Páginas

sexta-feira, 25 de julho de 2014

O Decreto de Deus – E.T.

As pessoas tem uma ideia da soberania de Deus, mas quando isso é posto em prática, não é bem isso o que parece pensar a maioria das pessoas. O que parece é que a maioria das pessoas tem a ideia de que Deus é alguém que lhe deve obedecer às orações, que está pronto a cumprir as ordenanças daquele que tem em suas mãos o poder da oração.
Mas quando estudamos sobre a Soberania de Deus, danos de encontro com a Ordem de Seus Decretos. Isso inclui a criação, a permissão da queda, e a salvação. E para cumprir os Seus decretos, Deus utiliza dos meios necessários para que eles aconteçam.
Para entender isso precisamos crer que Deus tem um propósito, um plano. E este plano está envolvido em Sua personalidade. E pode ser provado pelas escrituras: “O Senhor dos Exércitos o determinou; quem pois o invalidará? E a Sua mão estendida está; quem pois o fará voltar atrás?” (Isaias 14. 27).
Alguém poderá dizer: “Mas você está citando o Velho Testamento...”
Ok, o apostolo Paulo tinha uma visão mais centrada das Escrituras do que muitos crentes em nosso tempo, ele escreveu aos efésios: “Havendo sido predestinado, conforme o propósito daquele que faz todas as coisas segundo o conselho da Sua vontade.” (Efésios 1. 11).
Na minha infância aprendi que: “Os decretos de Deus são o Seu eterno propósito, segundo o conselho de Sua vontade, pela qual, para Sua própria glória Ele tem predestinado tudo o que acontece” (Catecismo pergunta 7).
Sei que não é fácil de entender. Nossa mente não está pronta para aceitar certas coisas. Principalmente quando criamos ideias erradas a respeito de Deus. Por exemplo, não é tão difícil entender que Deus através de Seu decreto positivo, faz Ele mesmo, aquilo que Ele resolveu fazer. Mas não é tão simples de entender quando pensamos em Seus decretos permissivos, ou seja, aquilo que Deus permite acontecer porque Ele resolveu permitir.
Em Seus propósitos, Deus abrange todos os acontecimentos. Isso inclui todo o curso geral da história, como também os acontecimentos particulares, como o nascimento de Cristo predito em Miquéias 5. 2. E são exatamente nesses particulares que nossa mente finita não consegue entender a mente infinita de Deus.
Como entender os atos bons dos homens?: “Porque somos feitura Sua, criados em Cristo Jesus, para as boas obras, as quais Deus, preparou para que andássemos nelas” (Efésios 2. 10). E ainfa mais, como entender os ato maus dos homens?: “O Senhor fez todas as coisas para os Seus próprios fins, e até o ímpio para o dia do mal” (Provérbios 16. 4).
Em Seus decretos Deus decretou os acontecimentos que chamamos de acidentais, e para todas as coisas Ele decretou tanto os meios como os fins: “Devemos sempre dar graças a Deus por vós, irmãos amados do Senhor, por vos ter Deus eleito desde o princípio para a salvação, em santificação do espírito e fé da verdade” (2 Tessalonicenses 2. 13). Deus os elegeu para a salvação, este é o fim; em santificação e fé, este é o meio.
Se Deus escolhe um homem para a salvação, escolhe também os meios para alcançar esse fim: “Eleitos segundo a presciência de Deus Pai, em santificação do espírito, para a obediência e aspersão do sangue de Jesus Cristo” (1 Pedro 1. 2).

O Decreto de Deus – E.T. – Continuação

O que podemos ter certeza é que o decreto de Deus torna certo tudo o que é decretado. Isso mostra a Sua presciência. Não podemos entender como Deus pode prever qualquer coisa a não ser que a tivesse decretado. Pois só se pode prever aquilo que é certo e só é certo aquilo que foi decretado.
Se nós considerássemos o decreto de Deus baseado num acontecimento não decretado, estaríamos baseando-o na incerteza, o que é impossível.
Alguém pode querer indagar que os decretos de Deus e a sua presciência é incompatível com o livre arbítrio do homem. Mas será que o fato de Deus saber de antemão o que o homem vai fazer, deixa este homem de ser livre?
Imagine você como um conhecedor de fatos que mostram que seu vizinho irá cometer um crime, ele não sabe dessa sua presciência, isso o faria menos livre no seu ato?
O decreto de Deus faz com que todos os acontecimentos se tornem certos, mas ainda assim ele não viola o livre arbítrio do homem. Pois nos atos bons, Deus opera sobre o homem, e seu livre arbítrio entra em ação. Nos atos maus, Deus permite que o homem realize sua própria vontade.
Bem, espero que este texto tenha ajudado um pouco você a pensar na sua fé. Crer sem pensar pode leva-lo ao fanatismo e a mera religiosidade. O apostolo Paulo rogava aos crentes de Roma a cultuar de forma racional: “Rogo-vos pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos como um sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional” (Romanos 12. 1).

Até mais. Que Deus o ilumine e abençoe.

terça-feira, 22 de julho de 2014

"O Vento Sopra Onde Quer..."

“O vento sopra onde quer...” Podemos ouvir o seu som, mas não conhecemos a sua origem ou o seu destino.
Na parábola de Jesus, o vento é usado como uma atuação do Espírito. E da mesma forma como não há uma forma de controlar o ir e vir do vento, através do poder e da sabedoria humana, também o novo nascimento do Espírito é independente da vontade humana.
Não existe uma forma. João no prólogo de seu Evangelho diz que não procede: “nem da vontade da carne, nem de vontade do homem” (João 1. 13). Somos todos de personalidades diferentes e importantes para Deus. Ele entende que somos únicos e que temos nossas fraquezas. Portanto a atuação oculta no coração humano não pode ser controlada ou vista, mas seus efeitos são inconfundivelmente evidentes.
O vento sopra onde quer, e ouves a sua voz; mas não sabes donde vem, nem para onde vai; assim é todo aquele que é nascido do Espírito” (João 3. 8).

terça-feira, 15 de julho de 2014

Brasil Do Meu Amor

Ao termino do jogo contra a Alemanha, em que o Brasil perdeu por sete gols, contra um da Seleção Brasileira. A dor no coração do zagueiro David Luiz, era o reflexo de uma nação: “Eu só queria poder dar uma alegria ao meu povo. Para minha gente que sofre tanto com tantas coisas. Não conseguimos, infelizmente. Desculpa a todos, a todos os brasileiros", afirmou o jogador.
Conforme publicado em matéria, o jogador recebeu de sua namorada Sara, o apoio que muitos outros brasileiros gostariam de receber: “Em seguida, Sara ressaltou a fé do namorado e disse que ele é seu campeão: "O troféu dos troféus já é teu: Jesus! E por isso és mais do que vencedor! Obrigada pelo teu exemplo, obrigada por cada alegria, por cada gesto, por cada oportunidade! És o meu campeão!!! OBRIGADA”.
No vocábulo psicanalítico existe uma palavra que ajuda a descrever o método que visa eliminar as perturbações psíquicas, as excitações nervosas, as tensões, as angústias, através de uma explosão emocional. Este método se chama Catarse.
Para um país acostumado a levar golpes nas costas, como aquele cruel golpe do jogador colombiano contra Neymar. É preciso alivio real e imediato. Por isso um país como o nosso... País do futebol, País do carnaval... É preciso uma descarga emotiva para livrar as pessoas das lembranças amargas que vive o povo brasileiro... Dos sofrimentos mencionados pelo jogador David Luiz.
O choro veio, mas não de alegria.
De tristeza... Como a mostrar uma sombria realidade que mostra não ter esperança para um País campeão... Que mostra no impostômetro os números campeões dos seus trilhões.
Como disse Ruy Barbosa: “De tanto ver triunfar nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, e ter vergonha de ser honesto”.
A Bíblia tem razão: “... quando o ímpio domina, o povo geme." (Provérbios 29. 2).
Brasil, mostra sua cara... A cara de gente humilde e tão contente, de gente que canta trabalha e se agiganta. De gente de se ergue e não foge a luta.
Todo ser humano precisa de algo que lhe ajude a aliviar suas emoções. Que lhe ajude a manter o equilíbrio emocional. De acordo com Aristóteles, a palavra catarsis significa "limpeza da alma".
Numa última análise, a confissão de erros, que os católicos fazem ao padre, é uma aplicação prática do método catártico, se considerada no campo da Psicologia. Pois ao se confessar, o indivíduo passa a ter um alívio do sentimento de culpa.
Brasil, sua força não deve ser sua. Pois a Bíblia diz: “Assim diz o SENHOR: Maldito o homem que confia no homem, faz da carne mortal o seu braço e aparta o seu coração do SENHOR!” (Jeremias 17. 5).
Pelas nossas forças, teremos como reflexo apenas uma Seleção perdedora. Que por mais que corra e se esforçe, não produz resultados.
 Pelos nossos esforços, veremos apenas as mãos jogadas no ar, acompanhadas de uma frase: “Já são sete, deixa... deixa...” como a de Filipão.
Precisamos confessar que erramos e precisamos nos arrepender. Jesus diz que: “... sem mim nada podeis fazer” (João 15. 5).
Portanto: “Buscai ao Senhor enquanto se pode achar, invocai-o enquanto está perto” (Isaias 55. 6).
Assim podemos sorrir. Pois nosso troféu será Jesus, o Rei dos Reis.
Com Ele seremos mais que vencedores.
Com Ele seremos campeões... E viveremos sempre dando graças ao meu Rei.
Em Jesus encontramos a nossa catarse: “Vinde a mim, todos os que estai cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei” (Mateus 11. 28).

Limpe Bem A Superfície

Orar é parecido com o tintar uma parede. Existem certas instruções a serem seguidas.
Quando você quer pintar uma parede, você pega uma lata de tinta e ler nas instruções: “Limpe bem a superfície. Remova toda sujeira, graxa, cera e óleo. Raspe a tinta solta. Conserte as rachaduras. Não aplique se a temperatura estiver abaixo de 10 graus centígrados”.
É preciso obedecer às instruções. Viola-las significa acabar com todo o projeto de pintura.
Para orarmos, ou falarmos com Deus. Também há algumas instruções.
Como por exemplo, orar com fé. Na carta de Tiago ele diz que ao orarmos devemos “pedir com fé, sem duvidar” (Tiago 1.5).
O apostolo João escreveu: “... se pedirmos alguma coisa, segundo a sua vontade, Ele nos ouve” (1 João 5. 14). Isso significa que nossa oração deve estar de acordo com a vontade dele. Ele não atenderá pedidos que são contrários as que Ele quer que aconteça. Devemos nos lembrar sempre que é Ele quem está no controle.
Para isso nosso coração deve está puro, sem pecado. Isaias escreveu: “Mas as vossas iniquidades fazem separação entre vós e o vosso Deus” (Isaias 59. 2).
Jesus ensinando aos discípulos disse: “E, quando estiverdes orando, se tendes alguma coisa contra alguém, perdoai, para que vosso Pai celestial vos perdoe as vossas ofensas. Mas, se não perdoardes, também vosso Pai celestial não vos perdoará as vossas ofensas” (Marcos 11. 25, 26).
Deus está bem próximo. Ele não precisa fazer grandes esforços para nos ouvir. Disse Davi: “Perto está o Senhor de todos os que o invocam, de todos os que o invocam em verdade” (Salmos 145. 18).
Mas precisamos limpar bem nossa superfície para que tenhamos uma comunicação bem aproveitável com o Deus criador de todas as coisas.

quinta-feira, 10 de julho de 2014

Fé Para Viver

Tem muita gente se esforçando para ter fé e por causa disso, se tornando neuróticos, quando não céticos. Isso acontece por causa de ensinos não bíblicos que são ensinados por aí.
Ensina-se o poder da fé para aquisição de bens, como um poder miraculoso quase em si mesmo que permite a seu possuidor adquirir, fazer, expulsar e outras coisas mais.
Mas esquece-se que a fé não é uma estratégia, não é um poder de aquisição.
Paulo escrevendo aos gálatas disse: “Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé no filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim” (Gálatas 2. 20).
A fé deve ser direcionada para que venhamos a ser, e não a ter; para que venhamos a viver, e não a sentir.
A fé não é uma questão de sensação, ou seja, do sentir. A fé não é uma questão de humor ou de ânimo. A fé não é bipolar.
Conforme Paulo, a fé é uma questão do saber, do acreditar. É ela que nos conecta ao Criador. É a fé que nos dá a certeza de coisas que se esperam, sem duvidar (Hebreus 11. 1). A fé nos faz filhos da esperança.
Portanto, sentindo ou não alguma emoção a fé está lá. Mesmo que algo ainda não tenha se materializado, no seu interior esse algo já está lá. Isso nos permite ver o invisível.
Quando a fé se instala no coração, o viver assume o lugar do sentir e a atitude passa a ser a do humilde de espírito, que o permite herdar o Reino dos Céus; a atitude passa a ser de um ser manso, que o permite ser consolado; a atitude passa a ser um coração puro, que o permite ver a Deus; a atitude passa a ser de um viver com sede e fome de justiça, para ver coisas boas acontecendo entre os homens; a atitude passa a ser de um pacificador, que busca pacificar os irreconciliáveis, e assim poder ser chamado de filho de Deus; a atitude assume a fé para aguentar a injúria, a mentira, a calúnia e a perseguição por causa do nome de Jesus (Mateus 5. 1-47).
A fé é para agradar a Deus: “Ora, sem fé é impossível agradar a Deus; porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe, e que é galardoador dos que o buscam” (Hebreus 11. 6).
A fé é questão de saber, de acreditar. De acordo com a etimologia, a palavra fé tem origem no Grego "pistia" que indica a noção de acreditar e no Latim "fides", que remete para uma atitude de fidelidade.
Isso significa dizer que sentindo, ou não sentindo, é preciso acreditar. É preciso saber e confiar.

domingo, 6 de julho de 2014

Courageous - Casting Crowns

Interessante como a Bíblia não tenta provar sua afirmação de que é a Palavra de Deus; ela simplesmente o afirma. Os seus escritores estão sempre repetindo que sua mensagem não constitui uma opinião do homem, mas uma revelação divina.
Portanto, trace sempre seus ojetivos, viva em função deles e nada será impossível:, pois “tudo é possivel ao que crer” (Marcos 9. 23).
“Mas, quanto a mim, o Espírito do Senhor me dá poder, amor pela justiça e coragem para condenar os pecados e as maldades de Israel” (Miquéias 3.8).


Corajosos

Nós fomos feitos para ser corajosos
Nós fomos feitos para guiar o caminho
Nós podemos ser a geração
Que, finalmente, quebra as cadeias

Nós fomos feitos para ser corajosos
Nós fomos feitos para ser corajosos

Nós éramos soldados na linha de frente
Firmes, sem medo
Mas agora nós somos espectadores à margem
Enquanto nossas famílias se vão

Onde estão vocês, homens de coragem?
Vocês foram criados para muito mais
Deixe o bater de nossos corações gritar
Nós serviremos ao Senhor

Nós fomos feitos para ser corajosos
E estamos voltando à luta
Nós fomos feitos para ser corajosos
E vai começar conosco esta noite

A única forma de permanecermos
É de joelhos, com as mãos levantadas
Torne-nos corajosos
Senhor, nos torne corajosos

Essa é a nossa decisão
Nossa resposta ao chamado
Nós amaremos nossas esposas e filhos
Recusamo-nos a deixar que eles caiam

Vamos reacender a paixão
Que enterramos bem fundo
Que espectadores se tornem soldados
Que os homens de Deus se levantem

Nós fomos feitos para ser corajosos
E estamos voltando à luta
Nós fomos feitos para ser corajosos
E vai começar conosco esta noite

A única forma de permanecermos
É de joelhos, com as mãos levantadas
Torne-nos corajosos
Senhor, nos torne corajosos

Busque a justiça
Amor. Misericórdia.
Caminhe humildemente com seu Deus

Busque a justiça
Amor. Misericórdia.
Caminhe. Seja com o seu Deus.

Na guerra da mente eu vou me posicionar.
(Busque a justiça. Amor. Misericórdia. Caminhe humildemente com seu Deus)
Na batalha do coração e na batalha da mão.
(Busque a justiça. Amor. Misericórdia. Caminhe humildemente com seu Deus)

Na guerra da mente eu vou me posicionar.
(Busque a justiça. Amor. Misericórdia. Caminhe humildemente com seu Deus)
Na batalha do coração e na batalha da mão.
(Busque a justiça. Amor. Misericórdia. Caminhe humildemente com o seu Deus.)

Nós fomos feitos para ser corajosos
E estamos voltando à luta
Nós fomos feitos para ser corajosos
E vai começar conosco esta noite

A única forma de permanecermos
É de joelhos, com as mãos levantadas
Torne-nos corajosos
Senhor, nos torne corajosos

Nós fomos feitos para ser corajosos
Na guerra da mente eu vou me posicionar.
(Busque a justiça. Amor. Misericórdia. Caminhe humildemente com seu Deus)

Senhor, torne-nos corajosos
Na batalha do coração e na batalha da mão.
(Busque a justiça. Amor. Misericórdia. Caminhe humildemente com seu Deus)

Nós fomos feitos para ser corajosos
Na guerra da mente eu vou me posicionar.
(Busque a justiça. Amor. Misericórdia. Caminhe humildemente com seu Deus)

Senhor, torne-nos corajosos
Na batalha do coração e na batalha da mão.
(Busque a justiça. Amor. Misericórdia...)
Caminhe humildemente com seu Deus

Aprendendo a Confiar Como Abraão

A lógica humana não suporta a fé, pois “o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque para ele são loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente” (1 Coríntios 2. 14). Na verdade, para a lógica humana, a fé parece insana às vezes.
Então imagine um homem como Abraão, que não tinha televisão, não tinha rádio, não tinha nenhum pastor ou guia espiritual para lhe dizer o que estava acontecendo com ele quando lemos o livro de Gênesis 13.1-14.
O que ele tinha eram as estrelas, o vento, a natureza e a voz de Deus para lhe guiar. Abraão necessitava de fé.
A fé implica numa atitude contrária a dúvida. Dentro da fé não cabe a desconfiança. Pois a fé está intimamente ligada a confiança, a crença e a credibilidade. E Abraão mostrou um sentimento total de crença em Deus quando ouviu a sua voz e mesmo sem saber para onde iria. Resolveu fazer aquilo que Deus havia lhe pedido.
O escritor do livro de Hebreus afirma que “sem fé é impossível agradar a Deus” (Hebreus 11. 5).
Façamos um pequeno resumo sobre o fato em Gênesis 13:
Abrão era o líder, pois Deus o havia chamado. No entanto deixou que Ló escolhesse para onde queria ir (v. 9). Ló viu toda beleza e prosperidade diante de si (vv. 10, 11), então escolheu ir para aquele lugar. Abraão olhou em volta e mesmo sem perspectivas, teve esperança que algo podia mudar de forma positiva, para melhor.
Mas por quê? Porque Abrão sabia que estando com Deus não importa qual seja a direção que ele tome, Deus iria lhe abençoar (Êxodo 13. 14-17).
É nesta perspectiva que o escritor de Hebreus escreve: "a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que não se vêem". (Hebreus 11:1).
À medida que vamos acreditando e confiando em Deus, os problemas vão desaparecendo. Tendo a certeza de que são as pequenas coisas que constroem a maior parte de nossa vida.
Quando descobrimos isso, todo nosso esforço será voltado na convergência de valorização à vida.

quarta-feira, 2 de julho de 2014

Aprendendo Com a Experiência de Jó

Gente que sofre é gente que peca? Ou será que o justo também pode sofrer?
Jó era um homem justo e que temia a Deus, no entanto, o Senhor permitiu que Satanás atuasse em sua vida. Deus conhecia Jó em seu íntimo, e só lhe permitiu a tribulação porque sabia até onde Jó podia suportar!
Os amigos de Jó afirmavam ter descoberto a razão da aflição dele. Mas a verdade é que muitos sofrimentos ficam sem explicação. Pois tal conhecimento excede a visão finita do homem.
Foram vários os dias em que Jó sofreu e implorou a Deus uma explicação para tal sofrimento. Mas quando Deus finalmente apareceu, Ele demonstrou que Jó não tinha capacidade para entender a resposta: “Poderás descobrir as coisas profundas de Deus, ou descobrir perfeitamente o Todo-Poderoso? Como as alturas do céu é a sua sabedoria; que poderás tu fazer? Mais profunda é ela do que o Seol; que poderás tu saber? (Jó 11. 7, 8). Deus mostrou a Jó que ele não tinha capacidade para discutir com seu Criador. Finalmente Jó aprendeu a simplesmente confiar em Deus: “Eu reconheço que para Ti nada é impossível e que nenhum dos Teus planos pode ser impedido. Tu me perguntaste como me atrevi a por em dúvida a Tua sabedoria, visto que sou tão ignorante... Antes eu te conhecia de ouvir falar, mas agora eu te vejo com os meus próprios olhos. Por isso, estou envergonhado de tudo o que disse e me arrependo, sentado aqui no chão, num monte de cinzas” (Jó 42. 1-6).
O mundo nos põe a marge de muitas coisas, talvez para que possamos obter experiência. Mas como disse o escritor inglês Aldous Huxley: “Experiência não é o que acontece com o ser humano; é o que o ser humano faz com o que lhe acontece”. Talvez para que aquilo que construirmos fora seja o reflexo daquilo que conquistamos em nosso interior.

Aprendendo a Ter Fé Como Jacó

Você alguma vez já pensou em desistir? Abandonar a fé e deixar esse negócio de crente de lado?
É bem provável que sim. Afinal, são tantas dores, tantas aflições, tanto fardo. No mundo é assim...
Mas preste atenção numa coisa, o cativeiro de Jacó poderia ter levado ele a perder a confiança e a fé em Deus. Mas o fato é que Jacó não podia ver todos os planos de Deus, nenhum ser humano pode.
Mas o salmista numa “overdose” de adoração exclama: “Grande é o nosso Senhor, e de grande poder; não há limite ao seu entendimento” (Salmos 147. 5). Isso significa dizer que aquele que pode contar e dar nome as estrelas e chama-las pelo seu nome: “conta o número das estrelas, chamando-as a todas pelos seus nomes” (Salmos 147. 4), pode também chamar a cada ser humano pelo nome, mesmo que esteja todos eles no cativeiro: “Ah! porque aquele dia é tão grande, que não houve outro semelhante! É tempo de angústia para Jacó; todavia, há de ser livre dela” (Jeremias 30. 7).
Precisamos aprender que defeitos não fazem mal, quando há vontade e poder de corrigi-los. Sentir medo, sentir-se fraco às vezes, é natural ao ser humano. Mas podemos aprender com a frase de Caio Fernando Abreu o seguinte: “Faço de mim casa de sentimentos bons, onde a má fé não faz morada e a maldade não se cria. Me cerco de boas intenções, e me reservo pros poucos e melhores amigos. Me permito ao riso”.
Portanto construa um altar na sua vida. No seu coração.
É no altar da adoração onde as batalhas são vencidas, onde o perdão e a misericórdia são recebidos, é para isso que serve o altar. É o lugar de deixar o fardo, de deixar toda dor. O lugar onde o desprezado descobre que tem valor. É ali, nesse encontro com Deus que corações podem ser quebrados e vidas podem ser transformadas.
Um ditado anônimo diz: “O homem que disse: não pode ser feito, foi vencido pelo homem que estava fazendo”. Pois tudo é possível ao que crer (Hebreus 11. 6).
Em Jeremias 30:10-11 o Senhor diz: "Não temas pois tu, servo meu, Jacó, diz o Senhor, nem te espantes, ó Israel; pois eis que te livrarei de terras longínquas, e à tua descendência da terra do seu cativeiro; e Jacó voltará, e ficará tranquilo e sossegado, e não haverá quem o atemorize. Porque eu sou contigo, diz o Senhor, para te salvar."