Páginas

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

O Socorro de Deus

Esta mensagem fala daqueles que são desamparados na vida e recebem o Socorro de Deus. É uma mensagem que tem a  ver com o dia-a-dia da experiência humana, com o ato da sobrevivência, com a busca de encontrar um recurso de manter os sonhos da vida realizável, pois dentro do contexto dessa família o homem da casa havia morrido.

Aqui encontramos dois personagens importantes são eles:

A mulher que foi casada com um homem de Deus, esse faleceu. E na tentativa de sobreviver, pois a vida continua, ela se endividou. E vai então procurar ajuda a outro homem de Deus (2 Reis 4.1).

O segundo personagem é Elizeu. Ela a princípio tenta fugir do compromisso: “Que te hei de fazer?” (2 Reis 4. 2). Mas ele entra num bom senso, pensa outra vez e pergunta: “Dize-me o que tens em casa.” (2 Reis 4. 2).

O que podemos tirar para nós nos dias de hoje?


Se eu perguntar: Existe alguém devendo? Alguém que tenha dívidas? Você precisa de um milagre, uma intervenção de Deus em sua vida?

Possivelmente a maioria diria que sim. E eu direi que só existe Um que pode fazer o escasso se tornar abundante: O Senhor Deus!

E você certamente irá querer saber como podemos conseguir esse milagre.

Mas, primeiramente é preciso entender que para Deus o milagre é apenas uma possibilidade divina. Para mim é difícil, mas, para Ele não, pois faz parte da Sua natureza.

Então você poderá querer saber se existe algum elemento que pode ajudar para que esse milagre possa ocorrer. O texto nos mostra pelo menos quatro:


O primeiro deles é a realidade, está no verso 1. É ser capaz da realidade, das constatações, dos fatos reais. Alguém que precisa de um milagre, precisa ser capaz de admitir que não existe outros meios de solucionar os seus problemas. A realidade era esta, o marido havia morrido, ela estava devendo, chegou o credor, e seus filhos seriam levados. Comece a admitir que você precisa mesmo de um milagre, não se engane. Não tenha vergonha, não queira usar da pseudo-espiritualidade dizendo que tudo está bem.

Em segundo é preciso a positividade, veja a parte B do verso 2: “Tua serva não tem nada em casa, senão uma botija de azeite.”  O realismo dela não impedi a possibilidade da positividade. “Quem sabe o que eu tenho, pode ser maior e melhor se Deus chegar e tocar?”. É preciso reconhecer o que eu tenho, o que restou na botija. Avalie o que restou do relacionamento com os filhos, com o cônjuge. O que está ao meu próprio alcance? É isso que você deve apresentar para Deus para que Ele venha agir.

Em terceiro, é preciso me preparar para ter tudo o que posso ter, veja o que o homem de Deus disse a mulher: “Vai, pede emprestadas vasilhas a todos os teus vizinhos, vasilhas vazias, não poucas” (2 Reis 4. 3). Isso é Ter uma visão de fé, preparar a mente, o coração, o ambiente, os espaços, a atitude do que a realidade será para mim, e não aquilo que tem sido hoje. Busque as vasilhas, faça sua parte e você vai experimentar a intervenção de Deus em sua vida.

E por último é preciso trabalho e fé. O verso 5 nos mostra que a mulher montou uma linha de produção e começou a fazer o que o profeta havia lhe falado. O resultado foi que ela conseguiu quitar sua dívida e ainda lhe restou o suficiente para ela continuar a vida.

Porque é possível esse milagre acontecer em nossa vida, nos nossos dias? Pelos seguintes motivos:

Espere tudo de Quem tem tudo. Ofereça tudo o que você tem a Quem tem tudo o que você não tem. Creia que assim fazendo, você terá mais do que você precisa. Quando isso acontecer dê ao milagre um fim proveitoso: “vai pague a dívida e você e seus filhos vivam do que sobrar”.

Às vezes não conseguimos nada pelo fato de agirmos diferente de tudo isso: “Pedis e não recebeis, porque pedis mal, para o gastardes em vossos deleites.” (Tiago 4. 3).



Mensagem pregada na Congregação da 3ª Igreja Presbiteriana em São Cristovão, em 08/09/1999. Baseada no texto de 2 Reis 4. 1-7.