Páginas

terça-feira, 1 de abril de 2014

Loucuras de Um Cristianismo Sem Graça - Continuação


Quando o cristão se preocupa mais com as questões de prosperidade, começa a negar a loucura, e dá início de forma inconsciente a exclusão do convívio social as pessoas que sofrem desse mal. Deixa-se de tratá-las como cidadãos, e passa-se a vê-las como endemoniadas e alguém com falta de fé.
São as loucuras de um cristianismo sem graça. Sem as mudanças de uma vida renovada, de um novo nascimento. De uma vida que mostra a gratidão de um ser que foi atingido por uma grande graça.
 Em 2010, a Associação Brasileira de Psiquiatria informou que 12% da população do País necessitavam de algum atendimento em saúde mental, e que pelo menos 3% da população sofria com transtornos mentais graves e persistentes. Dentre os mais graves estavam os transtornos de humor, que inclui a depressão e o transtorno bipolar, os transtornos psicóticos, do qual o principal é a esquizofrenia, e os transtornos mentais associados ao álcool e as drogas. Sendo esses últimos os que mais podem devastar a vida de uma pessoa e a convivência dela com a família e a sociedade.
 Estatísticas mostram que a combinação de álcool, drogas e doença mental é a responsável pela maioria dos crimes que vão para os manicômios judiciários.
Como diz o poema:
Sem Jesus
A gente ouve e não entende
Sofre tanto e não aprende
A fugir da tentação
E em busca
De encontrar felicidade
Fecha os olhos pra verdade
E acredita na ilusão

É preciso acordar da sonolência dessas loucas doutrinas de um cristianismo sem graça, para vivermos as doutrinas do Mestre Jesus, e levar Seu Evangelho “para pregar boas-novas aos mansos; a restaurar os contritos de coração, a proclamar liberdade aos cativos, e a abertura de prisão aos presos” (Isaias 61. 1).