Páginas

segunda-feira, 26 de outubro de 2015

A Queda do Homem – Antropologia – Parte 2 – E.T.

Mais do que um mero infortúnio, a queda corrompeu a natureza espiritual da raça humana. Pois tendo sido dado o primeiro passo, segue-se rapidamente em crescimento que levará ao plano da iniquidade.

Deus podia ter evitado o pecado? Sim podia. Mas Ele preferiu permiti-lo, por motivos que nos são desconhecidos. Mas uma coisa deve ficar bem clara para nós, o amor de Deus é mais evidente na redenção, do que o seria se não houvesse o pecado.


Toda a humanidade herdou uma natureza pecaminosa, e essa natureza é pecado em si mesma. Portanto todo o gênero humano está em um estado de pecado e miséria.

Adão pecou, isto é, desobedeceu a uma ordem de Deus, e tendo desobedecido corrompeu a sua natureza. Ao fazer isso Adão transmitiu a sua posteridade uma propensão para o mal. E essa propensão cresce com rapidez, pois veja, o primeiro homem que nasceu nesse mundo assassinou ao segundo, e a degeneração da raça marchou ao ponto de ter culminado na destruição do dilúvio.


O efeito da queda trouxe degeneração e morte: “Todo o gênero humano por sua queda perdeu comunhão com Deus, está debaixo da sua ira e maldição, e assim sujeito a todas as misérias nesta vida, à morte e às penas do inferno para sempre” (Resposta á pergunta 19 do Catecismo). 

“O que é nascido da carne é carne” (João 3. 6). A raça humana perdeu-se na queda.


Leia também: