Páginas

sábado, 28 de janeiro de 2017

A Pessoa de Cristo - Soteriologia - E.T. – Parte 2

Na postagem anterior falamos sobre a divindade de Cristo, e mostramos as bases para essa crença.

Hoje falaremos sobre a humanidade de Cristo. Essa para muita gente, talvez seja mais fácil de aceitar.

O Credo cristão formula a natureza de Jesus como sendo plenamente Deus e plenamente Homem. Ou seja, o Deus encarnado assumiu completamente a humanidade, tornando-se passível das mesmas limitações físicas e psicológicas comuns a todos os homens.


Há indicações claras na Bíblia que Jesus era uma pessoa plenamente humana, sujeito a todas as limitações comuns à raça humana, mas sem pecado.

O texto a seguir: “O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e as nossas mãos apalparam — isto proclamamos a respeito da Palavra da vida” (1 João 1.1), nos mostra que Cristo tinha um corpo humano, podia ser visto, sentido e apalpado.

Jesus nasceu, cresceu, alcançou a maturidade, apareceu em forma de homem, comeu, bebeu, teve sede, dormiu, sofreu cansaço, morreu, foi sepultado, ressuscitou e foi reconhecido pelos seus característicos físicos.

Em 1 Timóteo 2.5, Ele foi chamado de Jesus Cristo homem. Assim como também o Filho do homem, semente da mulher, filho de Davi.

 O Evangelho de Mateus menciona os seus antepassados desde Davi, já o Evangelho de Lucas, a menciona desde Adão.

Lucas menciona um episódio em que Jesus diz as seguintes palavras: “Vejam as minhas mãos e os meus pés. Sou eu mesmo! Toquem-me e vejam; um espírito não tem carne nem ossos, como vocês estão vendo que eu tenho" (Lucas 24.39).

O autor de Hebreus escreveu: “Portanto, visto que os filhos são pessoas de carne e sangue, ele também participou dessa condição humana” (Hebreus 2.14).

Isso nos mostra, portanto, que Jesus tinha um corpo.


As Escrituras nos ensinam ainda que Jesus Cristo também possuía uma alma. A Teologia a chama de “Alma Racional”, uma natureza humana, isto é, um espírito com seus poderes ou faculdades. Essas faculdades são: intelecto, sentimento, vontade e consciência.

As Escrituras nos ensina que Jesus amou, simpatizou, chorou, teve todos os sentimentos próprios de um homem; pensou, falou, quis, escolheu dessa e daquela maneira, gemeu em espírito e se perturbou.

Veja esses textos das Escrituras:

“Por essa razão era necessário que ele se tornasse semelhante a seus irmãos em todos os aspectos” (Hebreus 2.17).

“A minha alma está profundamente triste, numa tristeza mortal” (Mateus 26.38).

Se Jesus Cristo não tivesse uma alma humana exatamente como tinha um corpo humano, não poderia ser verdadeiramente um homem.

No próximo mês falaremos sobre a distinção entre as duas naturezas. 

Até lá.





Você sabia que 50 milhões de células são trocadas todos os dias em seu organismo e que você precisa de pelo menos 44 nutrientes para formá-las? E que diariamente nosso corpo precisa orquestrar com maestria as respostas metabólicas das outras cem trilhões de células para gerar saúde? Neste novo livro, Dra. Gisela Savioli nos convida a mudar a história de nossa longevidade por meio de pequenas atitudes diárias que serão capazes de modificar nossa expressão genética. Sim, a escolha entre ser ou não ser uma pessoa saudável está única e exclusivamente em suas mãos, afinal, genética conta 20% e suas escolhas - estilo de vida -, 80%. Vai aceitar o desafio?




Objetivo: O Programa do Curso visa o desenvolvimento da capacidade de pesquisa científica no campo teológico, com a produção de resultados relevantes para a teologia, bem como a formação de professores de Teologia e de assessores teológicos a organismos nacionais, regionais ou eclesiásticos. 
Campo de Atuação: Liderança Cristã - desenvolver atividades administrativas, docência bíblica na comunidade. Aconselhamento Pastoral - às famílias, adolescência, confortando, exortando, ensinando no temor de Deus. Missões - implantar igrejas nas áreas urbanas e rurais, não alcançadas pelo evangelho. Evangelismo - levar a mensagem de esperança e salvação das escrituras ao próximo Docência - exercer uma atuação educativa nos estabelecimentos de educação que necessitem de formação teológica, Igrejas, Seminários.