Tudo não passa de mentiras! Coisas que parecem boas, bonitas, alegres. Coisas que levam por viagens alucinantes, mas que ao final o que sobra é somente dores e tristezas. Coisas que trarão uma má digestão ao espírito.
Quando não nos firmamos na verdade, e Jesus diz que Ele é a verdade: “Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim” (João 14. 6), corremos o risco de nos iludir com as mentiras que nos são apresentadas. Corremos o risco de trocar nossa herança de salvação, de morar com Jesus, de sermos chamados de filhos de Deus por um prato de lentilhas. De sofrer desilusões e não encontrar saída.
Mas quando resistimos ao prato de lentilhas, e não recusamos o amor que Jesus oferece, Ele nos apresenta a seu pai e confessa que somos parte da família com direito a herança: “Portanto, todo aquele que me confessar diante dos homens, também eu o confessarei diante de meu Pai, que está nos céus” (Mateus 10. 32).
O apostolo Paulo disse aos crentes de Colossos: “sabendo que do Senhor recebereis como recompensa a herança; servi a Cristo, o Senhor” (Colossenses 3. 24). É estando ao lado de Cristo que receberemos a herança. Como filhos de Deus seremos participantes do seu reino: “Então dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai. Possuí por herança o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo” (Mateus 25. 34).
           Não troque essa herança por um prato de lentilhas.

Postado em 15 DE SETEMBRO DE 2011.

Aos Leitores - Parte 3


quinta-feira, 26 de abril de 2012

A Religião Dos Bis-K-teiros


“E aconteceu que, indo ele a Jerusalém, passava pela divisa entre a Samaria e a Galiléia.
Ao entrar em certa aldeia, saíram-lhe ao encontro dez leprosos, os quais pararam de longe, e levantaram a voz, dizendo: Jesus, Mestre, tem compaixão de nós!
Ele, logo que os viu, disse-lhes: Ide, e mostrai-vos aos sacerdotes. E aconteceu que, enquanto iam, ficaram limpos.
Um deles, vendo que fora curado, voltou glorificando a Deus em alta voz; e prostrou-se com o rosto em terra aos pés de Jesus, dando-lhe graças; e este era samaritano.
Perguntou, pois, Jesus: Não foram limpos os dez? E os nove, onde estão?
Não se achou quem voltasse para dar glória a Deus, senão este estrangeiro?”

Quem nunca ouviu dizer que: “Religião não se discute!”?
Dependendo que como eu entendo essa frase posso concordar ou não.
A questão, porém que eu quero colocar aqui não é o fato de se estar correto ou não essa afirmação. Eu tão pouco não gosto de perder tempo falando de religião. Até porque o que conseguimos em se discutindo religião é somente um discurso vazio e que ao final não levará a nenhum resultado saudável e positivo.
Até mesmo Jesus não gastava seu tempo em discursos religiosos. E quando Ele não tinha alternativa, mostrava para aqueles que assim queriam fazer, que era preciso colocar em prática, no dia a dia, as afirmações contidas nesses discursos. Caso contrário era um bando de hipócritas que ao se dizerem praticantes da Lei, deixavam de lado seus ensinamentos quando não as praticavam.
Hoje, nos nossos dias encontramos muitos que se utilizam da igreja apenas como um simples biscate. São aqueles a quem podemos atribuir a "Religião dos Biscateiros".
Mas o que significa isso?
Para responder a essa pergunta, quero mostrar o significado das palavras: biscate biscateiro, segundo o Dicionário da Língua Portuguesa.
Biscate – Obra ou trabalho de pouca monta (monta = montante, valor; importância, significado); bico. Coisa sem valor. Gíria, prostituta.
Biscateiro – O que vive de biscate. (Dicionário 3.0 DCL da Língua Portuguesa).

 O que é Biscateiro? É a pessoa que vive de biscates, de trabalhos manuais pequenos e ocasionais.

Aqueles que utilizam da religião apenas nos momentos que para eles é conveniente, estão usando a igreja como biscate, como algo sem importância, sem valor, um “bico”, algo de que ele pode tirar algum proveito momentâneo; para os momentos em que para ele, sua vida não tem nada mais importante, mais valioso.
Buscam ajuda, buscam oração, buscam conforto, buscam caridade, buscam uma palavra amiga, buscam uma cura. Mas como é apenas um biscate, sentem-se a vontade para entrar e sair quando querem, usufruir daquilo que a igreja lhes pode dar e depois sair sem ao menos lhes mostrar uma gratidão.
Jesus não pregava religião, Ele pregava um modo novo de viver a vida e a maneira de se depositar a fé em Deus e de reconhecer n’Ele mesmo, Jesus, o Messias.
Quando aqueles dez homens foram curados, eles foram em busca de ajuda. Apenas um voltou. “Os homens que foram curados eram dez. Onde estão os outros nove?” (versão da Bíblia na Linguagem de Hoje).
Agiram como biscateiros. Não havia barreira racial separando-os de Jesus. O que havia era a lepra da qual Jesus os curou. Eles tinham todas as razões para depositar sua fé em Jesus e reconhecê-lo como o Messias. Mas o que eles fizeram, o mesmo que fazem os biscateiros da religião, voltaram-lhe as costas.

E você, como tem agido em relação aquilo que o Senhor tem lhe proporcionado conseguir? Tem reconhecido Ele como o Messias, ou tem lhe voltado às costas?

Rogério de Faria.

Baseado no texto de: Lucas 17: 11-18.


Postado em 5 DE MAIO DE 2011.

A Religião dos Bis-k-teiros 2


No dia 28 de junho de 2000, no programa do ratinho, houve uma entrevista polêmica com a cantora Simoni. Ela apareceu debatendo com um pastor pelo fato de ter posado nua para uma revista e se dizer que é evangélica.
Ouve participação do povo na rua e da dançarina Rita Cadilac.
Pobre jovem que não descobriu que ser evangélica, implica em um nascer de novo, em renovação de mente e nova atitude na vida.
O fato é que tem muita gente tendo um namoro descompromissado.
É a famosa história do ficar. É o ficar espiritual.
Tem gente indo à igreja, cantando no coral, gente que gosta de ouvir louvores, gostam de ouvir a palavra de Deus, pregam adesivos com dizeres evangélicos nos vidros dos carros. Mas não querem assumir um compromisso! Algo que seja real, durável e verdadeiro com o Senhor.
Jesus disse: "As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu as conheço, e elas me seguem" (João 10:27).
O namoro com o Senhor tem que ter compromisso, tem que chegar ao noivado. A Bíblia diz que a igreja é a noiva de Cristo. E tem que se consumar no casamento, a vida eterna com Deus.
Apascentar é cuidar, ter amor, não fazer com que o outro tropeça e caia.

O namoro sem compromisso é uma aventura amorosa com uma amante, é um adultério: é um jogo de mentiras, vícios, prostituição e adultério. Carregado de egoísmo e idolatria. Onde falar mal dos outros é normal e a corrupção uma prática aceitável. Onde o indivíduo pensa em comprar outros, se deixa vender e sonegar.

O namoro compromissado trás: Louvor, Reverência, Admiração, Humildade, Alegria, Paz e Bondade. Isso é demonstração de amor a pessoa amada.
"Pedro, você me ama? Então Pedro cuida destes para mim. Não deixe que eles se percam. Pois se você me ama, não irá se portar de forma inconveniente e nem buscará os seus próprios interesses." (I Coríntios 13:5).

Postado em 9 DE AGOSTO DE 2011.

O Que Fiz Para Merecer Isso?


Alguma vez você já se sentiu rejeitado, abandonado pelos amigos ou parentes? Já se perguntou por que as pessoas não gostam de estar ao seu lado e quase sempre você se vê sozinho? Já se perguntou “O que fiz para merecer isso”?

Pois bem, preciso lhe dizer uma coisa.

Existe um personagem na Bíblia que um dia deve ter se perguntado a mesma coisa. O nome dele é Jonas. E um dia ele se encontrou triste e talvez até mesmo deprimido. Pois para chegar a dizer: “Agora, Senhor, tira a minha vida, eu imploro, porque para mim é melhor morrer do que viver” (Jonas 4:3), ele só poderia se encontrar num desses estados.

Acontece, porém que, a cidade de Nínive arrependeu-se depois de ouvir a pregação de Jonas. Ele não gostava dos ninivitas, e não os consideravam dignos da misericórdia de Deus. Ele os julgou.

Quando uma pessoa é rejeitada não pelo que ela faz só existe uma alternativa, ela está sendo rejeitada pelo que ela é. Isso significa que não é o que ela faz que é o importante, e sim o que ela é. Sua essência, seu ser, sua vida. E isso realmente é muito duro.

Nos ensinos do Novo Testamento aprendemos que se alguém alimentar um espírito amargurado e duro em perdoar, sofrerá as conseqüências da depressão, pois será entregue aos atormentadores: “Irado, seu senhor entregou-o aos atormentadores, até que pagasse tudo o que devia” (Mateus 18:34).

Será que você se encontra no mesmo quadro de Jonas? Julgando as pessoas pelo que são? Tirando a oportunidade delas crescerem como pessoas, roubando seus sonhos, seus ideais? Anulando a sua existência como seres humanos?

Às vezes Deus responde nossas orações de forma bem diferente daquela que esperamos, e sofremos como Jonas. Mas seu sofrimento foi devido ao seu egoísmo. Sua falta de amor para com os ninivitas.

E o seu tem sido por causa de quem?

Pense sobre isso, medite e ore a Deus para que lhe ajude a ser um cristão mais amoroso.

Que Deus lhe abençoe!

Postado em 28 DE JUNHO DE 2011

quarta-feira, 25 de abril de 2012

Mensagem: Rompendo A Sedução Do Endeusamento


Quando lemos o livro de Daniel no capitulo 3, podemos ter uma noção clara daquilo que acomete a mente, o coração e a motivação de muita gente: o desejo de ser reconhecido, de ser colocado no patamar de deus. O desejo de ser adorado.
Ali encontramos o rei Nabucodonosor mandando construir uma estátua gigantesca em homenagem a ele e em seguida, convidando autoridades para que viessem adorar-la: “Então o rei Nabucodonosor mandou ajuntar os sátrapas, os prefeitos, os governadores, os conselheiros, os tesoureiros, os juízes, os magistrados, e todos os oficiais das províncias, para que viessem à dedicação da estátua que ele fizera levantar” (Daniel 3. 2). O rei Nabucodonosor é uma figura do anti-cristo. E aqui podemos colocá-lo também como um representante daquilo que chamamos de a Síndrome de Lúcifer.

Mensagem baseada em João 3. 30.

Desafios Para Transformar Conceitos Em Realidade


Até os irmãos de Jesus não criam nele.

É comum existir um grau de frustração quando se prega para alguém de sua família, um amigo ou um colega, e esse se recusa a aceitar o evangelho.
Isso pode acontecer porque depois que conhecemos algo novo, que nos faz bem, queremos compartilhar com outras pessoas essa descoberta e ajudá-las a ter e sentir o mesmo que nós.
Mas a maior parte das vezes nós não estamos preparados para uma resposta negativa. Isso nos constrange, nos frustra.
Saiba, porém que até mesmo os meio-irmãos de Jesus não creram que Ele é o Cristo. Mesmo tendo testemunhado Seus milagres e ouvido Seu ensino, eles se recusaram a crer, ter fé em Jesus como o Filho de Deus.
Isso serve para nos mostrar que a pessoa depois de ouvir o Evangelho tem a responsabilidade de crer ou não, mas aquele que o anuncia tem a responsabilidade de comunicá-lo com fidelidade. Jesus anunciava seu ensino de forma fiel e colocava em prática aquilo que pregava. Seus irmãos ouviam e viam essas coisas, mas não aceitavam.
Se você pensar que é responsabilidade sua a conversão de alguém, sua frustração será certa!
Existe um conceito de super-espiritualidade em nosso meio que algumas vezes, muitos líderes e pregadores se convencem de que a conversão de alguém depende de sua eloqüência, de seu carisma, do seu grau de conhecimento e aprofundamento em questões teológicas.
Essa idéia, essa opinião é uma noção errada de entendermos a aplicação da pregação do Evangelho com a conversão de uma pessoa. Isso não quer dizer que não devemos nos importar com dar o nosso testemunho ou com a nossa pregação. Os irmãos de Jesus o rejeitaram apesar de Suas obras e palavras. Mas, algumas vezes alguém deixa de se converter porque a vida daquele que prega não condiz com sua pregação.
Conceitos equivocados precisam ser quebrados, eliminados, para que essa frustração não venha ganhar força em sua vida é fazer você pensar que a sua unção, o seu ministério, a sua liderança não tem poder.
O fato de os irmãos de Jesus não crerem, nos mostra outra coisa, o parentesco terreno não garante a vida eterna. Cada pessoa individualmente precisa tomar essa decisão de crer ou não. É preciso que cada boca individualmente confesse ser Jesus o Senhor.
O convencer depende do Espírito Santo atuando na mente das pessoas que ouvem o Evangelho. Sua parte é pregar essa Palavra, de forma fiel, que condiga com seu modo de viver.
No final das contas, alguns dos irmãos de Jesus acabaram crendo nele. Tiago, provavelmente o mais velho, tornou-se um líder na Igreja primitiva (Atos 15. 13-21) e escreveu a carta que leva o seu nome. E estudiosos acreditam que o autor da Carta de Judas também tenha sido outro meio-irmão de Jesus.
O pregar é com você, o convencer é com o Espírito Santo.

Baseado em: João 7.5

Postado em 18 DE MAIO DE 2011.

Qualquer Coisa É Melhor Que Nada


“Elizeu perguntou: ‘O que posso fazer por você? Diga! O que é que você tem em casa? ’ – Não tenho nada, a não ser um jarro de azeite! ’ – respondeu a mulher.”

Se você buscar o termo fé no velho testamento não o encontrará. O que encontrará é o seu correlato, fidelidade. Fidelidade é a capacidade de cumprir com uma promessa feita. No Novo testamento, a fé é uma certeza, confiança em Deus.
Quando não temos mais força para enfrentar uma situação difícil, a melhor coisa a fazer é continuar a ser fiel a Deus. Pois assim Ele mostrará Sua fidelidade para conosco. Sua misericórdia que se renova a cada manhã, nos garante que Sua promessa de estar conosco todos os dias, seja uma realidade a ser vivenciada. Quando recorremos ao lugar certo para buscar ajuda, certamente encontraremos ali alguém pronto para nos ajudar.
Aquela mulher foi buscar ajuda ao profeta Elizeu, possivelmente tinha uma lágrima banhando o seu rosto, sentia a sensação de solidão, pois seu marido havia morrido. Pode ser que ela achasse que tudo estava no fim. Alguém a estava cobrando uma dívida e queria levar seus filhos para servirem de escravos. Suas forças já estavam se esgotando, só lhe restava o poder da fé. Foi quando ela ouviu a pergunta: “O que posso fazer por você? Diga! O que é que você tem em casa”?
Para aqueles que gostam de espiritualizar tudo, ou aqueles que querem ter um pensamento positivo para tudo, possivelmente as respostas seriam: “eu não tenho nada, mas está tudo bem, Deus sabe todas as coisas”, “tudo irá se resolver... se Deus quiser” e coisas desse tipo. Respostas que mostram uma fuga da realidade.
Aquela mulher embora confiasse em Deus, também era realista com sua própria realidade: “Não tenho nada, a não ser um jarro de azeite!”
Qualquer coisa é melhor que nada. O que se tem é a oportunidade de ver um milagre acontecer. Pois quando pensamos que aquilo que temos é insignificante para recomeçar, Deus mostra que é esse pouco o que necessitamos para voltar à normalidade da vida.
O que você tem que pode ser usado para o milagre acontecer em sua vida? Apesar das circunstâncias difíceis e muitas vezes inaceitáveis, pode existir lá no fundo de seu ser, alguma coisa que pode ser usado. Feche os olhos para aquilo que lhe fere, busque se concentrar em lembranças, em palavras, em atos de carinho, coisas que podem ajudar a fazer o seu ser se encher como aqueles vasos se encheram de azeite.
Quando somos realistas com as nossas fraquezas, nossas dificuldades, nossas angústias, Deus se alegra conosco. Quando buscamos Sua ajuda para enfrentarmos nossos problemas, Ele tem prazer em nos ajudar.
Ele olha para nós é pensa: “Ele confia em mim, ela confia em mim”.
A mulher ouviu o profeta, fez o que ele falou. Ela vendeu o azeite e ainda sobrou dinheiro para ela e os filhos viverem.
Aquilo que você tem pode ser o que você precisa para o milagre acontecer, compartilhar seu aprendizado com outros e ainda ir vivendo com muita alegria a sua vida. 

Baseado em: 2 Reis 4.2.

Postado em 24 DE MAIO DE 2011