Páginas

sexta-feira, 30 de maio de 2014

Evidências da Existência de Deus - E.T. Continuação

Um pensamento interessante é o do Dr. Patton observe: “A ideia de Deus pode ser o testemunho de Deus quanto à sua própria existência. Porventura não podemos nós crer que é por meio do testemunho interno do Espírito de Deus e não simplesmente por meio de argumentos externos, que recebemos a nossa crença inicial na existência de Deus?".
Uma coisa podemos admitir, o conhecimento de Deus é quase universal.
Paulo diz em sua Carta aos Romanos: “O que de Deus se pode conhecer neles se manifesta, porque Deus lho manifestou” (Romanos 1. 19).
Paulo está dizendo que a criação visível é fonte de conhecimento concernente à natureza do seu Criador invisível. Quando ele escreveu está carta estava mostrando o caráter culposo da ignorância de Deus em que o homem se encontra. Uma ignorância deliberada, onde o homem tem o conhecimento de Deus ao alcance deles, mas desprezam esse conhecimento: “Os seres humanos podem ver tudo isso nas coisas que Deus tem feito e, portanto, eles não têm desculpa nenhuma” (Romanos 1. 20).
A verdade está entregue aos seres humanos, mas eles preferem abraçar a mentira.
Até mesmo a ideia de eternidade está embutida em nós: “Tudo fez formoso em seu tempo; também pôs na mente do homem a ideia da eternidade, se bem que este não possa descobrir a obra que Deus fez desde o princípio até o fim” (Eclesiastes 3. 11).
“Bem-aventurados os que não viram e creram” (João 20. 29).
Comecei mencionando as descobertas do famoso cientista e quero terminar citando mais um pouco de sua declaração: “Cheguei a conclusão que estamos em um mundo, feito por regras criadas por uma inteligência, não muito diferente do seu jogo preferido de computador, claro imensamente mais complexa. Analisando o comportamento da matéria em escala subatônica, a parte afetada pelo semi-raio primitivos de táquions, um minúsculo ponto do espaço, pela primeira vez na história, totalmente livre de qualquer influência do universo, matéria, força ou lei, percebi de maneira inédita o caos absoluto. Acredite, tudo que nós chamávamos de casualidade até hoje, não fará mais sentido. Para mim está claro que estamos em um plano regido por regras criadas, e não moldados por acaso universal”, declarou Michio Kaku à conceituada revista científica.