Páginas

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

A Soberania de Deus

Todas as coisas sem exceção estão dispostas por Ele, e sua vontade é a última palavra para tudo o que acontece. Os céus e a terra e tudo o que neles há são instrumentos pelos quais Ele executa seus planos.

É Deus que dirige os passos dos homens, quer eles saibam ou não.

Resumindo, é reconhecer Deus como o supremo soberano do universo, como governador moral do mundo, é admitir sua divindade e seu direito de dispor o que Ele criou de acordo com Sua vontade e Seu plano.

É reconhecer que Ele não está sujeito às circunstâncias que Ele não criou e não pôde controlar; e também, que Ele não é um fantoche que acomoda seus planos às circunstâncias que não dependem Dele, mas da vontade livre e dos atos de suas próprias criaturas.


A concepção que temos de Deus, de acordo com o que aprendemos na Bíblia, obriga-nos a crer que sendo soberano, Deus decretou tudo o que acontece para a sua glória e para o bem daqueles o amam, "daqueles que são chamados segundo o seu propósito" (Romanos 8. 28). Aprendemos também que Deus nunca é derrotado. Ainda quando tudo parece estar contra o que Ele planejou. 

Quando Cristo era rejeitado pelas cidades onde operou a maioria de Seus milagres e onde pregou a maioria de Seus sermões; ainda assim, devemos fazer como Cristo fez naquela ocasião, isto é, deu graças a Deus porque tudo aconteceu de acordo com seus planos.



Mensagem pregada na Congregação da 3ª Igreja Presbiteriana, em São Cristovão, baseada no texto de Mateus 11. 20-26. Ano de 2000.