Páginas

sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

A Relação da Fé Com o Conhecimento – Soteriologia – E.T.

No mês passado terminamos nosso post dizendo que: Fé é uma condição apropriada para a salvação, porque a apreensão intelectual e crença na verdade são necessárias, a fim de nos rendermos a ela e lhe abedecermos; é confiança pessoal em Deus e resulta em paz, certeza, santificação e todas as graças da vida cristã.

Disse também que há vários tipos de fé. E hoje quero menciona-las.

São elas:

A Fé Especulativa ou Fé Histórica – Esta espécie de fé consiste em mera apreensão intelectual, sem propósito moral ou espiritual.

Este é o tipo de fé que encontramos em Atos 8.13: “E creu até o mesmo Simão.” E também em Tiago 2.19: “Também os demônios o creem, e estremecem.”

Uma fé que não se firma em Jesus Cristo não é fé salvadora.

Outro tipo de fé é a Fé Temporária – Esta é uma fé aparentemente genuína, mas que vai desaparecendo em seu caráter. É o tipo de fé ilustrada pela semente que caiu sobre os pedregais (Mateus 13.5,6,20,21).

E temos a Fé Salvadora – Que é a fé que une a alma com Deus e resulta em salvação. Nela está combinada tanto a crença como a afeição e também a vontade. Esta é a fé verdadeira.

Talvez você pergunte: O homem pode ter fé em coisas de que não sabe?


Existe uma relação da fé para com o conhecimento. Porém, não se pode traçar uma rigorosa linha divisória entre ambos. Suas esferas se interpenetram, mas não se pode dizer que nós não cremos o que sabemos, nem que não sabemos algumas coisas que cremos.


Por exemplo: Posso dizer: sei que lavei o rosto hoje de manhã. E também posso dizer: acredito que lavei meu rosto hoje de manhã. O conhecimento desse fato não exclui a crença nele. Entretanto, a fé pode diferir do conhecimento em relação à emoção e à vontade, em casos que envolvem uma pessoa.

O teólogo católico romano divide a fé salvadora em fé explícita e fé implícita. Quando alguém entende e crê inteligentemente exerce a fé explicita. Mas há muitas doutrinas que o homem humilde pode não entender e mesmo nunca ter ouvido e, entretanto, pode crer e aceitar tudo o que a Igreja ensina, porque tem confiança na Igreja. Isto é chamado de fé implícita.

Outra pergunta pode surgir: Qual dos dois tem a precedência? Temos de saber a fim de crer, ou temos de crer a fim de saber?

Para essa pergunta também não se pode admitir uma regra universal. Tem que haver alguma apreensão antes que possa haver fé numa pessoa ou uma preposição. Ninguém pode crer num Deus de quem nunca se ouviu falar, nem numa preposição (ideia) que nunca fi apresentada à sua mente. Ninguém pode crer em um Deus de quem não tem nenhuma apreensão intelectual: “Como pois invocarão aquele em quem não creram? E como crerão naquele de quem nunca ouviram?” (Romanos 10.14).


Por outro lado, deve haver fé na credibilidade de nossos sentimentos, de nossas faculdades e dos processos do pensamento, para que seja possível qualquer considerável aquisição de conhecimento.

Como já foi dito anteriormente: A fé é o elo de ligação entre o crente e Cristo.

O Espírito aplica a redenção adquirida por Cristo, produzindo fé em nós e, assim, unindo-nos com Cristo.

A fé é uma condição apropriada à salvação.

Deus lhe abençoe.

Confissão de Fé - Parte 24

Sei que o assunto deve parecer chato para alguns e até mesmo fora de moda. Mas é uma forma de manter a pureza da doutrina cristã.

O apóstolo Pedro nos diz para explicar a quem nos perguntar qual a razão da nossa esperança (1 Pedro 3. 15). A nossa confissão dá testemunho de nossa fé. E serve como defesa aos ataques de heresias das quais muitas igrejas tem se deixado dominar, devido a sua vulnerabilidade, por não possuir uma confissão de fé.

Este quadro é para auxiliar tanto a cristãos como os incrédulos a entende aquilo em que cremos. E útil também para corrigir pastores e mestres, caso eles estejam se desviando da fé.

Ajuda ainda a sinalizar aos cristãos a analisarem o que está sendo ensinado nas igrejas, como faziam os bereanos: “Os bereanos eram mais nobres do que os tessalonicenses, pois receberam a mensagem com grande interesse, examinando todos os dias as Escrituras, para ver se tudo era assim mesmo.” – (Atos 17. 11 - NVI).

Portanto é útil como meio de estudo, testemunho da fé, meio de manter a pureza da doutrina e defesa contra os ataques de heresias e outras religiões.


Breve Catecismo de Westminster

PERGUNTA 47: Que proíbe o primeiro mandamento?

RESPOSTA: O primeiro mandamento proíbe o negar, ou deixar de adorar ou glorificar ao verdadeiro Deus, como Deus, e nosso Deus; e dar a qualquer outro a adoração e a glória que só a Ele são devidas.


Referências: Sl 14.1; Rm 1.20-21, 25; Sl 8.11.
       
   PERGUNTA 48: Que se nos ensina especialmente pelas palavras "além de mim", no primeiro mandamento?

RESPOSTA: As palavras "além de mim", no primeiro mandamento, ensinam-nos que Deus, que vê todas as coisas, toma conhecimento e muito se ofende do pecado de ter-se em seu lugar outro deus.

Referências: Sl 139.1-3; Dt 30.17-18.

            
                    

ADEUS ANO VELHO, FELIZ ANO NOVO



Mensagem baseada em: Efésios 5:10.

terça-feira, 26 de dezembro de 2017

Viva Uma Profunda Paixão

Toda criatura espera, ansiosamente, a revelação dos filhos de Deus.

Sabemos que até hoje toda a criação geme e padece, como em dores de parto. É o que diz o apóstolo Paulo em sua Carta aos Romanos.

Será que o que falta é um encontro intimo dos chamados filhos de Deus, que os levem a viver uma profunda paixão e um relacionamento mais intenso?

Um dos temas mais trabalhado nas igrejas é sobre o: Avivamento.

Muitas vezes fazemos uma leitura errada das coisas referentes a Deus. Pensar que avivamento é um aglomerado de pessoas em um determinado local é um deles.

Outro é pensar que avivamento está relacionado a gritos, músicas altas e coisas ligadas a esta terra.

Talvez eu possa dizer que avivamento é algo sobrenatural. Que acontece individualmente, no momento em que eu começo a perceber que quanto mais eu me aproximo de Deus, que começo a conhecer mais  Seu caráter e desejar mais de Sua maravilhosa presença, mais cheio eu fico de Seu Espírito Santo.



“Estou absolutamente convencido de que os nossos sofrimentos do presente não podem ser comparados com a glória que em nós será revelada. A própria natureza criada aguarda, com vívido anseio, que os filhos de Deus sejam revelados. Porquanto a criação foi submetida à inutilidade, não por sua livre escolha, mas por causa da vontade daquele que a sujeitou, na esperança de que também a própria natureza criada será libertada do cativeiro da degeneração em que se encontra, recebendo a gloriosa liberdade outorgada aos filhos de Deus. Sabemos que até hoje toda a criação geme e padece, como em dores de parto. E não somente ela, mas igualmente nós, que temos os primeiros frutos do Espírito, também gememos em nosso íntimo, esperando com ansiosa expectativa, por nossa adoção como filhos, a redenção do nosso corpo. Porquanto, precisamente nessa esperança fomos salvos. Contudo, esperança que se vê não é esperança; pois como pode alguém anelar por aquilo que está vendo? Porém, se esperamos por algo que ainda não podemos ver, com paciência o aguardamos.”  (Romanos 8.18-25 – Bíblia King James).

Antes de se revelar em uma casa, em uma igreja, em uma rua, em uma cidade ou mesmo em uma nação, o avivamento começa em um ser que tenha seu interior preenchido com a vida de Deus. O que significa dizer: Estar cheio de Deus. É ter seu interior preenchido com a presença Dele.

Para onde me ausentarei do Teu Espírito?
Para onde fugirei da Tua presença?
(Salmo 139.7)

Tudo começa com alguém buscando ter um relacionamento de intimidade com Deus. Depois isso se torna em uma atitude de não se adequar a maneira de viver do mundo, seguido de uma transformação na forma de pensar, querendo fazer coisas que agradam a Deus. Com um amor intenso pelas almas e o desejo que ver vidas transformadas.

A Palavra de Deus parece querer pular de sua boca. E ele sente necessidade de pregar essa Palavra.

“Porém, quando prego o evangelho, não vejo como me orgulhar, pois a mim é imposta a obrigação de proclamar. Ai de mim se não anunciar o Evangelho!” (1 Corintios 9.16 – Biblia King James).

Assim, não existe Avivamento quando não se há relacionamento de intimidade com Deus. Não podemos ser íntimos de quem não temos interesse.


Salmos 139

Para o mestre de música. Um salmo de Davi. SENHOR, tu me sondas e me conheces!

Sabes quando me sento e quando me levanto, e acompanhas o meu pensamento onde quer que eu esteja.

Discernes minha caminhada e a minha pousada, e estás a par de todos os meus intentos.

Porquanto a palavra ainda não chegou à minha língua e tu, ó Eterno, já a conheces completamente.

Tu me envolves por trás e pela frente, e pões sobre mim tua mão.

Tal conhecimento é para mim demasiado maravilhoso, tão elevado que não posso compreender totalmente.

Para onde poderia eu fugir do teu Espírito? Para onde poderia correr e escapar da tua presença?

Se eu escalar o céu, aí estás; se me lançar sobre o leito da mais profunda sepultura, igualmente aí estás.

Se eu me apossar das asas da alvorada e for morar nos confins do mar, também aí tua mão me conduz, tua destra me ampara.

Se eu cogitar: “As trevas, ao menos, haverão de me envolver, e a luz ao meu redor se tornará em noite”, constatarei que nem as mais densas trevas são obscuras para teu olhar, pois a noite brilhará como o meio-dia, porquanto para ti as trevas são luz.

Tu formaste o íntimo do meu ser e me teceste no ventre de minha mãe.

Graças te dou pela maneira extraordinária como fui criado! Pois tu és tremendo e maravilhoso! Sim, minha alma o sabe muito bem.

Meus ossos não te eram encobertos, quando fui formado ocultamente e tecido nas profundezas da terra.


Teus olhos viam meu embrião, e em teu livro foram registrados todos os meus dias; prefixados, antes mesmo que um só deles existisse!

Ó Deus, como são complexos e preciosos para mim os teus pensamentos, quão vastos e profundos os teus conhecimentos.

Se eu os pudesse somar, seriam mais que os grãos de areia. Se os contasse, levaria toda a eternidade e ainda haveria o que contar.

Quem me dera exterminasses os ímpios, ó Deus! Então, as pessoas inescrupulosas e sanguinárias se afastariam de mim; pessoas que, com má intenção, pronunciam teu Nome, tomando-o em vão, como inimigos teus.

SENHOR, como não odiar aqueles que te odeiam? Como não abominar os que se levantam contra ti?

Eu os odeio com ódio implacável: tornaram-se, dessa forma, meus próprios inimigos.

Sonda-me, ó Deus, e analisa o meu coração. Examina-me e avalia as minhas inquietações!

Vê se há em mim algum sentimento funesto, e guia-me pelo Caminho da vida eterna!



sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

Feliz Natal!


Natal é ter consciência da presença de Jesus no mundo, mas não só isso, pois Ele também está presente em nós, através do Espírito Santo que habita em todo aquele que Nele crer.



Portanto, para que haja paz, amor e tolerância no mundo, depende de nós colocarmos em pratica aquilo que Jesus ensinou.

 Feliz Natal!

domingo, 10 de dezembro de 2017

Bíblia Sagrada – O Livro da Esperança

O Biblicismo é o tópico da Teologia Sistemática que trata na natureza da Bíblia e de seu caráter. É este tópico que tennta compreender que tipo de livro é a Bíblia, qual o fundamento de sua autoridade para a fé e para a prática cristã e em que medida e de que forma ela deve ser  encarada como revelação divina.

(Para maiores conhecimentos Teológicos, sugiro que você acesse: Teologia Para Todos e Doutor Em Teologia e conheça os cursos que estão ao seu alcance).

O Dia da Bíblia

“Tu nos respondes com tremendos feitos de justiça, ó Deus, nosso Salvador, que sustentas a terra até seus confins e os mares até o mais longínquo e profundo” (Salmos 65.5 – Bíblia King James).

O Dia da Bíblia foi criado em 1549, na Grã-Bretanha pelo Bispo Cranmer, e é celebrado no segundo domingo de dezembro, que incluiu a data no livro de orações do Rei Eduardo VI.

É um dia especial e foi criado para que a população intercedesse em favor da leitura da Bíblia. No Brasil a data começou a ser celebrada em 1850, quando chegaram da Europa e EUA os primeiros missionários cristãos evangélicos. Porém, a primeira manifestação pública aconteceu quando foi fundada a Sociedade Bíblica do Brasil, em 1948, no Monumento do Ipiranga, em São Paulo (SP).


Graças ao trabalho de divulgação das Escrituras Sagradas, desempenhado pela entidade, o Dia da Bíblia passou a ser comemorado não só no segundo domingo de dezembro, mas também ao longo de toda a semana que antecede a data. Desde dezembro de 2001, essa comemoração tão especial passou a integrar o calendário oficial do país, graças à Lei Federal 10.335, que instituiu a celebração do Dia da Bíblia em todo o território nacional.

Hoje, as celebrações se intensificaram e diversificaram. Realização de cultos, carreatas, shows, maratonas de leitura bíblica, exposições bíblicas, construção de monumentos à Bíblia e distribuição maciça de Escrituras são algumas das formas que os cristãos encontraram de agradecer a Deus por esse alimento para a vida. 

Dê uma Bíblia aquém você ama. Mostre que você se importa com ela.

“Eis que o meu povo está sendo arruinado porque lhe falta conhecimento da Palavra. Porquanto fostes negligentes no ensino” (Oséias 4.6 – Bíblia King James).


(Extraído de: http://www.sbb.org.br/eventos/diadabiblia/historia-do-dia-da-biblia/).


Assumindo Uma Atitude Inesperada - Rute 1. 16



"Assumindo Uma Atitude Inesperada"

"Não me proíba de ir com a senhora, nem me peça para abandoná-la! Onde a senhora for, eu irei; e onde morar, eu também morarei. O seu povo será o meu povo, e o seu Deus será o meu Deus" (Rute 1:16).

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Fé – Soteriologia – E.T.

Você sabia que: “... Sem fé é impossível agradar a Deus”? Conforme está escrito na Carta aos Hebreus?

Pois é! E sabe por quê? O próprio autor ensina na carta: “... é impossível agradar-lhe; porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe, e que é galardoador dos que o buscam.”. (Hebreus 1.6).

A fé é o elo de ligação entre o crente e Cristo.

O Espírito aplica a redenção adquirida por Cristo, produzindo fé em nós e, assim, unindo-nos com Cristo.

 “Porquanto, todos vós sois filhos de Deus por meio da fé que tendes em Cristo Jesus” (Gálatas 3.26 – Bíblia King James).

Portanto, a fé é a crença na evidencia.


A fé não é cega, como muitos dizem, pensam ou acreditam. Pois para a fé salvadora, é preciso seu assentimento na mente e o consentimento da vontade.

Não basta tratar a fé como algo incerto, como aqueles que dizem: “Parece que é assim”.

Também não basta tratar a fé como algo provável: “Creio que é assim”.

Ou tratar como algo absolutamente certo: “Sei que é assim”.

Todas essas expressões mostram a fé como algo mais do que opinião e menos do que certeza. Todavia, não diz o que é fé na realidade, pois a fé quase sempre inclui as mais fortes convicções da mente humana.

Existem várias espécies de fé, mas não irei falar sobre elas. O que importa aqui é saber que a fé salvadora é a fé que une a alma com Deus e resulta em salvação.

A fé verdadeira inclui tanto a crença como a afeição e também a vontade combinados com ambas.

A fé é a causa fundamental da justificação. É isso o que nos diz Paulo: “Sendo pois, justificados pela fé” (Romanos 5.1).


Fé é uma condição apropriada para a salvação, porque a apreensão intelectual e crença na verdade são necessárias, a fim de nos rendermos a ela e lhe abedecermos; é confiança pessoal em Deus e propósito para com Ele são essenciais à relação filial. 

   E resulta em paz, certeza, santificação e todas as graças da vida cristã.


sexta-feira, 24 de novembro de 2017

Confissões de Fé - Parte 23

Sei que o assunto deve parecer chato para alguns e até mesmo fora de moda. Mas é uma forma de manter a pureza da doutrina cristã.

O apóstolo Pedro nos diz para explicar a quem nos perguntar qual a razão da nossa esperança (1 Pedro 3. 15). A nossa confissão dá testemunho de nossa fé. E serve como defesa aos ataques de heresias das quais muitas igrejas tem se deixado dominar, devido a sua vulnerabilidade, por não possuir uma confissão de fé.

Este quadro é para auxiliar tanto a cristãos como os incrédulos a entende aquilo em que cremos. E útil também para corrigir pastores e mestres, caso eles estejam se desviando da fé.

Ajuda ainda a sinalizar aos cristãos a analisarem o que está sendo ensinado nas igrejas, como faziam os bereanos: “Os bereanos eram mais nobres do que os tessalonicenses, pois receberam a mensagem com grande interesse, examinando todos os dias as Escrituras, para ver se tudo era assim mesmo.” – (Atos 17. 11 - NVI).

Portanto é útil como meio de estudo, testemunho da fé, meio de manter a pureza da doutrina e defesa contra os ataques de heresias e outras religiões.


Breve Catecismo de Westminster

PERGUNTA 45: Qual é o primeiro mandamento?

RESPOSTA: O primeiro mandamento é: "Não terás outros deuses além de mim".


Referências: Ex 20.3.
       
   PERGUNTA 46: Que exige o primeiro mandamento?

RESPOSTA: O primeiro mandamento proíbe o negar, ou deixar de adorar ou glorificar ao verdadeiro Deus, como Deus, e nosso Deus; e dar a qualquer outro a adoração e a glória que só a Ele são devidas.

Referências: 1 Cr 28.9; Dt 26.17; Sl 95.6-7.

            
                    

terça-feira, 14 de novembro de 2017

Circunstâncias Que Não Podemos Mudar

Na vida nem tudo acontece como planejamos. Podem acontecer coisas inesperadas que abalam nossa vida. Como por exemplo: A notícia de uma doença que nos faz sentir vontade de quase não sair de casa.

Mas apesar das circunstâncias, muita gente consegue recuperar o controle de sua vida.

Salomão em seu tempo já tinha conhecimento disso, ele escreveu: “Se te mostras vagaroso para ajudar teu próximo, pouca força terás no dia da angústia.” (Provérbios 24.10 - Bíblia King James).

Sabe o que isso nos ensina? Que nossa atitude é que faz a diferença.

Isso mesmo! As coisas que aconteceram, aconteceram. E mesmo Deus não irá mudar esse fato. Nossa atitude diante do fato é que fará a diferença.

Se você se deixar levar por um ponto de vista negativo, irá abrir mão do pouco controle que você ainda tem da situação, mas, se você olhar suas circunstâncias de maneira positiva, geralmente conseguirá retomar as rédeas de sua vida.

Compare com Eclesiastes 5.1-7

Veja esse exemplo:

Arthur Ashe, o lendário jogador de Wimbledon, estava morrendo de AIDS. Foi contaminado com sangue infectado durante uma cirurgia cardíaca em 1983.

Ele recebeu cartas de seus fãs, uma das quais perguntou: "Por que Deus teve que escolher você para por uma doença tão horrível?"

Arthur Ashe respondeu: Muitos anos atrás, cerca de 50 milhões de crianças começaram a jogar tênis, e uma delas era eu.

Cinco milhões realmente aprenderam a jogar tênis;

500 000 se tornaram Tenistas profissionais;

50 mil chegaram ao circuito;

5 Mil alcançaram Grandslam;

50 delas chegaram a Wimbledon;

4 delas chegaram à semifinal;

2 delas chegaram à final e uma delas era eu.

Quando eu estava comemorando a vitória com a taça na mão, nunca me ocorreu perguntar a Deus: “Porque eu?".

Então, agora que estou com dor, como posso perguntar a Deus, "Por que eu?".

A felicidade te mantém doce! Os julgamentos mantêm você forte! As dores te mantêm Humano! A falha mantém você humilde! O sucesso mantém você brilhante! Mas só a fé o mantém em pé.

Às vezes você não está satisfeito com sua vida, enquanto muitas pessoas neste mundo sonham em poder ter sua vida.

Uma criança em uma fazenda vê um avião que voa e sonha em voar, mas, o piloto desse avião voa sobre a fazenda e sonha em voltar para casa.

Assim é a vida! Aprecie a sua!

Se a riqueza é o segredo da felicidade, os ricos deveriam estar dançando nas ruas. Mas apenas crianças pobres fazem isso.

Se o poder garante segurança, os VIP’s deveriam andar sem guarda-costas.
Mas apenas aqueles que vivem humildemente, sonham em silêncio.

Se a beleza e a fama atraem relacionamentos ideais, celebridades deveriam ter os melhores casamentos.

Tenha confiança em você MESMO, mas tenha fé em DEUS! 

Viva humildemente. Caminhe humildemente e AME com o coração.



Leia também: