Páginas

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

O Lenhador e a Raposa

Certa vez, alguém disse: "Quando o coração fala ao coração, não há mais nada a dizer!"

Isso significa dizer que precisamos confiar em nosso sentimento. Que quando gostamos de alguém e temos confiança precisamos retribuir o sentimento e confiar em nosso coração.

Não podemos nos deixar levar pela cabeça dos outros.
Aqui está um texto para reflexão:


Um lenhador acordava todos os dias às 6 horas da manhã e trabalhava o dia inteiro cortando lenha, só parando tarde da noite. Ele tinha um filho lindo de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bichano de estimação e de sua total confiança. Todos os dias, o lenhador — que era viúvo — ia trabalhar e deixava a raposa cuidando do bebê. Ao anoitecer, a raposa ficava feliz com a sua chegada.

Sistematicamente, os vizinhos do lenhador alertavam que a raposa era um animal selvagem, e, portanto, não era confiável. Quando sentisse fome comeria a criança. O lenhador dizia que isso era uma grande bobagem, pois a raposa era sua amiga e jamais faria isso. Os vizinhos insistiam: Lenhador, abra os olhos! A raposa vai comer seu filho. Quando ela sentir fome vai devorar seu filho!

Um dia, o lenhador, exausto do trabalho e cansado desses comentários, chegou a casa e viu a raposa sorrindo como sempre, com a boca totalmente ensanguentada. O lenhador suou frio e, sem pensar duas vezes, deu uma machadada na cabeça da raposa. A raposinha morreu instantaneamente.

Desesperado, entrou correndo no quarto. Encontrou seu filho no berço, dormindo tranquilamente, e, ao lado do berço, uma enorme cobra morta.


Isso nos faz refletir em quanto precisamos confiar em nosso sentimento e nas pessoas que gostamos. Existe nesse mundo muitas pessoas com maldade no coração querendo destruir qualquer tipo de relacionamento.

O amor implica em depender. É dependência, é estar na mão da outra pessoa. Amar implica em confiar no outro.

Por isso o apostolo Paulo escreve aos corintos: “O amor é paciente e benigno, não arde em ciúmes; o amor não se ufana, não se ensoberbece; O amor não é rude nem egoísta, não se exaspera e não se ressente do mal. O amor não se alegra com a injustiça, mas regozija-se com a verdade. Está sempre pronto para perdoar, crer, esperar e suportar o que vier... O amor jamais acaba” (1 Coríntios 13. 4-8).  

Essa é a essência do amor. Confiar um no outro é essencial para um amor maduro. Pois tudo o que o Amor pede é sinceridade, dedicação e entrega. Uma entrega que só é possível quando se confia no ser amado.