Páginas

quarta-feira, 30 de abril de 2014

No Chafurdar Do Pecado


Não importa se é um país de primeiro mundo ou não, sempre encontraremos o homem chafurdado na desonestidade, envoltos em vícios e baixaria. Seres que se rendem à indignidade, que se deixam corromper, que se deixam macular e mancham uma reputação inteira.
Basta olhar para o que aconteceu com o jogador de futebol, Daniel Alves, que joga atualmente no Barcelona. As implicações são fortes.
São as mesmas que levam o ser humano a viver uma vida de trabalho escasso, falta de moradia, a violência crescente, as drogas escravizadoras e destruidoras, a fome, e todo tipo de dificuldades.
São tantas as mazelas que cercam o homem que o levam a tomar atitudes bestiais, e algumas vezes animalescas.
O caso de Daniel Alves, que sofreu com o racismo do torcedor, um conceito baseado em julgamento próprio, e a partir daí uma ação depreciativa por causa da diferença, pois o racismo nada mais é do que uma ideia baseada em uma análise tendenciosa e por isso a discriminação provocativa, mostra que este quadro de horror não pode simplesmente ser encarado como uma consequência de problemas sociais.
A fonte maior de todos os problemas está no mundo espiritual. O servo de Deus deve olhar e saber discernir a fonte dos males. Às vezes, Deus permite a humilhação, porque depois, com certeza, ele nos exaltará “... e o que a si mesmo se humilhar será exaltado” (Mateus 23. 12).
No dia-a-dia, antes de iniciar suas atividades, reserve um momento para se achegar diante de Deus, fale com Ele, conte prá Ele.
Ter comunhão com Deus é ter laços profundos de amizade e companheirismo com Ele.
Da mesma forma que os homens são alcançados pelo pecado no desenrolar de suas vidas diárias, a graça de Deus chega até nós no encontro que temos com Ele diariamente: “Graças ao grande amor do Senhor é que não somos consumidos, pois as suas misericórdias são inesgotáveis. Renovam-se cada manhã; grande é a sua fidelidade!” (Lamentações de Jeremias 3. 22, 23).