Páginas

quinta-feira, 10 de abril de 2014

Prisioneiros da Tecnologia


Não é somente a facilidade e a rapidez na comunicação tecnológicas que trouxemos junto com a internet e o celular. Com ela trouxemos também a dependência.
Muitas pessoas vivem com a necessidade de estar sempre conectado. À rede. Quando não é isso, é a necessidade de estar em contato com outras pessoas  via telefone ou através de envio de mensagens.
      Há aqueles que precisam disso para trabalho, outros no entanto passam do nível considerado normal. Quando isso acontece transforma-se em um transtorno psiquiátrico, que traz sérios problemas. Este é um novo tipo de dependência, que dá-se o nome de viciado em tecnologia.
São os vícios modernos, dos quais a Nomofobia faz parte. E o que é nomofobia? É a angustia ou o desconforto que sempre a pessoa que não consegue ficar sem usar o aparelho celular.
O vício em internet, chamado de Ciberviciado, é outro vício moderno, que vem sendo estudo há 15 anos. O vício relacionado à internet é conhecido como compulsão à internet ou internet-dependència.
É natural que ao falarmos em vício, logo venha a nossa mente questões como drogas, cigarro, álcool, jogatinas, sexo e outras coisas. No entanto, o vício está ligado a questões mais amplas, ele não se restringe a um ou dois aspectos. O vício está ligado a diversos aspectos.
        Por isso, quando alguém é afetado na sua vida pessoal, profissional e sentimental, por causa de sua permanência na internet, podemos diagnosticá-lo como um caso de internet-dependência, ou ciberviciado.
Para se ter uma ideia da dimensão do assunto, essas dependências podem ser comparadas a outros transtornos psiquiátricos como a depressão ou a anorexia.
Para alguns profissionais que já observam esses transtornos, apontam sintomas específicos para cada forma de vício. Quem tem dependência pelo celular apresenta quadros de ansiedade e passa a desenvolver comportamentos como ouvir o aparelho tocar mesmo quando ele não está tocando. Já os sintomas de quem é dependente da internet, são a incapacidade de desconectar e a mentira para menos o número de horas que passam on-line.