Páginas

sábado, 20 de maio de 2017

Boas Obras Por Amor

— Dois homens foram ao Templo para orar. Um era fariseu, e o outro, cobrador de impostos. O fariseu ficou de pé e orou sozinho, assim: “Ó Deus, eu te agradeço porque não sou avarento, nem desonesto, nem imoral como as outras pessoas. Agradeço-te também porque não sou como este cobrador de impostos. Jejuo duas vezes por semana e te dou a décima parte de tudo o que ganho.” Mas o cobrador de impostos ficou de longe e nem levantava o rosto para o céu. Batia no peito e dizia: “Ó Deus, tem pena de mim, pois sou pecador!”

E Jesus terminou, dizendo:

— Eu afirmo a vocês que foi este homem, e não o outro, que voltou para casa em paz com Deus. Porque quem se engrandece será humilhado, e quem se humilha será engrandecido.
(Lucas 18.10-14).




Quando amamos a Deus produzimos boas obras. E sempre pela motivação certa, que é fazer o bem. Sempre com a consciência de que Ele nos amou primeiro.

Quando pensamos em trabalhar para Deus com a finalidade de obter algum favor, estamos cuspindo na graça de Deus. Pois a graça de Deus é gratuita.

Na parábola acima, aquele que se justificou não foi justificado por Deus. E aquele que clamou pela misericórdia de Deus foi justificado.

A lição para aprendermos é a seguinte:

Enquanto confiarmos em nossa capacidade, e em nossas boas obras, a misericórdia de Deus não terá qualquer efeito.

Somente quando pararmos de proclamar a nossa bondade, e clamarmos por misericórdia, seremos justificados por Deus.