Páginas

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

A Obra do Espírito Santo

Pouco antes de sua crucificação Jesus fez uma preciosa promessa a Seus discípulos. Ele prometeu que rogaria ao pai para que Ele enviasse um outro Consolador para ficar conosco para sempre (João 14. 16).
Esse Consolador que seria enviado por Deus em nome de Jesus, teria como tarefa ensinar todas as coisas, e fazer lembrar tudo que foi ensinado por Jesus (João 14.26).
Não seriam todas as pessoas que o conheceriam. Mas para aqueles que O recebesse e O conhecesse, Ele teria uma intima comunhão, estaria habitando em nós (João 14. 27).
Ele também teria a tarefa de não nos deixar órfãos, mas traria de volta a presença de Cristo (João 14. 18).
Com a presença desse Consolador temos a certeza de uma tríplice união, ou seja, com a presença desse Consolador, sabemos que Cristo está no Pai, que nós estamos em Cristo e Cristo está em nós (João 14. 20).
Mas, além disso, Ele seria enviado ao mundo para convencê-lo do pecado, da justiça e do juízo (João 16.8). Pois Ele seria conhecido também como o Espírito da verdade (João 15. 26).
Esse Consolador, o Espírito da verdade, seria enviado para guiar aqueles que creem nEle em toda a verdade; pois não falaria de si mesmo, e sim aquilo que ele ouviu do Pai, anunciando aquilo que há de vir (João 16. 13).


O Espírito da verdade fala (1 Timóteo 4. 1); ensina (1 Coríntios 2. 13); testifica (Romanos 8.16); intercede (Romanos 6. 26); reparte os dons (1 Coríntios 12.11); e convida o pecador (Apocalipse 22.17).
Esse Consolador, o Espírito da verdade, é o Espírito Santo. Ele é o representante de Jesus na terra. Ele permanece na igreja mediante Sua habitação no coração dos crentes.
Portanto as coisas ocultas do reino nos são revelado pelo Espírito Santo (1 Coríntios 2. 10). E sua mensagem proclamada pelos seus profetas são todas inspiradas por Ele (2 Pedro 1. 21).
O Evangelho é pregado com a inspiração de Deus, através de seu Espírito de verdade (1 Pedro 1. 12). E seu Espírito nos sela no Amor para que possamos conhecer a promessa de Deus para nós (Efésios 1. 13).
E diante dessa promessa cabe a cada cristão não entristecer o Espírito de Deus (Efésios 4. 30).
Todavia existem homens para os quais a graça de receber o Espírito da verdade não basta. Eles querem mais. Algo além daquilo que o Espírito Santo veio realizar.
Que tristeza!

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

A Alegria de Viver


“Portanto, agora nenhuma condenação há
para os que estão em Cristo Jesus”
. (Romanos 8.1).

Existem indivíduos que estão há anos dentro do templo, mas nunca tiveram um encontro com o sobrenatural a ponto de terem sua vida transformada  Esses indivíduos não conseguem se beneficiar da graça de Deus. Vivem criticando, vivem mal humorados, vivem numa dimensão legalista e não conseguem compreender que para quem está puro de coração tudo se torno puro: “Tudo é puro para os que são puros, mas para os corrompidos e incrédulos nada é puro; antes tanto a sua mente como a sua consciência estão contaminadas” (Tito 1. 15).
Nós vivemos num mundo de várias faces, vários rostos, vários credos, vários costumes. Mas o sentimento de amor deve ser um só. Um sentimento único que resiste apesar das guerras, das injustiças. Que resiste apesar do egoísmo e da hipocrisia de muitos.
 É com esse amor que poderemos mostrar o Caminho mais seguro, para uma sociedade mais justa, mais humana.
Por isso insisto em dizer que precisamos de pessoas com um perfil diferente. Pessoas que não se conformem com as coisas mal feitas. Pessoas que não se intimidem diante das crises e das dificuldades.
Precisamos de pessoas que saibam utilizar da criatividade e da compreensão. Precisamos de pessoas que ajam com humildade, com perseverança, com motivação. Que tenham o espírito de liderança e antes de tudo, que tenham amor.


      Sim, o amor. O amor que “não é invejoso; o amor que não se vangloria, não se ensoberbece, que não se porta inconvenientemente, que não busca os seus próprios interesses, que não se irrita, que não suspeita mal e que não se regozija com a injustiça”. Mas que “se regozija com a verdade; que tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta”. Pois “o amor jamais acaba!” O amor sabe ser “sofredor e benigno” (1 Coríntios 13. 4-8).
A alegria de viver está em aprender a viver na dimensão do Espírito, desfrutando da Graça de Deus, em ter a vontade de aprender, em ter a paciência e o carinho de ensinar. Em saber compreender as falhas humanas. E principalmente, em ter o sentimento sincero de carinho, de respeito e de amor para com o seu semelhante.
A alegria de viver nos ensina a ser semeador, e plantar sementes de sonhos no fértil solo da esperança, no coração e na mente de muita gente.

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Além das Possibilidades

Há momentos em que nos falta força. A coragem parece nos deixar. As lágrimas rolam, banhando nosso rosto e nos enchendo com uma grande sensação de estar só... Em solidão.
Esperamos por um futuro que parece já ter passado. Como se houvéssemos perdido o momento de agir. E o agora parece ser o momento do fim. Parece que estamos no deserto. Não existe força em nós... Não podemos ficar de pé... É o momento da fé!

A fé ri das impossibilidades. Deus não age pra nós... Mas através de nós!

"A fé ri das impossibilidades"!
 Somos limitados sim. Como ser humano podemos ir até certo ponto dentro de nossas possibilidades... Mas, Precisamos contar também com o que está além. A força que criou tudo o existe! Quando não existe mais nada pra fazer no campo material, a fé é nossa parte no trabalho Divino. A confiança total é a porta que abrimos pra que o criador possa agir através de nós operando verdadeiros milagres. Quantas vezes já tive prova disso... Quantas vezes...

Por: Renata Libérica

“Tenho-vos dito estas coisas, para que em mim tenhais paz. No mundo tereis tribulações; mas tende bom ânimo, eu venci o mundo” (João 16. 33).
O bom ânimo precisa fazer adaptações. Tirar os excessos. Esvaziar o que estiver cheio. Encher o que estiver vazio.
Você precisa descobrir recursos que antes não sabia existir. Pois quando a limite da força estiver no fim, este é o momento da fé.
A fé que vai além das possibilidades!

quinta-feira, 15 de agosto de 2013

O Cristianismo e o Rancor - Parte 1


Se não houvesse perdão no mundo, a humanidade estaria estancada, petrificada. Pois o perdão é uma necessidade para a continuidade da existência humana.
Pedro, discípulo de Jesus, que tinha uma personalidade forte e um temperamento sanguíneo, por conseguinte pergunta para O Mestre: “Senhor, até quantas vezes pecará meu irmão contra mim, e eu hei de perdoar? Até sete?” (Mateus 18. 21).
A mesma pergunta ecoa na mente de muitas pessoas pelo mundo. Pois existem muitas pessoas magoadas. Mágoas que foram ocasionadas por uma ofensa recebida ou instigada por uma situação. Situações que elas vivenciaram e lhes trouxe grande ressentimento. Deixando dentro de si um excesso de ódio guardado. Ódio que não foi demonstrado.
Outras vezes, esses sentimentos se transformam em ataques de raiva ou ira. E esse sentimento pode perdurar por muito tempo após o fato que provocou esse sentimento.
As consequências na vida de uma pessoa, ditando o que ela pode ser capaz ou não de fazer varia muito de uma pessoa para outra. Pois alguns irão procurar a vingança e outros guardaram esse sentimento dentro de si.
Tudo isso é a manifestação daquilo que chamamos de rancor.
Com certeza você conhece alguém que tenha dito que guarda rancor.
O que ele está realmente dizendo é que ele guarda uma mágoa no coração, de alguém que lhe fez algo errado e que lhe ofendeu. Pois guardar significa ficar com algo, colocar num lugar específico. E Rancor como já temos visto, significa, mágoa, ressentimento, dor ou raiva.
A questão toda, e parece que muitos não estão dando a mínima para isso, é que guardar rancor tem suas consequências negativas.
 Viver magoado, ressentido e cheio de raiva e ódio pode trazer para a pessoa que assim vive as seguintes doenças: Depressão, Dor de cabeça, Dores musculares (principalmente nas costas) Fibromialgia, Gastrites e úlceras, Problemas cardiovasculares (como hipertensão), Problemas intestinais (como síndrome do intestino irritável), Problemas de memória, Problemas de pele (como urticária),  Queda na imunidade, Todas as doenças alérgicas (como asma) e Vertigem.
A medicina não recomenda viver amargurado, com rancor ou raiva contida. Saber perdoar é também uma forma de proteger a saúde.
Viver acumulando sentimentos negativos pode desencadear uma série de transtornos não só psicológicos, mas físicos também.
Jesus comece os benefícios do perdão, por isso respondeu a Pedro: “Não te digo que até sete; mas até setenta vezes sete” (Mateus 18. 22).
Numa linguagem informal, Jesus estaria dizendo para seu discípulo: “Se te ofenderam e te disseram essas coisas, não liga... não guarde rancor... perdoa... ame”.
Perdoar está incluso não somente o processo mental ou espiritual de cessar o sentimento de ressentimento ou raiva contra outra pessoa ou contra si mesmo, mas também a capacidade de continuar amando aquele que lhe dirigiu a ofensa percebida. É a capacidade de fazer cessar a exigência de castigo ou restituição. 

Leia também:
O Cristianismo e o Rancor - Parte 2 .

Autor da Minha Fé - Grupo Logos


Autor da minha Fé
Grupo Logos

Oh Pai, eu queria tanto ver o meu Senhor descer vindo me encontrar;
Eu posso até imaginar a refulgente glória, do senhor Jesus.
Transpondo as brancas nuvens, no mais puro azul,
Onde nem sul, nem norte existirá.
E em meio a lágrimas, sorrisos de alegria e de prazer
Eu que era cego, agora posso ver, contemplar, contemplar enfim...
Por isso eu canto glória.

Coro
Glória, glória, ao autor da minha fé
Glória, glória, ao autor da minha fé

Oh Pai, eu queria tanto, tanto ouvir o som que vai abrir,
O encontro triunfal.
Rever amigos que, um dia em Cristo foram, feitos meus irmãos.
E agora sim, podemos dar as mãos, pois temos todos um,
Somente um, um só Senhor.
E eis o consolo que envolve a minha vida, o meu senhor Jesus
Que foi morto sim, naquela cruz,
Voltará, voltará enfim...
Por isso eu canto glória.

Coro
Glória, glória, ao autor da minha fé
Glória, glória, ao autor da minha fé

Glória ao Senhor (Aleluia)
Glória ao Senhor (Aleluia)
Glória ao Senhor (Aleluia)
Autor da minha fé (Aleluia)
Glória ao Senhor...

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Vivendo Por Você


“Filhos, o dever cristão de vocês é obedecer
Ao seu pai e à sua mãe, pois isso é certo.
Pais, não tratem os seus filhos de um jeito
Que faça com que eles fiquem irados.
Pelo contrário, vocês devem criá-los com a
Disciplina e os mandamentos cristãos”.

(Efésios 6. 1, 4)

Quando você era pequeno eles gastavam horas lhe ensinando a usar talheres nas refeições, ensinando você a se vestir, amarrar os cadarços dos sapatos, fechar os botões da camisa, limpado-o quando você sujava suas fraudas, lhe ensinado a lavar o rosto, a se banhar, a pentear seus cabelos, ensinando-lhe valores humanos.

Por isso quando eles ficarem velhos um dia, e seria bom que todos pudessem chegar até aí, quando eles começarem a ficar mais esquecidos e demorarem a responder, não se chateie não eles, quando eles começarem a esquecer de fechar os botões da camisa, de amarrar cadarços de sapato, quando eles começarem a se sujar nas refeições, quando a mão deles começarem a tremer enquanto penteiam cabelo, por favor, não os apresse, porque você está crescendo aos poucos e eles envelhecendo.

Basta sua presença, sua paciência, sua generosidade, sua retribuição, para que o coração deles fique aquecido.

Se um dia eles não conseguirem se equilibrar ou caminhar direito, segure firme as mãos deles e os acompanhe bem devagar, respeitando o ritmo deles durante a caminhada, da mesma forma que eles respeitaram seu ritmo quando lhe ensinaram a andar.

Fique perto deles assim como eles sempre estiveram presentes em sua vida, sofrendo por você... Torcendo por você... E vivendo por você.

“Não me enjeites no tempo da velhice; não me desampares,
quando se forem acabando as minhas forças”

(Salmos 71. 9).